Publicidade

Estado de Minas

Comunicado do Business Wire :Schlumberger Limited


postado em 24/04/2019 21:04

A Schlumberger Limited (NYSE:SLB) comunicou hoje os resultados do primeiro trimestre de 2019.

-0- *T (em milhões, exceto por quantidade de ações) Três meses encerrados emAlteração31 de março de 2019 31 de dezembro de 2018 31 de março de 2018 SequencialEm relação ao ano anterior Receita US$ 7.879 US$ 8.180 US$ 7.829 -4%1% Lucro operacional antes dos impostos US$ 908 US$ 967 US$ 974 -6%-7% Margem operacional antes dos impostos 11,5% 11,8 % 12,4 % -30 bps-91 bps Lucro líquido - Base GAAP US$ 421 US$ 538 US$ 525 -22%-20% Lucro líquido, excluindo encargos e créditos* US$ 421 US$ 498 US$ 525 -15%-20% EPS diluído - Base GAAP US$ 0,30 US$ 0,39 US$ 0,38 -23%-21% EPS diluído, excluindo encargos e créditos* US$ 0,30 US$ 0,36 US$ 0,38 -17%-21% Receita da América do Norte US$ 2.738 US$ 2.820 US$ 2.835 -3%-3% Receita internacional US$ 5.037 US$ 5.283 US$ 4.883 -5%3% Receita da América do Norte, excluindo Cameron US$ 2.178 US$ 2.265 US$ 2.285 -4%-5% Receita internacional, excluindo Cameron US$ 4.469 US$ 4.581 US$ 4.147 -2%8% *Estas são medidas financeiras não GAAP. Consulte a seção intitulada "Encargos e créditos" para obter detalhes. *T

O Presidente e CEO da Schlumberger, Paal Kibsgaard, comentou: "A receita do primeiro trimestre de US$ 7,9 bilhões caiu 4% sequencialmente, refletindo a redução esperada na na atividade em solo na América do Norte e a atividade internacional sazonalmente menor no Hemisfério Norte. Além disso, as vendas reduzidas de licenças sísmicas multiclientes, produtos e softwares após o aumento no quarto trimestre e as entregas menores de projetos de ciclo longo da Cameron contribuíram para a queda sequencial. A maior atividade sequencial na América Latina compensou marginalmente essas quedas.

"Olhando para além dos números do trimestre, nossos resultados de negócios internacionais foram fortes, com Caracterização de Reservatórios, Perfuração e Produção combinados para gerar um crescimento de receita de 8% ano a ano, seguindo nossa expectativa de crescimento de um dígito alto em mercados internacionais em 2019.

"Na América do Norte, a receita do primeiro trimestre foi 3% menor sequencialmente conforme o esperado, impulsionada por preços mais baixos e menor atividade para nossos negócios relacionados a fraturamento hidráulico e perfuração, enquanto a receita de nossa linha de produtos de elevação artificial foi sequencialmente estável. A receita na costa na América do Norte foi ligeiramente inferior sequencialmente, com o aumento da atividade de perfilagem no Golfo do México dos EUA compensado pelas menores vendas de licenças sísmicas multiclientess. A receita da Cameron na América do Norte foi marginalmente mais alta sequencialmente.

"Por segmento de negócio, a receita do primeiro trimestre de Caracterização de Reservatórios caiu 7% sequencialmente devido a vendas sazonalmente menores de software e licenças sísmicas multiclientes. A receita de perfuração caiu 3% sequencialmente devido à redução da atividade de inverno no Hemisfério Norte, mas aumentaram 12% em relação ao ano anterior em relação ao forte crescimento dos projetos de serviços integrados de perfuração (Integrated Drilling Services, IDS) em vários geomercados. A receita de produção foi 2% mais baixa sequencialmente, impulsionada pela redução da receita da OneStim® na América do Norte e pela redução das vendas de elevadores artificiais nos mercados internacionais. A receita da Cameron diminuiu 7% sequencialmente, principalmente devido às menores entregas de projetos dos negócios de ciclo longo da OneSubsea® e da Drilling Systems após as fortes vendas de final de ano do trimestre anterior.

"Do ponto de vista macro, esperamos que o mercado de petróleo melhore continuamente ao longo de 2019, apoiado por uma sólida perspectiva de demanda combinada com os cortes na produção da OPEP e Rússia, reduzindo o crescimento da produção de óleo de xisto na América do Norte, além do enfraquecimento adicional da base internacional de produção, à medida que o impacto de quatro anos de subinvestimento se torna cada vez mais evidente.

"Também continuamos a ver sinais claros de que os investimentos em E&P; estão começando a se normalizar à medida que a indústria se direciona para uma administração financeira mais sustentável da base global de recursos. Direcionalmente, isso significa que os investimentos mais altos nos mercados internacionais são necessários simplesmente para manter a produção estável, enquanto a América do Norte está destinada a investimentos menores, com um provável ajuste abaixo da perspectiva atual de crescimento da produção.

"Nossa visão dos mercados internacionais é consistente com pesquisas recentes de terceiros sobre gastos, sugerindo que os investimentos em E&P; aumentarão de 7 a 8% em 2019, apoiados por um maior número de sondas e um aumento no número de decisões de investimento final de projetos de clientes. Em linha com isso, os planos de atividades de desenvolvimento offshore continuam a se fortalecer, com entregas de árvores de natal molhadas atingindo seu nível mais alto desde 2013 no ano passado. Também estamos vendo o início de um retorno à atividade de exploração com um interesse renovado na reposição de reservas. Notavelmente, novas descobertas em 2018 estavam no nível mais baixo desde 2000.

"Por outro lado, na América do Norte, o custo mais elevado do capital, a capacidade de endividamento mais baixa e os investidores que buscam retornos maiores sugerem que os níveis futuros de investimento em E&P; provavelmente serão ditados pelo fluxo de caixa livre. Portanto, os investimentos em E&P; na América do Norte caem 10% em 2019. Além disso, os crescentes desafios técnicos - interferência entre poços origem e outros, saídas da área central e crescimento limitado no comprimento lateral e agente de sustentação por estágio - indicam um crescimento mais moderado da produção de óleo de xisto dos EUA nos próximos anos.

"A normalização dos gastos globais em E&P;, com o aumento dos investimentos no mercado internacional e a redução do investimento na América do Norte, representa uma mudança de mercado positiva para a Schlumberger e o bem-vindo retorno de um conjunto de oportunidades muito familiar, dada nossa força global inigualável. Ampliamos ainda mais nossa posição de liderança global com os esforços e investimentos que fizemos nos últimos anos de modernização de nossa plataforma de execução, ampliando nossa oferta de tecnologia, impulsionando a inovação digital e tecnológica, evoluindo nossos modelos de negócios e fortalecendo nossa presença global. Além disso, depois de suportar quatro anos de importantes concessões de preços para apoiar nossos clientes internacionais, vemos a recuperação dos preços dos produtos e do serviço internacional e a melhoria dos nossos retornos financeiros como principal prioridade de negócios - firmemente apoiados pelo aumento dos níveis de atividade, pouca ou nenhuma capacidade de equipamentos sobressalentes e implantação prudente de novo capital. Além disso, a base do nosso plano de negócio para 2019 é um compromisso claro em gerar fluxo de caixa suficiente para cobrir todas as nossas necessidades de negócio, sem aumentar a dívida líquida."

Demais eventos

Durante o trimestre, a Schlumberger efetuou a recompra de 2,3 milhões de ações ordinárias a um preço médio de US$ 42,79 por ação, totalizando um preço de compra de US$ 98 milhões.

Em 19 de fevereiro de 2019, a Schlumberger e a Rockwell Automation anunciaram que haviam celebrado um contrato para criar uma nova joint venture, a Sensia, a primeira provedora de soluções de automação de campo de petróleo digital totalmente integrada. A Sensia operará como uma entidade independente, com uma divisão do controle acionário de 53% e 47% para a Rockwell Automation e a Schlumberger, respectivamente. A Rockwell Automation fará um pagamento de US$ 250 milhões à Schlumberger no fechamento. Espera-se que a transação seja concluída no terceiro trimestre de 2019, sujeita a aprovação reguladora e às condições de fechamento costumeiras.

Em 17 de abril de 2019, o Conselho Diretor da Schlumberger aprovou o dividendo trimestral em dinheiro de US$ 0,50 por ação das ações ordinárias em circulação, a ser pago em 12 de julho de 2019 aos acionistas registrados em 5 de junho de 2019.

Receita consolidada por área

-0- *T (em milhões) Três meses encerrados em Alteração31 de março de 2019 31 de dezembro de 2018 31 de março de 2018 Sequencial Em relação ao ano anterior América do Norte US$ 2.738 US$ 2.820 US$ 2.835 -3%-3% América Latina 992 978 870 1% Europa/CEI/África 1.707 1.842 1.713 -7% - Oriente Médio e Ásia 2.338 2.464 2.300 -5%2% Outros 104 76 111 n/sn/sUS$ 7.879 US$ 8.180 US$ 7.829 -4%1% Receita da América do Norte US$ 2.738 US$ 2.820 US$ 2.835 -3%-3% Receita internacional US$ 5.037 US$ 5.283 US$ 4.883 -5%3% Receita da América do Norte, excluindo Cameron US$ 2.178 US$ 2.265 US$ 2.285 -4%-5% Receita internacional, excluindo Cameron US$ 4.469 US$ 4.581 US$ 4.147 -2%8% n/s = não significativo *T

A receita do primeiro trimestre de US$ 7,9 bilhões caiu 4% sequencialmente, enquanto a receita da América do Norte de US$ 2,7 bilhões caiu 3%, enquanto a receita internacional de US$ 5 bilhões diminuiu 5% principalmente devido à sazonalidade.

América do Norte

Na área da América do Nortea receita consolidada de US $ 2,7 bilhões foi 3% menor sequencialmente devido ao preço e atividade mais baixos para ambos os negócios relacionados a fraturamento hidráulico e perfuração, enquanto a receita de nossa linha de produtos de elevação artificial foi estável sequencialmente. Embora o volume de atividade de bombeamento de pressão tenha aumentado devido ao aumento sazonal da atividade de inverno no Canadá, a atividade de completação de poço foi afetada por preços mais baixos. A receita na costa na América do Norte foi ligeiramente inferior sequencialmente, com o aumento da atividade de perfilagem no Golfo do México dos EUA compensado pelas menores vendas de licenças sísmicas multiclientes. A receita da Cameron na América do Norte foi marginalmente mais alta sequencialmente.

Internacional

A receita consolidada na área América Latina de US$ 1 bilhão aumentou 1% sequencialmente do crescimento de receita de dois dígitos nos geomercados do México e da América Central, devido à alta atividade de exploração offshore para os IOCs, aumento do trabalho de IDS e maior venda de licenças sísmicas multiclientes. No geomercado norte da América Latina, principalmente no Equador, a receita aumentou devido à maior atividade de gerenciamento de produção da Schlumberger (Schlumberger Production Management, SPM) e ao aumento da produção. No geomercado sul da América Latina, a receita aumentou ligeiramente devido ao aumento da atividade de fraturamento hidráulico para recursos não convencionais na Argentina e à produção adicional de um projeto de SPM. O aumento na receita da área foi parcialmente compensado pela menor atividade da Cameron no Brasil.

A receita consolidada da área Europa/CEI/África de US$ 1,7 bilhão diminuiu 7% sequencialmente principalmente devido à redução da atividade de inverno nos geomercados da Rússia e da Ásia Central que impactou todas as linhas de produtos. A atividade também foi menor nos geomercados do Reino Unido e Europa continental e na Noruega e Dinamarca, exacerbado por atrasos relacionados ao clima e à manutenção. A receita no geomercado África subsaariana caiu ligeiramente e sequencialmente devido à redução nas vendas de produtos em Moçambique e Angola e à atividade de exploração limitada, mas crescente. As vendas de software da Software Integrated Solutions (SIS) foram menores em toda a área, enquanto a receita da Cameron também diminuiu, principalmente na Europa.

A receita consolidada na área do Oriente Médio e da Ásia de US$ 2,3 bilhões diminuiu 5% sequencialmente, principalmente devido à receita mais baixa no geomercado do Oriente Médio em consequência da menor atividade de projeto de IDS no Iraque e da redução da atividade de fraturamento hidráulico em Omã. A receita no geomercado do Norte do Oriente Médio foi menor devido à queda nas vendas de software e produtos SIS no Egito e no Kuwait, mas foi parcialmente compensada pela maior atividade de serviços no Qatar. A receita do projeto Lump-sum turnkey (LSTK) na Arábia Saudita continuou a crescer, mas foi compensada por atrasos relacionados ao clima para as operações sísmicas. A receita nos geomercados do Extremo Oriente da Ásia e da Austrália diminuiu devido ao clima de inverno na China e à desaceleração da atividade na Austrália durante a temporada de ciclones. A receita da Cameron na área foi menor devido principalmente à diminuição da atividade nos geomercados do Oriente Médio e Norte do Oriente Médio. A diminuição na receita da área foi parcialmente compensada pela maior atividade de projeto de IDS na Índia.

Caracterização de Reservatórios

-0- *T (em milhões) Três meses encerrados em Alteração31 de março de 2019 31 de dezembro de 2018 31 de março de 2018 Sequencial Em relação ao ano anterior Receita US$ 1.543 US$ 1.651 US$ 1.559 -7%-1% Lucro operacional antes dos impostos US$ 293 US$ 364 US$ 306 -20%-4% Margem operacional antes dos impostos 19,0% 22,0 % 19,7 % -308 bps-69 bps*T

A receita de Caracterização de reservatórios de US$ 1,5 bilhões, dos quais 81% vieram dos mercados internacionais, diminuiu 7% sequencialmente. Isso foi impulsionado pelos efeitos de um declínio sazonal na atividade de perfilagem na Rússia e pela redução nas vendas de licenças multiclientes no Golfo do México dos Estados Unidos. Baixas vendas de software SIS, principalmente na Europa/CEI/África e no Oriente Médio e Ásia, também contribuíram para o declínio da receita. As receitas de serviços de teste e da OneSurface® foram basicamente estáveis em comparação com o trimestre anterior.

A margem operacional antes de impostos da Caracterização de reservatórios de 19% foi 308 bps mais baixa sequencialmente devido à receita sazonalmente menor da atividade de perfilagem nos geomercados da Rússia e da Ásia Central, e diminuição das vendas globais do software SIS e das licenças sísmicas multiclientes WesternGeco®.

No primeiro trimestre, o desempenho de Caracterização de reservatórios se beneficiou da concessão de diversos contratos e da aplicação da tecnologia e conhecimento no domínio para melhorar a eficiência operacional.

A Apache Egypt concedeu à Schlumberger um contrato de dois anos com uma extensão opcional de dois anos para a prestação de serviços de avaliação de formação em 11 poços de exploração no oeste do Egito. As tecnologias a serem implantadas incluem o testador de dinâmica de formação modular MDT*, o serviço de espectroscopia de alta definição Litho Scanner* e o gerador de microimagem de formação de alta definição FMI-HD*.

Na Indonésia, o Gerenciamento Integrado de Serviços (Integrated Services Management, ISM) entregou os três primeiros poços de um projeto de 15 poços antes do prazo e abaixo do orçamento. A estreita colaboração com o ISM providenciada pelo cliente implantou tecnologias de várias linhas de produtos, o que melhorou a eficiência operacional e ajudou o cliente a perfurar uma média de 70 m por dia.

No México, a PEMEX concedeu à WesternGeco um projeto de processamento e recriação de 14.000 km² que requer a integração de mais de 20 conjuntos de dados adquiridos na Bacia de Campeche, no sul do Golfo do México, durante um período de 20 anos. As pesquisas foram conduzidas por várias empresas, incluindo a WesternGeco, e aplicaram várias tecnologias, como wide-azimuth (WAZ), narrow-azimuth (NAZ) e cabos submarinos com geofones e hidrofones. O projeto criará um modelo de terreno integrado para ajudar a PEMEX a se concentrar em alvos profundos e fornecer uma maior compreensão dos complexos reservatórios do pré-sal na Bacia do Campeche. A concessão segue recentes levantamentos wide-azimuth multiclientes e levantamentos proprietários do Q-Seabed* multicomponent seabed seismic system (sistema sísmico multicomponente do fundo do mar) que a WesternGeco executou para a PEMEX.

No México, a Schlumberger e a Shell assinaram um acordo para licenciar um grande conjunto de dados WesternGeco das áreas de Campeche e Perdido. O acordo inclui a aquisição de novos levantamentos multiclientes nessas áreas usando embarcações de terceiros, bem como o licenciamento de dados existentes. Para atender aos prazos da Shell para seus planos na costa do México, a WesternGeco também realizará uma recriação avançada de alta resolução em subconjuntos de dados em paralelo com o processamento de dados para ajudar a Shell a otimizar os locais de perfuração. Em 2018, a Shell venceu 9 dos 19 blocos de petróleo e gás offshore do Golfo do México, concedidos na rodada de licitação do México 2.4. Através desta colaboração com a WesternGeco, a Shell diz que está reforçando seu compromisso de levar tecnologia e rápido progresso ao seu programa de exploração no México.

Desde o lançamento do ambiente cognitivo de exploração e produção (E&P;) DELFI* no Fórum Global do SIS em 2017, a Woodside trabalhou de perto com a Schlumberger para implementar sua estratégia digital em todos os fluxos de trabalho de E&P.; Um memorando de entendimento (memorandum of understanding, MOU) foi assinado em janeiro com a Schlumberger, como parceira preferida da Woodside, para o acesso antecipado a novas soluções de tecnologia digital, ajudando a Woodside a liderar o setor em implementação de tecnologia digital habilitada para nuvem e inovação em P&D; em todos os domínios.

A OMV e a Schlumberger assinaram um MOU para avaliar possíveis modelos de colaboração para soluções digitais. A parceria estratégica ajudará a OMV a acelerar a implantação de sua transformação digital, aproveitando a tecnologia digital da Schlumberger atualmente disponível, bem como a tecnologia digital que ainda está em desenvolvimento.

A MODEC Offshore Production Systems (Singapura) Pte. Ltd. concedeu à Schlumberger dois contratos para o fornecimento de equipamentos de separação e tratamento de óleo e equipamento de processamento de gás CO2 para Unidades Flutuantes de Produção, Armazenamento e Transferência de Petróleo (floating production, storage and offloading, FPSO) offshore no Brasil. Esses contratos incluem o fornecimento do aparelho separador ciclone OneSurface CONSEPT ICD*, tratadores eletrostáticos de óleo e dessalinizadores, e sistemas de membrana para remoção de gás ácido CYNARA*.

Perfuração

-0- *T (em milhões) Três meses encerrados em Alteração31 de março de 2019 31 de dezembro de 2018 31 de março de 2018 Sequencial Em relação ao ano anterior Receita US$ 2.387 US$ 2.461 US$ 2.126 -3% Lucro operacional antes dos impostos US$ 307 US$ 318 US$ 293 -3%5% Margem operacional antes dos impostos 12,9% 12,9 % 13,8 % -6 bps-90 bps*T

A receita de perfuração de US$ 2,4 bilhões, dos quais 74% vieram dos mercados internacionais, diminuiu 3% sequencialmente. Isto foi impulsionado pela menor atividade sazonal de perfuração internacional, principalmente no Hemisfério Norte, que impactou principalmente o M-I SWACO e a Bits & Drilling Tools. A receita da perfuratriz de solo diminuiu quando os projetos foram concluídos no Iraque e na Austrália. A receita de perfuração direcional na América do Norte também foi menor, já que o número de sondas caiu 7% sequencialmente. Essas quedas foram parcialmente compensadas pela maior receita dos contratos de IDS no México, Arábia Saudita e Índia.

A margem operacional de perfuração antes dos impostos, de 13%, ficou estável, apesar da queda na receita.

O desempenho de perfuração se beneficiou da assinatura de contratos IDS e da implantação de tecnologias de perfuração que ajudam a reduzir custos operacionais e melhorar o desempenho.

No setor norueguês do Mar do Norte, a IDS usou uma combinação de tecnologias em três poços para ajudar a Equinor a aumentar a média de metros perfurados por dia em 29% em comparação com poços de correlação semelhantes, reduzindo o custo operacional em US$ 4,9 milhões por poço. Esses poços complexos normalmente exigem várias operações para substituir ferramentas de perfuração comprometidas por choques e vibrações severas. A estreita colaboração com o cliente e o empreiteiro de perfuração possibilitou a economia por meio de um design de poço mais robusto, tempo fixo reduzido e ferramentas e serviços de perfuração mais eficientes. As tecnologias da Schlumberger, incluindo o sistema dirigível rotativo robusto PowerDrive Xceed* e o serviço de mapeamento durante a perfuração do reservatório GeoSphere*, desempenharam um papel importante na economia de tempo de 6,7 dias por poço.

A MOL Norge AS concedeu à Schlumberger um contrato de IDS para dois poços de exploração com uma extensão opcional de dois poços no setor norueguês do Mar do Norte. Espera-se que as operações comecem no primeiro semestre de 2019 e incluam a implantação do serviço de medição de perfurações estreitas DigiScope*, o serviço de geologia fotorrealista Quanta Geo* e a sonda radial Saturn* 3D.

No Iraque, a Basra Oil Company concedeu à Schlumberger um contrato IDS de dois anos com uma extensão opcional de um ano para perfurar 40 poços no campo de Majnoon. Espera-se que as operações comecem no segundo semestre de 2019.

Borr Drilling e OPEX Perforadora S.A. de C.V. recebeu um contrato para nove poços de desenvolvimento offshore no setor do México do Golfo do México. A Schlumberger foi selecionada para fornecer serviços integrados de perfuração e fornecer soluções de poços de ponta a ponta para as novas plataformas elevatórias, Grid e Gersemi. O contrato de dois anos deve começar em meados de 2019.

Na Líbia, a Drilling & Measurements utilizou o serviço de mapeamento durante a perfuração de reservatórios GeoSphere para a Arabian Gulf Oil Company para perfurar um desvio de um poço não produtor. O serviço GeoSphere possibilitou ajustes em tempo real na trajetória do poço para evitar a zona de contato óleo/água, o que levou à produção de 3.000 bbl/d.

No Kuwait, a Bits & Drilling Tools utilizou a tecnologia de brocas de ligas perfuráveis Direct XCD* para ajudar a Kuwait Oil Company a melhorar o desempenho de perfuração em uma seção complexa do poço. A formação consiste em xisto em colapso e calcário fraturado que muitas vezes leva à perda da composição de fundo do poço e a múltiplos tampões de cimento para controlar as perdas de fluido de perfuração. A tecnologia de brocas Direct XCD foi capaz de perfurar a seção em uma única execução, reduzindo o tempo de perfuração de 49 para 12 dias, eliminando períodos adicionais e tampões de cimento.

Na Permian Basin, a Drilling & Measurements usou o sistema direcional rotativo PowerDrive Orbit* para a Diamondback Energy, Inc. para aumentar a eficiência da perfuração. Em um poço, a taxa de penetração (rate of penetration, ROP) aumentou 42% em comparação com um poço compensado perfurado a partir do mesmo bloco com ferramentas convencionais. O cliente estabeleceu um novo record de comprimento lateral de 13.319 pés - que foi o poço mais rentável perfurado até o momento - e desempenho semelhante foi entregue nos dois poços seguintes no bloco.

Em Oklahoma, a Apache Corporation usou a broca EnduroBlade 360* de elementos rotativos no SCOOP Play. Os elementos rotativos ajudaram a reduzir o tempo de perfuração em seções intercaladas de arenito, calcário e xisto que causam desgaste severo da broca, reduzindo a ROP. A broca EnduroBlade 360 ajudou a Apache a reduzir o tempo de perfuração no poço em 66 horas em comparação com o poço de correlação mais rápido perfurado no mesmo bloco.

Produção

-0- *T (em milhões) Três meses encerrados em Alteração31 de março de 2019 31 de dezembro de 2018 31 de março de 2018 Sequencial Em relação ao ano anterior Receita US$ 2.890 US$ 2.936 US$ 2.956 -2%-2% Lucro operacional antes dos impostos US$ 217 US$ 198 US$ 217 10% - Margem operacional antes dos impostos 7,5% 6,8 % 7,3 % 76 bps18 bps*T

A receita de produção de US$ 2,9 bilhões, dos quais 52% vieram dos mercados internacionais, caiu 2% sequencialmente devido à receita mais baixa do negócio OneStim na América do Norte e menor receita internacional da Artificial Lift Solutions, principalmente na Rússia, Equador e Índia. Apesar de o volume de atividade de bombeamento de pressão ter aumentado por conta do aumento sazonal da atividade de inverno no Canadá, a receita foi impactada por preços mais baixos. Essas quedas foram parcialmente compensadas pelo aumento da atividade de SPM no Canadá, Equador e Argentina, impulsionado pela maior produção.

A margem operacional de produção antes dos impostos, de 8%, ficou estável, apesar da queda na receita.

O desempenho da produção foi fortalecido pela crescente implantação de tecnologias inovadoras relacionadas à fratura na América do Norte e sua adoção por operadores em várias bacias internacionais.

Na América do Norte, a OneStim continuou a implantar várias tecnologias novas para aumentar a eficiência operacional e a eficácia da estimulação em operações de fraturamento hidráulico.

-- Na superfície, a plataforma de fornecimento de estimulação automatizada inclui um novo sistema automatizado de controle de bombas, que já foi implantado para mais de 30 clientes em todas as bacias da América do Norte. Além disso, a nova tecnologia de distribuição de fluido de fraturamento de conexão dupla MonoFlex* reduz significativamente o tempo de montagem e desmontagem em 90% e limita os riscos de HSE com apenas duas conexões - uma redução em comparação com as 12 a 30 conexões necessárias para sistemas convencionais.

-- No fundo de poços, tecnologias de estimulação inovadoras melhoraram a eficácia e a produção para os operadores, especialmente no contexto dos poços origem e derivados. O software focado em reservatórios que vai da estimulação à produção, Kinetix Shale*, o serviço de controle de geometria de fratura BroadBand Shield* e o serviço de monitoramento de estimulação WellWatcher Stim* permitiram que os operadores evitassem a interferência nesses poços de origem e derivados usando um fluxo de trabalho diversivo de campo distante projetado em combinação com outras tecnologias.

-- Para maximizar a eficácia da estimulação em poços horizontais cimentados, a OneStim introduziu Fulcrum*, a tecnologia de desempenho de fraturamento através do cimento. A tecnologia é projetada para melhorar o desempenho de fraturamento em poços onde o revestimento é mal centralizado ou as condições de poço limitam as técnicas de remoção de lama. A tecnologia Fulcrum tem sido adotada rapidamente, permitindo que as operadoras aumentem a produção de líquidos em até 41%. No primeiro trimestre de 2019, a tecnologia Fulcrum foi usada na conclusão de 85 poços horizontais nas regiões Permiana, Sul do Texas, Meio Continente e Nordeste.

Em Oklahoma, o OneStim usou o tampão de fraturamento totalmente composto FracXion* e a tecnologia de tampões de fraturamento ReacXion* em uma lateral de alcance estendido para ajudar um cliente a reduzir os custos operacionais no SCOOP Play. O uso de tampões FracXion e ReacXion nos últimos 1.524 m deste poço de 3.048 m em vez de tampões convencionais para todo o poço eliminou o custo associado às operações de intervenção mecânica.

Na Sérvia, a Well Services usou o serviço de controle de geometria de fratura do Broadband Shield para a NIS-Gazprom Neft Serbia. Três tratamentos de fraturamento foram executados com o serviço BroadBand Shield, projetado especificamente para conter a fratura na zona de produção e impedir a penetração na zona de água abaixo. Como resultado do uso de substâncias diversivas de serviço BroadBand Shield, as geometrias de fratura foram contidas com sucesso nas zonas específicas, resultando em um aumento de produção de óleo em múltiplos estágios, sem aumentar o corte de água.

Cameron

-0- *T (em milhões) Três meses encerrados em Alteração31 de março de 2019 31 de dezembro de 2018 31 de março de 2018 Sequencial Em relação ao ano anterior Receita US$ 1.174 US$ 1.265 US$ 1.310 -7%-10% Lucro operacional antes dos impostos US$ 137 US$ 127 US$ 166 8%-18% Margem operacional antes dos impostos 11,6% 10,0 % 12,7 % 161 bps-102 bps*T

A receita da Cameron de US$ 1,2 bilhão, dos quais 48% vieram dos mercados internacionais, caiu 7% sequencialmente devido às menores entregas de projetos dos negócios de ciclo longo da OneSubsea e da Drilling Systems após as altas vendas do final do ano anterior, principalmente nas áreas internacionais. A receita da Cameron na América do Norte, no entanto, foi marginalmente mais alta sequencialmente. A receita da OneSubsea foi menor nos geomercados da África Subsaariana, Norte do Oriente Médio, Norte da África, Rússia e da Ásia Central. A Drilling Systems teve queda após a maior entrega de produtos e serviços na costa da América do Norte no trimestre anterior. A receita da Surface Systems diminuiu devido à menor atividade na Austrália, Índia e Ásia, enquanto a receita da Valves & Measurement foi maior sequencialmente devido ao aumento da demanda de distribuidores na América do Norte.

A margem operacional antes de impostos da Cameron de 12% foi 161 bps mais alta sequencialmente, apesar da queda da receita devido à maior lucratividade na OneSubsea e na Drilling Systems, além de maiores volumes de vendas e melhor precificação na Valves & Measurement.

No primeiro trimestre, a Cameron ganhou vários contratos para sistemas integrados de produção submarina, monitoramento ambiental submarino e fornecimento de válvulas, controles e conjunto de elementos BOP.

A Woodside concedeu à OneSubsea um contrato de dois anos para fornecer um sistema integrado de produção de gás para a Fase 2 do projeto Julimar Development na costa da Austrália. As soluções rentáveis da OneSubsea reduzem o tempo de ciclo do projeto e o custo total e agora são parte integrante de todos os projetos de clientes.

Além disso, a Woodside concedeu dois contratos para atividades de engenharia e projeto front-end (front-end engineering and design, FEED) à Subsea Integration Alliance. Um contrato é para realizar estudos de engenharia para os risers e o conjunto dos tubos e umbilicais assentados no fundo do mar (subsea umbilical risers and flowlines, SURF) relacionados ao desenvolvimento do recurso de Scarborough na costa da Austrália. O outro contrato de FEED é para uma instalação de FPSO independente para o SNE Field Development Fase 1 na costa do Senegal, com a primeira parcela de óleo esperada em 2022.

A Valves & Measurement recebeu uma concessão para o fornecimento de válvulas GROVE* a serem usadas na infraestrutura de dutos na Bacia do Permiano. As válvulas instaladas no Permiano são apoiadas pela nova unidade de serviço da Cameron V&M; em Midland, no Texas, que repara, reforma e testa válvulas no local, bem como serviços de solução de problemas e remediação in-line no campo.

A Seadrill concedeu à Drilling Systems um contrato para a atualização de controles e conjunto de elementos BOP primários e secundários na plataforma de perfuração offshore de West Mira. Essas atualizações prepararão o conjunto para uso no Mar do Norte, e o trabalho deve começar no terceiro trimestre de 2019.

-0- *T Tabelas Financeiras Demonstração consolidada condensada dos resultados (em milhões, exceto por quantidade de ações) Três meses Períodos encerrados em 31 de março de 2019 2018 Receita US$ 7.879 US$ 7.829 Juros e outras receitas 14 42 Despesas Custo das receitas 6.952 6.802 Pesquisa e engenharia 173 172 Geral e administrativo 112 111 Juros 147 143 Lucro antes dos impostos US$ 509 US$ 643 Despesa com impostos 79 113 Lucro líquido atribuível à Schlumberger US$ 430 US$530 Lucro líquido atribuível à participação minoritária 9 5 Lucro líquido atribuível à Schlumberger US$ 421 US$ 525 Dividendos diluídos por ação da Schlumberger US$ 0,30 US$ 0,38 Média de ações em circulação 1.385 1.385 Média de ações em circulação presumindo diluição 1.397 1.394 Depreciação e amortização incluídas nas despesas (1) US$ 903 US$874 *T

-0- *T (1) Inclui depreciação de propriedade, instalações e equipamentos e amortização de ativos intangíveis, custos de dados sísmicos multicliente e investimentos SPM. *T

-0- *T Balanço patrimonial condensado consolidado (em milhões) 31 de março, 31 de dezembro, Ativos 2019 2018 Ativo circulante Caixa e investimentos em curto prazo US$ 2.155 US$ 2.777 Contas a receber 8.171 7.881 Outros ativos circulantes 5.447 5.073 15.773 15.731 Ativos fixos 11.533 11.679 Dados sísmicos multicliente 584 601 Fundo de comércio 24.945 24.931 Ativos intangíveis 8.611 8.727 Outros ativos 8.875 8.838 US$ 70.321 US$ 70.507 Passivos e patrimônio Passivo circulante Contas a pagar e passivo adquirido US$ 9.702 US$ 10.223 Passivo estimado para imposto de renda 1.194 1.155 Empréstimos de curto prazo e posição atual da dívida de longo prazo 99 1.407 Dividendos a pagar 702 701 11.697 13.486 Dívida de longo prazo 16.449 14.644 Impostos diferidos 1.375 1.441 Benefícios pós-aposentadoria 1.136 1.153 Outros passivos 3.140 3.197 33.797 33.921 Patrimônio 36.524 36.586 US$ 70.321 US$ 70.507 *T

-0- *T Liquidez (em milhões) 31 de março, 31 de dezembro, 31 de março, Componentes da liquidez 2019 2018 2018 Caixa e investimentos em curto prazo US$ 2.155 US$ 2.777 US$ 4.165 Empréstimos de curto prazo e posição atual da dívida de longo prazo (99) (1.407) (4.586) Dívida de longo prazo (16.449) (14.644) (13.526) Dívida líquida (1)US$ (14.393) US$ (13.274) US$ (13.947) Detalhes de alterações na liquidez: Três Três Meses Meses Períodos encerrados em 31 de março de 2019 2018 Receita líquida antes dos juros não controlados US$ 430 US$530 Depreciação e amortização (2)903 874 Despesa com remuneração com base em ações 108 90 Alteração no capital de giro (1.048) (836) Outros (67) (90) Fluxo de caixa de operações(3)US$ 326 US$568 Despesas de capital (413) (454) Investimentos de SPM (151) (240) Dados sísmicos multicliente capitalizados (45) (26) Fluxo de caixa livre (4)(283) (152) Dividendos pagos (692) (692) Programa de recompra de ações (98) (97) Rendimentos de planos de ações de funcionários 106 127 (967) (814) Aquisições e investimentos de negócios, líquido de caixa adquirido mais dívida adquirida (5) (13) Outros (147) (10) (Aumento) redução da dívida líquida (1.119) (837) Dívida líquida, começo do período (13.274) (13.110) Dívida líquida, final do período US$ (14.393) US$ (13.947) *T

-0- *T (1) "Dívida líquida" representa a dívida bruta menos espécie, investimentos de curto prazo e investimentos em renda fixa mantidos até o vencimento. A gerência acredita que o indicador de dívida líquida oferece informações úteis sobre o nível de endividamento da Schlumberger ao informar a quantia em espécie e os investimentos que podem ser usados para amortizar dívidas. Dívida líquida é uma medida financeira não GAAP, que deve ser considerada adicionalmente, e não como substituto ou superior à dívida total. (2) Inclui depreciação de propriedade, instalações e equipamento e amortização de ativos intangíveis, custos de dados sísmicos multicliente e investimentos SPM. (3) Inclui pagamentos de indenização trabalhista de aproximadamente US$ 48 milhões e US$ 76 milhões durante os três meses encerrados em 31 de março de 2019 e 2018, respectivamente. (4) "Fluxo de caixa livre" representa o fluxo de caixa das operações menos as despesas de capital, investimentos SPM e custos de dados sísmicos multicliente capitalizados. A administração acredita que o fluxo de caixa livre é uma medida de liquidez importante para a empresa e útil para os investidores e para a gestão como uma medida da capacidade da Schlumberger de geração de caixa. Uma vez que as necessidades e as obrigações do negócio são atendidas, esse dinheiro pode ser usado para reinvestir na empresa, para crescimento futuro ou para devolver aos nossos acionistas por meio de pagamentos de dividendos ou recompra de ações. O fluxo de caixa livre não representa o fluxo de caixa residual disponível para despesas discricionárias. O fluxo de caixa livre é uma medida financeira não GAAP que deve ser considerada além de, e não como substituto para, ou superior, ao fluxo de caixa livre de operações. *T

Encargos e créditos

Além de resultados financeiros determinados de acordo com os princípios contábeis geralmente aceitos (generally accepted accounting principles, GAAP) dos EUA, este comunicado de receitas do primeiro trimestre de 2019 inclui também medidas financeiras não GAAP (como definido no Regulamento G da SEC). O lucro líquido, excluindo encargos e créditos, bem como medidas dele derivadas (incluindo EPS diluído, excluindo encargos e créditos; o lucro líquido da Schlumberger, excluindo encargos e créditos; e imposto efetivo, excluindo encargos e créditos) são medidas financeiras não GAAP. A administração acredita que a exclusão dos encargos e créditos destas medidas financeiras permite avaliar, de forma mais eficaz, o período de operações da Schlumberger durante o período e identificar as tendências operacionais que poderiam ser mascarados pelos itens excluídos. Estas medidas também são utilizadas pela administração como medidas de desempenho na determinação de certa compensação de incentivo. As medidas financeiras não GAAP anteriores devem ser consideradas adicionalmente, e não como um substituto ou superior a outras medidas de desempenho financeiras preparadas de acordo com GAAP. O seguinte é uma reconciliação destas medidas não GAAP com as medidas GAAP comparáveis.

-0- *T (em milhões, exceto por quantidade de ações) Quarto trimestre de 2018 Encerrados. Diluído Antes dos impostos Impostos Juros Líquido EPS Lucro líquido da Schlumberger (base GAAP) US$ 648 US$ 100 US$ 10 US$ 538 US$ 0,39 Lucro na venda do negócio de aquisição sísmica marítima (215) (19) - (196) (0,14) Deterioração de ativos 172 16 - 156 0,11 Lucro líquido da Schlumberger, excluindo encargos e créditos US$ 605 US$ 97 US$ 10 US$ 498 US$ 0,36 *T

Não houve encargos ou créditos durante o primeiro trimestre de 2019 e 2018.

-0- *T Segmentos (em milhões) Três meses encerrados em31 de março de 2019 31 de dezembro de 2018 31 de março de 2018 Resultados Resultados Resultados Antes Antes Antes ReceitaImpostos Receita Impostos Receita Impostos Caracterização de Reservatórios US$ 1.543US$ 293 US$ 1.651 US$ 364 US$ 1.559 US$ 306 Perfuração 2.387307 2.461 318 2.126 293 Produção 2.890217 2.936 198 2.956 217 Cameron 1.174137 1.265 127 1.310 166 Eliminações e outros (115)(46) (133) (40) (122) (8) Lucro operacional antes dos impostos 908 967 974 Corporativos e outros (273) (238) (225) Renda de juros(1)10 8 25 Despesa com juros(1)(136) (132) (131) Encargos e créditos - 43 - US$ 7.879US$ 509 US$ 8.180 US$ 648 US$ 7.829 US$ 643 *T

-0- *T (1) Exclui juros incluídos nos resultados do segmento. *T

-0- *T Informações complementares 1) Qual é a orientação capex para o ano inteiro de 2019? O Capex (excluindo investimentos multicliente e SPM) para o ano inteiro de 2019 deverá ser de aproximadamente US$ 1,5 bilhão a US$ 1,7 bilhão, o que é inferior aos US$ 2,2 bilhões gastos em 2018. 2)Qual foi o fluxo de caixa operacional e o fluxo de caixa livre para o primeiro trimestre de 2019? O fluxo de caixa operacional no primeiro trimestre de 2019 foi de US$ 326 milhões. O fluxo de caixa livre para o primeiro trimestre de 2019 foi negativo em US$ 283 milhões. 3)O que foi incluído em "Juros e outros rendimentos" para o primeiro trimestre de 2019? "Juros e outros rendimentos" para o primeiro trimestre de 2019 foi de US$ 14 milhões. Esse valor foi composto por ganhos com investimentos de método de equivalência patrimonial de US$ 3 milhões e renda de juros de US$ 11 milhões. 4)Como os rendimentos de juros e as despesas com juros mudaram durante o primeiro trimestre de 2019? A renda de juros de US$ 11 milhões do primeiro trimestre de 2019 foi superior em US$ 1 milhão sequencialmente. A renda sobre juros, de US$ 147 milhões, aumentou em US$ 5 milhões sequencialmente. 5)Qual é a diferença entre o lucro operacional antes dos impostos e o lucro consolidado antes dos impostos da Schlumberger? A diferença consiste, principalmente, de itens corporativos, encargos e créditos e renda de juros e despesa com juros não alocados aos segmentos, bem como despesa com remuneração com base em ações, despesa com amortização associada a alguns ativos intangíveis, algumas iniciativas gerenciadas de modo centralizado e outros itens não operacionais. 6)Qual foi a taxa efetiva de impostos (effective tax rate, ETR) para o primeiro trimestre de 2019? A ETR do primeiro trimestre de 2019, calculada de acordo com GAAP foi de 15,5% em comparação com 15,4% do quarto trimestre de 2018. O ETR do quarto trimestre de 2018, excluindo encargos e créditos, foi de 16,0%. Não houve encargos ou créditos durante o primeiro trimestre de 2019. 7)Quantas ações ordinárias estavam em circulação em 31 de março de 2019 e qual foi a sua alteração a partir do fim do trimestre anterior? Havia 1,385 bilhão de ações ordinárias em circulação em 31 de março de 2019. A tabela a seguir mostra a alteração no número de ações em circulação de 31 de dezembro de 2018 a 31 de março de 2019. *T

-0- *T (em milhões) Ações em circulação em 31 de dezembro de 2018 1.383 Ações emitidas aos beneficiários, menos as ações permutadas - Aquisição de ações restritas 1 Ações emitidas de acordo com o plano de compra de ações de funcionários 3 Programa de recompra de ações (2 ) Ações em circulação em 31 de março de 2019 1.385 *T

-0- *T 8) Qual foi a média ponderada do número de ações em circulação durante o primeiro trimestre de 2019 e o quarto trimestre de 2018 e como isso é conciliado com o número médio de ações em circulação, presumindo a diluição usada no cálculo dos ganhos diluídos por ação, excluindo encargos e créditos? A média ponderada do número de ações em circulação foi de 1,385 bilhão durante o primeiro trimestre de 2019 e o quarto trimestre de 2018. Abaixo está uma reconciliação da média ponderada de ações em circulação com relação ao número médio de ações em circulação, presumindo a diluição usada no cálculo do lucro diluído por ação, excluindo encargos e créditos. *T

-0- *T (em milhões) Primeiro trimestre Quarto trimestre 2019 2018 Média ponderada de ações em circulação 1.385 1.384 Exercício presumido de opções de compra de ações - - Ações restritas não adquiridas 12 8 Média de ações em circulação, assumindo diluição 1.397 1.392 *T

-0- *T 9) O que são os projetos de gerenciamento de produção da Schlumberger (Schlumberger Production Management, SPM) e como a Schlumberger reconhece a receita proveniente desses projetos? Projetos de SPM são aqueles concentrados no desenvolvimento e na coadministração de produção em nome dos clientes da Schlumberger sob contratos de longo prazo. A Schlumberger investirá seus próprios serviços, produtos e, em alguns casos, dinheiro em atividades de desenvolvimento e operações de campo. Apesar de, em certos acordos, a Schlumberger reconhecer a receita e ser paga por uma parte dos serviços ou produtos que fornece, em geral, a Schlumberger não será paga quando prestar seus serviços ou ao entregar seus produtos. Em vez disso, a Schlumberger reconhece a receita e é remunerada com base no fluxo de caixa gerado ou com base na taxa por barril. Isso pode incluir certos acordos em que a Schlumberger só é remunerada com base na produção incremental que ajuda a entregar acima de uma linha de base mutualmente acordada. 10)Como os produtos e serviços da Schlumberger investidos em projetos de SPM são levados em conta? A receita e os custos associados são registrados no respectivo segmento da Schlumberger de serviços e produtos que cada segmento oferece aos projetos de SPM da Schlumberger. Essa receita (que é baseada em preços concorrentes) e o lucro relacionado são então eliminados através de um ajuste intercompanhia que é incluído na linha "Eliminações e outros" (Observe que a linha "Eliminações e outros" inclui outros itens além das eliminações de SPM). O custo direto associado com o fornecimento de serviços ou produtos pela Schlumberger aos projetos de SPM é então capitalizado no balanço patrimonial. Esses investimentos capitalizados, que podem ser feitos na forma de caixa, além dos custos diretos anteriormente mencionados, são lançados na demonstração de resultados como gastos quando a produção relacionada é alcançada e a receita associada é reconhecida. Essa despesa de amortização é baseada nas unidades do método de produção, onde cada unidade recebe uma porção proporcional dos custos não amortizados com base na produção total estimada. A receita de SPM, juntamente com a amortização dos investimentos capitalizados e outros custos operacionais incorridos no período, são refletidos no segmento de Produção. 11)Qual era o saldo não amortizado de investimentos da Schlumberger em projetos de SPM em 31 de março de 2019 e como isso mudou, em termos de investimento e amortização, quando comparado com 31 de dezembro de 2018? O saldo não amortizado dos investimentos da Schlumberger nos projetos SPM foi de aproximadamente US$ 4,2 bilhões em 31 de março de 2019 e 31 de dezembro de 2018. Esses valores foram incluídos em Outros ativos no Balanço patrimonial condensado consolidado da Schlumberger. A alteração no saldo não amortizado dos investimentos da Schlumberger nos projetos de SPM foi conforme descrito abaixo: *T

-0- *T (em milhões) Balanço em 31 de dezembro de 2018 $ 4.201 Investimentos de SPM 151 Amortização do investimento de SPM (170 ) Outros 10 Balanço em 31 de março de 2019 $ 4.192 *T

-0- *T 12) Qual foi o valor de vendas multiclientes WesternGeco no primeiro trimestre de 2019? As vendas multicliente, incluindo as taxas de transferência, foram de US$ 131 milhões no primeiro trimestre de 2019 e US$ 176 milhões no quarto trimestre de 2018. 13)Qual foi a pendência da WesternGeco ao final do primeiro trimestre de 2019? A pendência da WesternGeco, que é baseada nos contratos assinados com os clientes, foi de US$ 228 milhões no final do primeiro trimestre de 2019. Era de US$ 343 milhões ao final do quarto trimestre de 2018. 14)Quais foram os pedidos e os pedidos pendentes dos negócios Drilling Systems e OneSubsea da Cameron? Os pedidos e pedidos pendentes da Drilling Systems e OneSubsea foram conforme descrito abaixo: *T

-0- *T (em milhões) PedidosPrimeiro trimestre de2019 Quarto trimestre2018 OneSubsea US$ 511 US$ 611 Drilling Systems US$ 232 US$ 196 Pedidos pendentes (no final do período) OneSubsea US$ 2.096 U$ 1.903 Drilling Systems US$530 US$ 495 *T

Sobre a Schlumberger

A Schlumberger é a maior fornecedora mundial de tecnologia para caracterização, perfuração, produção e processamento de reservatórios para o setor de petróleo e gás. Com vendas de produtos e serviços em mais de 120 países e empregando aproximadamente 100.000 pessoas que representam mais de 140 nacionalidades, a Schlumberger fornece a gama mais abrangente de produtos e serviços do setor, desde a exploração até a produção, e soluções integradas de poro a oleoduto que otimizam a recuperação de hidrocarbonetos para proporcionar desempenho do reservatório.

A Schlumberger Limited tem escritórios executivos em Paris, Houston, Londres e Haia, e informou receitas de US$ 32,82 bilhões em 2018. Para obter mais informações, acesse www.slb.com.

*Marca da Schlumberger ou das empresas Schlumberger.

Observações

A Schlumberger realizará uma teleconferência para discutir o comunicado à imprensa e o panorama comercial na quinta-feira, 18 de abril de 2019. A chamada está programada para começar às 8h30m. horário da zona leste dos EUA (ET). Para acessar a teleconferência, que é aberta ao público, entre em contato com o operador da teleconferência pelo telefone +1 (800) 288-8967 na América do Norte ou +1 (612) 333-4911 fora da América do Norte, cerca de dez minutos antes do horário de início agendado para a conferência. Peça para participar da "Schlumberger Earnings Conference Call". Na conclusão da teleconferência, uma repetição em áudio estará disponível até 18 de maio de 2019, por meio de ligação para +1 (800) 475-6701 na América do Norte, ou +1 (320) 365-3844 fora da América do Norte e informando o código de acesso 464084. A teleconferência será transmitida pela internet simultaneamente em www.slb.com/irwebcast apenas com áudio. Uma gravação do webcast também estará disponível no mesmo site até 18 de maio de 2019.

Este comunicado sobre os lucros do primeiro trimestre de 2019, bem como outras declarações que fazemos, contêm "declarações prospectivas" de acordo com o significado das leis federais sobre valores mobiliários, que incluem declarações que não são fatos históricos, como nossas previsões ou expectativas com relação ao panorama do negócio; crescimento da Schlumberger como um todo e cada um dos seus segmentos (e produtos e áreas geográficas específicas dentro de cada segmento); procura de petróleo e gás natural e o crescimento da produção; os preços do petróleo e do gás natural; melhorias nos procedimentos operacionais e nas tecnologias, inclusive nosso programa de transformação; despesas de capital pela Schlumberger e pelo setor de petróleo e gás; estratégias do negócio dos clientes da Schlumberger; os efeitos da reforma fiscal dos EUA; nossa taxa fiscal efetiva; os projetos SPM, joint ventures e alianças da Schlumberger; condições econômicas globais futuras e resultados futuros das operações. Essas declarações estão sujeitas a riscos e incertezas, inclusive, entre outros, condições econômicas globais; mudanças nos gastos com produção e exploração pelos clientes da Schlumberger e mudanças no nível de desenvolvimento e exploração de petróleo e gás natural; condições gerais econômicas, políticas e comerciais em importantes regiões do mundo; riscos cambiais; pressão de preços; fatores climáticos e sazonais; atrasos, modificações ou cancelamentos operacionais; queda de produção; mudanças nas normas regulatórias e governamentais, inclusive as associadas com exploração de gás e petróleo offshore, fontes radioativas, explosivos, produtos químicos, serviços de fraturamento hidráulico e iniciativas relacionadas com o clima; a incapacidade da tecnologia de atender aos novos desafios da exploração e outros riscos e incertezas detalhados neste comunicado de lucros do primeiro trimestre de 2019 e em nossos mais recentes formulários 10-K,10-Q e 8-K protocolados ou enviados à Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (Securities and Exchange Commission, SEC). Se um ou mais desses ou outros riscos ou incertezas se materializarem (ou as consequências de tais mudanças de desenvolvimento), ou se nossas premissas subjacentes se mostrarem incorretas, os resultados reais podem divergir materialmente dos refletidos em nossas declarações prospectivas. A Schlumberger descarta qualquer intenção ou obrigação de atualizar ou revisar tais declarações, seja como resultado de novas informações, eventos futuros ou qualquer outra razão.

O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada. As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que tem efeito legal.

Ver a versão original em businesswire.com: https://www.businesswire.com/news/home/20190424006172/pt/

Simon Farrant - Vice-presidente de Relações com investidores, Schlumberger Limited Joy V. Domingo - Gerente de relações com investidores, Schlumberger Limited Escritório +1 (713) 375-3535 investor-relations@slb.com

© 2019 Business Wire, Inc. Aviso: Este documento não é de autoria da AFP e a AFP não pode se responsabilizar por seu conteúdo. Para esclarecer qualquer dúvida sobre o conteúdo, por favor, contate as pessoas/empresas indicadas neste comunicado de imprensa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade