Publicidade

Estado de Minas

Secretário-geral da ONU pede que China respeite direitos humanos em Xinjiang


postado em 29/04/2019 18:25

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, abordou a difícil situação dos muçulmanos uigures na região de Xinjiang em conversas com autoridades chinesas, e destacou que o país deve respeitar plenamente os direitos humanos, disse seu porta-voz nesta segunda-feira (29).

Durante sua visita a Pequim, onde se reuniu com o presidente Xi Jinping, Guterres enviou uma mensagem sobre a região onde se acredita que haja violações de direitos humanos.

"Os direitos humanos devem ser plenamente respeitados na luta contra o terrorismo e na prevenção do extremismo violento", disse a jornalistas o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric.

"Cada comunidade deve sentir que se respeita sua identidade e que pertence à nação em sua totalidade".

Segundo um grupo de especialistas citado no ano passado pelas Nações Unidas, cerca de um milhão de uigures e outras minorias, a maioria muçulmanas, estão reclusos em campos de concentração em Xinjiang.

Pequim afirma que os acampamentos são "centros de capacitação vocacional" para afastar as pessoas do extremismo e reintegrá-las, em uma região refém da violência entre os separatistas e os islamitas uigures.

Antes de sua viagem, Guterres se reuniu com embaixadores da ONU de Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Holanda, Austrália, Canadá e Turquia, que lhe pediram a apresentar a situação em Xinjiang em suas reuniões, disseram fontes da ONU.

Isto trouxe a Guterres o desafio diplomático de discutir o tema ultrassensível com a China, o segundo maior contribuinte financeiro da ONU e um membro do Conselho de Segurança com poder de veto.

Xinjiang, território chinês fronteiriço com o Paquistão, o Afeganistão e três ex-repúblicas soviéticas da Ásia Central de maioria muçulmana (Tadjiquistão, Quirguistão e Cazaquistão) é para Pequim a porta natural das rotas da seda, um projeto faraônico de infraestruturas que ligará seu território aos mercados tradicionais de Ásia, Europa e África.


Publicidade