Publicidade

Estado de Minas

Veteranos de guerra e líderes mundiais comemoram 'Dia D' em Portsmouth


postado em 05/06/2019 10:19

Junto com representantes de outros 13 países e 300 veteranos, os chefes de Estado de Estados Unidos, Reino Unido e França - Donald Trump, Elizabeth II e Emmanuel Macron - iniciaram nesta quarta-feira (5) na Inglaterra as celebrações pelo 75º aniversário do desembarque da Normandia.

As celebrações, que continuarão na França na quinta-feira, começaram com a projeção em um telão de imagens do "Dia D", mostrando os soldados que desembarcaram nas praias da Normandia.

Na sequência, um grupo de veteranos subiu ao palco, muitos apoiando-se em uma bengala. Foram ovacionados pelo público e por representantes de líderes de 16 países.

A cerimônia na cidade britânica de Portsmouth também contou com a presença da primeira-ministra Theresa May, seus homólogos de Canadá e Austrália - Justin Trudeau e Scott Morrison -, a chanceler alemã, Angela Merkel, e chefes de governo da Bélgica, República Tcheca, Grécia, Luxemburgo, Holanda, Noruega, Polônia, Eslováquia, Dinamarca e Nova Zelândia.

Os atos comemoram o chamado "Dia D", em 6 de junho de 1944, quando começou o enorme desembarque militar aliado na costa francesa da Normandia, um momento-chave na libertação da Europa do nazismo. Dos mais de 150.000 soldados que pisaram em solo francês nesse dia, mais de 10.000 morreram, ficaram feridos, ou despareceram.

Para honrar esse ato heróico, os 16 países representados em Portsmouth adotaram uma declaração, na qual se comprometem a que "os sacrifícios do passado não tenham sido em vão, nem sejam nunca esquecidos".

"Durante os últimos 75 anos, as nações defenderam a paz na Europa e no mundo, a democracia, a tolerância e o Estado de direito", dizem na declaração.

"Reiteramos hoje nosso compromisso com os valores comuns, porque eles apoiam a estabilidade e a prosperidade das nossas nações e dos nossos povos", acrescentam, destacando seu compromisso com organizações internacionais como a ONU e a Otan.

"Estas comemorações serão a ocasião de honrar aqueles que fizeram sacrifícios extraordinários para garantir a liberdade na Europa", afirma a rainha Elizabeth II no programa oficial.

Durante a cerimônia, Macron leu a carta de um jovem resistente francês, Henri Fertet, fuzilado aos 16 anos. Após 87 dias de prisão e de tortura, ele escreveu aos pais.

"Eu morro por minha pátria. Quero uma França livre e franceses felizes. (...) Que morte será mais honrosa para mim do que essa? Adeus, a morte me chama (...) Mesmo assim é duro morrer. Mil beijos. Viva a França", leu Macron.

Após a leitura da carta, em francês, o barítono britânico Willard White entoou "Le Chant Des Partisans".

Portsmouth foi o porto de saída para a praia de Sword, a mais ao leste da Normandia das cinco escolhidas para o desembarque aliado. Foi a maior operação desse tipo na História em termos do número de navios participantes.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade