Publicidade

Estado de Minas

Humanos modernos e neandertais se separaram muito antes do que se pensava


postado em 15/05/2019 20:19

Os ancestrais dos neandertais e dos humanos modernos se separaram pelo menos 800 mil anos atrás, significativamente antes do que se pensava, segundo um novo estudo baseado na análise da evolução dos dentes de antigos fósseis ao invés das técnicas genéticas.

A nova linha do tempo antecipa em cerca de 300 mil anos as estimativas atuais, e significaria que o 'Homo heidelbergensis', outra espécie humana extinta, pode não ser o último ancestral comum entre nossa espécie e nossos primos, os Neandertais, como muitos antropólogos acreditam atualmente.

Nos últimos anos, na busca por desvendar os mistérios sobre a evolução da nossa espécie, os cientistas usaram a análise de DNA para obter um "relógio molecular" para datar os fósseis, com base em hipóteses sobre a taxa de mudança genética por geração.

O novo estudo, realizado por Aida Gomez-Robles, da University College London, se baseou nas taxas de evolução dos dentes das espécies humanas extintas, demonstrando que as coroas dentárias mudaram de tamanho e formato a uma taxa fixa.

Seu estudo, então, se concentrou nos molares e pré-molares de cerca de 30 fósseis do sítio de Sima de los Huesos, na Espanha, que pesquisas anteriores dataram de forma consistente em 430 mil anos atrás, perto da data antes presumida da separação entre os sapiens e os neandertais.

Mas a pesquisadora encontrou fortes semelhanças entre os dentes dos hominídeos Sima e os dos neandertais, o que significa que eles só poderiam ter existido depois da data de separação há tanto tempo sustentada.

Análises estatísticas foram usadas para extrapolar a nova data de separação para 800 mil anos atrás.

"Qualquer divergência de tempo entre os neandertais e os humanos modernos anterior a 800.000 anos resultaria em uma inesperadamente rápida evolução dental nos neandertais primitivos de Sima de los Huesos", afirmou.

"Uma importante implicação é que o 'Homo heidelbergensis' pode não ser o último ancestral comum entre os humanos modernos e os neandertais", disse ela à AFP.


Publicidade