Publicidade

Estado de Minas

Músico R. Kelly é acusado outra vez de pedofilia


postado em 14/02/2019 20:13

Um advogado disse nesta quinta-feira (14) que tem um novo vídeo que mostra o músico americano R. Kelly, já acusado de pedofilia no passado, tendo relações sexuais com uma menor de idade.

Em um comunicado publicado no Twitter, o midiático advogado Michael Avenatti, que defende a atriz pornô Stormy Daniels em seu litígio com o presidente Donald Trump, disse que enviou "esta nova prova de vídeo que estabelece a culpa" do cantor ao promotor do condado de Cook em Chicago, onde R. Kelly reside.

O cantor foi acusado de pedofilia e agressão sexual há décadas. Em 2008, foi absolvido em um caso de pornografia infantil.

De acordo com Michael Avenatti, este novo vídeo de 45 minutos nunca foi publicado antes. Nele se vê, assegura, uma relação sexual entre Robert Sylvester Kelly, seu nome de batismo, e uma menina "menor".

O advogado afirmou que quer "levar este predador à Justiça".

Contactado pela AFP, o escritório do promotor não quis confirmar ou negar se estavam fazendo uma investigação, mas, segundo a revista The New Yorker, R. Kelly poderia ser acusado e preso.

Segundo o canal de televisão CNN, que teve acesso ao vídeo, dois homens aparecem nele.

"Vê-se um homem nu que parece ser R. Kelly tendo relações sexuais com a menina", descreve o canal americano.

"Não é possível determinar a idade apenas a partir da idade do vídeo", diz a CNN, acrescentando que o homem nu que se parece com R. Kelly e a menina estão falando dos órgãos genitais desta última dizendo que têm "14 anos".

R. Kelly casou-se brevemente em 1994 com a jovem estrela Aaliyah, de 15 anos, cujos pais anularam posteriormente o casamento. A cantora e atriz faleceu em um acidente aéreo.

O nome de R. Kelly veio à tona novamente após a transmissão, no início do ano, de um documentário que o envolve em várias agressões sexuais contra menores de 16 anos.

A gravadora Sony Music rescindiu o contrato que tinha com o intérprete de "I Believe I Can Fly", enquanto uma investigação foi aberta em Nova York.


Publicidade