Publicidade

Estado de Minas

Casa Branca pede a ex-assessoras que não colaborem com o Congresso


postado em 04/06/2019 17:55

O governo americano ordenou à ex-diretora de comunicações da Casa Branca Hope Hicks e a outra ex-integrante de sua equipe a não cooperar com a investigação do Congresso sobre a suposta obstrução da justiça cometida pelo presidente Donald Trump, disse nesta terça-feira (4) um legislador do partido Democrata.

O presidente da comissão de Justiça da Câmara dos Representantes, Jerry Nadler, disse que Hicks e Annie Donaldson, que atuou como chefe de gabinete do ex-conselheiro jurídico da Casa Branca Don McGhan, receberam instruções para não acatar o pedido de depoimento sobre os documentos vinculados o período em que exerceram os cargos na administração Trump.

A divulgação desta informação abriu uma nova frente na batalha travada por Trump para bloquear a investigação do Congresso sobre suas ações. Vários democratas exigem que ele seja submetido a um julgamento político devido à obstrução da justiça documentada no relatório do procurador especial Robert Mueller sobre a investigação em relação à ingerência russa na campanha presidencial de 2016.

Há duas semanas, McGhan ignorou por ordem de Trump a citação para depor no comitê legislativo liderado por Nadler.

"O presidente não tem fundamento legal para impedir que estas testemunhas atendam nosso pedido", disse Nadler.

A comissão de Justiça da Câmara de Representantes investiga a suposta obstrução da justiça, corrupção e outros possíveis abusos cometidos por Trump, seus subordinados e membros de sua administração.

Caso seja realizado um julgamento político contra Trump, a comissão presidida por Nadler seria a única responsável na Câmara de Representantes a lhe dar prosseguimento.

Hicks, Donaldson e McGhan deram informações relevantes para o relatório de Mueller, que reuniu em sua investigação várias ações de Trump que poderiam ser julgadas como obstrução criminosa.

Mueller não apresentou acusações formais contra o presidente, amparando-se em restrições do Departamento de Justiça, mas disse que era responsabilidade do Congresso confrontar o presidente com a lei.

Nadler disse que seu comitê continuará pressionando para obter documentos e quje ainda espera que Hicks e Donaldson se apresentem para depor.

Steny Hoyer, líder da bancada democrata na Câmara de Representantes, disse na segunda-feira que pretende apresentar uma resolução que declare McGahn e o procurador-geral William Barr em desacato em relação ao Congresso por se negarem a atender às citações de depoimento e a apresentar documentos relacionados às investigações sobre a Rússia e a obstrução da justiça.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade