Publicidade

Estado de Minas

Erdogan culpa França por genocídio em Ruanda, em resposta à sua postura sobre armenos


postado em 24/04/2019 15:55

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, criticou nesta quarta-feira aqueles que "dão lições" à Turquia sobre o "genocídio armênio", especialmente a França, a quem acusou de ser responsável pelo genocídio em Ruanda.

"Se olharmos para aqueles que tentam dar lições sobre direitos humanos ou democracia à Turquia com a questão armênia e a luta contra o terrorismo, vemos que todos têm um passado sangrento", disse Erdogan durante um discurso televisionado em Ancara.

"É evidente. Quem matou 800 mil pessoas no genocídio ruandês? Os franceses são responsáveis", disse ele. "Temos arquivos e documentos que provam isso claramente".

O poder ruandês acusa a França de ter sido cúmplice do regime hutu, responsável pelo genocídio de 1994, e até mesmo de ter participado ativamente dos massacres, algo que Paris sempre negou.

A tensão aumentou entre Paris e Ancara nos últimos dias depois que a França estabeleceu o dia 24 de abril para rememorar anualmente o genocídio armênio de 1915.

Cerca de trinta países e a comunidade de historiadores reconhecem o genocídio armênio. Segundo estimativas, entre 1,2 milhão e 1,5 milhão de armênios foram mortos durante a Primeira Guerra Mundial pelas tropas do Império Otomano, então aliado da Alemanha e da Áustria-Hungria.

A Turquia, fruto do desmantelamento do Império em 1920, rejeita o uso do termo "genocídio" e alega que houve massacres recíprocos em um contexto de guerra civil e fome, que deixou centenas de milhares de mortos em ambos os lados.

As autoridades turcas proibiram uma manifestação planejada em Istambul nesta quarta-feira para relembrar o massacre de armênios, disse um jornalista da AFP.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade