Publicidade

Estado de Minas

EUA divulgam vídeo de barco iraniano junto petroleiro atacado


postado em 14/06/2019 15:31

Um vídeo divulgado na quinta-feira (13) pelo Comando Central dos Estados Unidos (CENTCOM) mostra o que seria a tripulação de uma patrulha iraniana, retirando um objeto do casco de um navio parecido com o petroleiro de propriedade japonesa "Kokuka Courageous".

O petroleiro transportava metanol dos Emirados Árabes Unidos para o Oceano Índico, quando foi atacado ontem de manhã, junto com o "Front Altair", propriedade da empresa norueguesa Frontline, após atravessar o Estreito de Ormuz.

Nas imagens do CENTCOM, uma lancha que transporta entre oito e dez pessoas, que estariam com colete salva-vidas, paira nas águas tranquilas ao lado de um navio-tanque que parece ser o "Kokuka Courageous".

Nas primeiras imagens do vídeo, uma pessoa que está de pé na proa da lancha parece tirar do casco do navio um objeto de cor clara, ligeiramente maior do que um prato de comida.

"Uma patrulha Classe Gashti dos Guardiães da Revolução se aproximou do M/T [Motor Tanker] 'Kokuka Courageous' e foi observada e registrada retirando (uma) mina não detonada", disse o CENTCOM, na descrição do vídeo.

Outra imagem, mais distante, mostra a lancha, afastando-se da embarcação maior. Mais uma vez, as marcas, grades e tubulações do petroleiro parecem coincidir com as imagens de arquivo do "Kokuka Courageous", das quais a AFP dispõe.

À medida que a imagem se desloca, acompanhando o barco de patrulha dando marcha a ré, pode-se ver uma mancha escura no casco do petroleiro, logo acima da linha de flutuação.

Isso parece coincidir com o dano exibido em uma imagem em separado divulgada pelo Exército dos Estados Unidos.

Outro primeiro plano do barco menor mostra o que parece ser uma metralhadora, armada em frente a uma pequena ponte de comando.

O CENTCOM não explicou como as imagens foram feitas, mas parecem aéreas.

Citando versões de testemunhos da tripulação, os operadores do "Kokuka Courageous" disseram que o navio foi atingido por um "objeto voador" antes de sofrer uma segunda explosão a bordo.

A Marinha americana informou que 21 membros da tripulação haviam abandonado a embarcação depois de "descobrir uma provável mina presa ao casco após a explosão inicial".

Os tripulantes foram retirados por um navio holandês antes de serem transferidos para o destróier americano "USS Bainbridge".

Ali Ansari, especialista em Irã da Universidade escocesa de St Andrews e analista do Royal United Services Institute militar de Londres, advertiu que seria precipitado tirar conclusões com base no vídeo.

"A situação é particularmente tensa, e as consequências serão importantes, motivo pelo qual não devemos nos apressar", afirmou.

O Irã chamou de "infundadas" as acusações americanas.


Publicidade