Publicidade

Estado de Minas

Ex-guerrilheiro procurado nos EUA toma posse em Congresso colombiano


postado em 11/06/2019 20:26

O ex-guerrilheiro Jesús Santrich, procurado nos Estados Unidos por acusações de narcotráfico, tomou posse no Congresso da Colômbia nesta terça-feira (11), em cumprimento ao contemplado nos acordos de paz com a Farc, grupo armado transformado em partido político, apesar do repúdio declarado do governo de Bogotá.

Santrich, de 52 anos e vítima de uma severa deficiência visual, assumiu o posto na Câmara baixa em um discreto ato realizado na sede do Legislativo, na capital colombiana.

Este é um "novo passo na luta e na defesa da paz para a Colômbia", declarou à imprensa o recém-empossado legislador ao deixar o Parlamento, no centro de Bogotá.

O ex-negociador de paz, que sempre defendeu sua inocência diante das suspeitas de narcotráfico, tinha um assento reservado como parte do acordo que levou ao desarmamento daquela que foi a maior guerrilha das Américas, agora transformada em partido de esquerda.

No entanto, não pôde tomar posse devido à sua captura, em abril de 2018, para fins de extradição por crimes supostamente cometidos depois que a paz foi assinada, em novembro de 2016.

Na semana passada, a Corte Suprema determinou sua soltura e reconheceu a imunidade parlamentar do ex-guerrilheiro.

O caso gerou uma comoção política e judicial na Colômbia, profundamente dividida pelo pacto que pôs fim a meio século de enfrentamento com os rebeldes marxistas.

A posse de Seuxis Paucias Hernández - nome de registro de Santrich - serve "para fortalecer a defesa da paz e do acordado", expressou em um tuíte Rodrigo Londoño, presidente da Força Alternativa Revolucionária do Comum (Farc), partido egresso dos acordos que terminaram com um conflito sangrento de mais de meio século.

A chegada de Santrich ao Congresso revoltou o presidente Iván Duque, que insiste em culpar o líder da organização armada dissolvida apesar de que ainda não foi submetido a julgamento.

"Ver um mafioso (...) chegar e debochar da sociedade colombiana me parece que não só é inadmissível, mas que deve motivar todos (...) a exigir que se faça justiça", disse o presidente conservador nesta terça-feira.

Eleito com a promessa de rever os compromissos de paz, Duque pediu à Procuradoria, que se encarrega de fiscalizar os funcionários públicos na Colômbia, a suspender Santrich de seu novo cargo.

Ao mesmo tempo, pediu à Corte Suprema que o capture e puna de forma exemplar por sua suposta reincidência depois do acordo de paz.

A Justiça de paz que investiga os piores crimes cometidos durante o conflito com as Farc ordenou, em meados de maio, a libertação de Santrich.

No entanto, em 17 de maio, foi recapturado ao deixar a prisão por ordem de um juiz sob novas acusações relacionadas com a sua suposta intenção de enviar cocaína aos Estados Unidos.

Santrich afirma que as acusações fazem parte de um complô de Washington e da Promotoria colombiana.

Apoiado pela ONU, o acordo que levou ao desarmamento de 7.000 combatentes prevê benefícios penais para os responsáveis por crimes atrozes que contribuam para a verdade, a justiça e a reparação das vítimas.

No entanto, torna sem efeito a blindagem contra a extradição para quem tiver reincidido após a entrada em vigor dos compromissos de paz.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade