Publicidade

Estado de Minas

Ataque 'terrorista' mata 17 soldados do Níger


postado em 15/05/2019 19:15

Um ataque "terrorista" contra uma coluna de veículos do Exército do Níger matou 17 militares e deixou outros 11 desaparecidos na terça-feira, na região de Tillaberi, na zona de fronteira com o Mali, onde em 2017 morreram quatro soldados americanos em uma emboscada.

"No dia 14 de maio, por volta das 08H00 local [04H00 Brasília], na zona norte de Mangaize [região de Tillaberi], uma coluna das Forças Armadas do Níger (FAN) em movimento foi atacada por terroristas fortemente armados com artefatos explosivos improvisados".

"O resultado foi de 17 mortos, seis feridos e onde desaparecidos, além de dois veículos calcinados", informou o ministério da Defesa na noite desta quarta-feira.

"Foram enviados reforços ao setor para perseguir e neutralizar os agressores, que se dirigiram para o Norte [fronteira com o Mali]".

Uma fonte militar assinalou que a "emboscada" foi praticada por um "grupo terrorista integrados por centenas de homens armados vindos do Norte", e ocorreu durante a noite e não pela manhã.

"Um veículo capotou sobre um dispositivo explosivo, o que deflagrou o tiroteio", segundo outro militar.

Segundo o site Actuniger, o grupo atacado era integrado por "52" soldados e "caiu em uma emboscada de homens fortemente armados na terça-feira, por volta das 15H00 (11H00 Brasília) em Baley Beri, próximo a Tongo Tongo", e "os combates, de rara violência, duraram mais de duas horas".

O governo decretou luto nacional de três dias a partir desta quinta-feira.

No dia 4 de outubro de 2017, quatro militares americanos e cinco soldados do Níger morreram em um ataque de jihadistas na vila de Tongo Tongo, cerca de 20 km ao sul do Mali.

O Pentágono explicou que o propósito original da operação era capturar um líder do grupo jihadista "Estado Islâmico no Grande Saara" (EIGS), Doundoun Cheffou, suspeito de sequestrar um americano.

O Níger abriga bases militares francesas e americanas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade