Publicidade

Estado de Minas

Comunicado do Business Wire :Takeda Pharmaceutical Company Limited and Seattle Genetics, Inc.


postado em 07/12/2018 06:25

Seattle Genetics, Inc. (Nasdaq:SGEN) e Takeda Pharmaceutical Company Limited (TSE:4502) anunciaram que os dados do ensaio clínico ECHELON-2 de Fase 3 foram apresentados hoje em uma sessão oral na 60a Reunião Anual da American Society of Hematology (ASH). Os dados demonstraram que o tratamento de primeira linha com ADCETRIS (brentuximab vedotin) em combinação com CHP (ciclofosfamida, doxorrubicina, prednisona) é eficaz na hora de prolongar a sobrevida livre de progressão (SLP) e a sobrevida global (SG) com um perfil de segurança comparável ao CHOP (ciclofosfamida, doxorrubicina, vincristina, prednisona), um padrão atual de tratamento em pacientes com linfomas periféricos de células T (LPCT) expressando CD30. Esses dados também foram publicados on-line na TheLancet. O ADCETRIS é um conjugado de anticorpo-fármaco (ADC) direcionado ao CD30, que é expresso na superfície de vários tipos de LPCT.

Este comunicado de imprensa inclui multimédia. Veja o comunicado completo aqui: https://www.businesswire.com/news/home/20181207005095/pt/

Os resultados positivos da linha superior do ensaio clínico ECHELON-2 de Fase 3 foram relatados anteriormente em outubro de 2018. Em novembro de 2018, o ADCETRIS foi aprovado pela Food and Drug Administration dos Estados Unidos (FDA) para adultos com linfoma anaplásico sistêmico de grandes células (sALCL) ou outro LPCT que expressa CD30, incluindo linfoma de células T angioimunoblástico e LPCT não especificado em combinação com CHP. Os dados do ECHELON-2 foram a base de uma Solicitação de Licença Biológica (SLB) suplementar, que foi revisada pela FDA sob seu Programa Piloto de Revisão de Oncologia em Tempo Real e aprovada menos de duas semanas após a submissão completa do SLB suplementar.

"Como médicos, estamos sempre em busca de novas estratégias para atender às necessidades não atendidas em cânceres sanguíneos agressivos e o ADCETRIS provou ser um desses agentes com benefício para pacientes em vários tipos de linfoma e agora em LPCT de primeira linha", disse Steven. Horwitz, M.D., Departamento de Medicina, Serviço de Linfoma, do Memorial Sloan Kettering Cancer Center, em Nova York. "Esta pesquisa é importante para os pacientes porque os médicos agora têm uma nova abordagem para o tratamento de pacientes recém-diagnosticados com LPCT expressando CD30, um grupo de cânceres agressivos. Os dados do ECHELON-2 demonstram que o ADCETRIS mais CHP são superiores em prolongar a sobrevida livre de progressão e a sobrevida global em comparação com um padrão atual de tratamento, CHOP, um regime de quimioterapia com vários agentes que estamos utilizando na prática há várias décadas".

"Esta é a sexta indicação aprovada pela FDA para o ADCETRIS em tumores malignos linfoides e a segunda como um tratamento de primeira linha em combinação com quimioterapia", disse Roger Dansey, M.D., diretor médico da Seattle Genetics. "Os dados apresentados hoje na ASH ressaltam que a combinação do ADCETRIS proporciona benefícios clinicamente significativos para pacientes com LPCT não tratados anteriormente e tem o potencial de ser prática de mudança para esses pacientes".

"Temos o prazer de compartilhar esses resultados impressionantes do estudo ECHELON-2, que se baseia na eficácia e segurança observadas com o ADCETRIS em vários linfomas para CD30-positivas", disse Jesús Gómez-Navarro, M.D., vice-presidente e diretor de Pesquisa e Desenvolvimento Clínico em Oncologia da Takeda. "O estudo demonstrou resultados clinicamente significativos e foi o primeiro estudo randomizado de Fase 3 em LPCT de primeira linha a mostrar melhora na sobrevida global. Estabelecer uma terapia ideal para o LPCT tem sido um desafio para os médicos e estas descobertas representam o progresso em atender às necessidades não satisfeitas das pessoas que vivem com essa doença grave. Estamos ansiosos para trabalhar com as autoridades reguladoras em nosso território de modo a trazer uma possível nova opção de tratamento para pacientes com LPCT".

O ensaio ECHELON-2: Resultados de um estudo de Fase 3 randomizado, duplo-cego, ativo-controlado de brentuximab vedotin e CHP (A+CHP) versus CHOP no tratamento de primeira linha de pacientes com linfomas periféricos de células T expressando CD30+ (resumo #997, apresentação oral no dia 3 de dezembro de 2018 às 18h15 no Centro de Convenções de San Diego, Sala 6F)

ECHELON-2 é um estudo global, randomizado, duplo-cego, multicêntrico que avalia o ADCETRIS como parte de um regime de quimioterapia de primeira linha em pacientes com LPCT não tratado anteriormente que expressam CD30. O endpoint primário é a SLP por Revisão Central Independente Cega (BICR), com eventos definidos como progressão, morte ou recebimento de quimioterapia para doença residual ou progressiva. Os endpoints secundários principais incluem a SLP em pacientes com sALCL, taxa de remissão completa (RC), SG e taxa de resposta objetiva (TRO). O ECHELON-2 recrutou 452 pacientes (226 em cada segmento) em 132 locais em 17 países na América do Norte, Europa, Ásia-Pacífico e Oriente Médio. A média de idade dos pacientes foi de 58 anos. O estudo incluiu pacientes com doença avançada (80%) e a maioria dos pacientes tinha sALCL (48% de ALK negativo e 22% de ALK positivo).

As principais conclusões, que serão apresentadas pelo Dr. Steven Horwitz e publicadas na TheLancet, incluem:

-- O estudo ECHELON-2 atingiu seu endpoint primário com ADCETRIS mais CHP demonstrando uma melhoria estatisticamente significativa na SLP, conforme avaliada por uma BICR (índice de risco [IR]=0,71; valor de p=0,0110). Isso corresponde a uma redução de 29% no risco de progressão, morte ou necessidade de terapia adicional antineoplásica para doença residual ou progressiva.

-- Após um tempo médio de seguimento de 36,2 meses, a mediana da SLP no controle ADCETRIS mais CHP foi de 48,2 meses (IC 95%, 35,2% não avaliável) em comparação com 20,8 meses (IC 95%, 12,7-47,6) no segmento de controle segundo avaliação da BICR. A SLP de três anos foi de 57,1% para o ADCETRIS mais CHP em comparação com 44,4% no segmento de controle.

-- Segundo avaliação do investigador, o ADCETRIS mais CHP demonstrou uma melhoria estatisticamente significativa na SLP (IR=0,70; valor de p=0,0096).

-- A SG no segmento ADCETRIS mais CHP foi estatisticamente significativo em comparação com CHOP (IR=0,66; valor de p=0,0244). Isso corresponde a uma redução de 34% no risco de morte.

-- Após um acompanhamento médio de 42,1 meses, a mediana da SG não foi alcançada para nenhum dos segmentos do estudo. A SG estimada em três anos foi de 76,8% para o ADCETRIS mais CHP, em comparação com 69,1% para o CHOP.

-- Todos os outros parâmetros secundários importantes, incluindo taxa de RC e TRO, além de SLP em pacientes com sALCL, foram estatisticamente significativos em favor do segmento ADCETRIS mais CHP. Segundo avaliação da BICR, a taxa de RC (68% versus 56%, respectivamente) e TRO (83% versus 72%, respectivamente) para o segmento ADCETRIS mais CHP foram significativamente maiores do que aqueles tratados com CHOP (valor de p=0,0066 e valor de p=0,0032, respectivamente). Segundo avaliação do investigador, a taxa de RC e TRO mostraram um benefício similar para o segmento ADCETRIS mais CHP versus CHOP (valor de p=0,0043 e valor de p=0,0018, respectivamente).

-- Excluindo o transplante de células-tronco consolidadas ou a radioterapia para consolidação da resposta à terapia inicial, 74% dos pacientes no segmento ADCETRIS mais CHP versus 58% dos pacientes no segmento CHOP não precisaram de terapias antineoplásicas subsequentes para doença residual ou progressiva. Dos 226 pacientes que receberam CHOP, 49 (22%) receberam tratamento subsequente com uma terapia contendo ADCETRIS.

-- O perfil de segurança do ADCETRIS mais CHP no ensaio ECHELON-2 foi comparável ao do CHOP e consistente com o perfil de segurança estabelecido do ADCETRIS em associação com quimioterapia. Os eventos adversos relacionados com o tratamento mais comuns de qualquer grau que ocorreram em 20% ou mais dos pacientes no segmento ADCETRIS mais CHP e CHOP foram: náusea (46 e 38%, respectivamente), neuropatia sensitiva periférica (45 e 41%, respectivamente), neutropenia (38% cada), diarreia (38 e 20%, respectivamente), obstipação (29 e 30%, respectivamente), alopecia (26 e 25%, respectivamente), pirexia (26 e 19%, respectivamente), vômitos (26 e 17%, respectivamente), fadiga (24 e 20%, respectivamente) e anemia (21 e 16%, respectivamente). Os eventos adversos mais comuns de Grau 3 ou superiores que ocorreram nos segmentos ADCETRIS mais CHP e CHOP foram: neutropenia (35 e 34%, respectivamente) e anemia (13 e 10%, respectivamente). A incidência e a gravidade da neutropenia foram semelhantes entre os segmentos do estudo e menor no subgrupo de pacientes que receberam profilaxia primária com fator estimulante de colônias de granulócitos. A neutropenia febril foi relatada em 41 pacientes (18%) no segmento ADCETRIS mais CHP e 33 pacientes (15%) no segmento CHOP. Eventos neuropáticos periféricos emergentes ou agravados pelo tratamento ocorreram em 117 pacientes (52%) no segmento ADCETRIS mais CHP e 124 pacientes (55%) no segmento CHOP, com uma maioria com gravidade máxima de Grau 1 (64 e 71%, respectivamente). No último seguimento, a neuropatia periférica retornou à linha de base ou diminuiu em 50% nos pacientes do segmento ADCETRIS mais CHP versus 64% no segmento CHOP, e o tempo médio para a resolução foi de 17 semanas e 11,4 semanas, respectivamente. Os eventos adversos que levaram à morte ocorreram em sete pacientes (3%) no segmento ADCETRIS mais CHP e nove pacientes (4%) no segmento CHOP.

Consulte as Informações importantes sobre a segurança, incluindo o Advertência na caixa, no final deste comunicado de imprensa.

Sobre os linfomas de células T

Linfoma é um termo geral para um grupo de cânceres que se originam no sistema linfático. Existem duas categorias principais de linfoma: Linfoma de Hodgkin e linfoma não-Hodgkin. Existem mais de 60 subtipos de linfomas não-Hodgkin que são amplamente divididos em dois grupos principais: os linfomas de células B, que se desenvolvem a partir de linfócitos B anormais; e os linfomas de células T, que se desenvolvem a partir de linfócitos T anormais. Existem muitas formas diferentes de linfomas de células T, algumas das quais são extremamente raras. Os linfomas de células T podem ser agressivos (crescimento rápido) ou indolentes (crescimento lento). O LPCT é responsável por aproximadamente 10% dos casos de linfoma não-Hodgkin nos EUA e na Europa e pode chegar a 24% em partes da Ásia.

Sobre o ADCETRIS (brentuximab vedotin)

O ADCETRIS está sendo analisado em mais de 70 ensaios clínicos em andamento para linfomas que expressam CD30. Estes incluem o ensaio ECHELON-2 concluído de Fase 3 em linfomas de células T periféricas de primeira linha (também conhecido como linfoma de células T maduras), o ensaio ECHELON-1 concluído de Fase 3 no linfoma de Hodgkin não tratado e o ensaio ALCANZA concluído de Fase 3 no linfoma de células T.

O ADCETRIS é um ADC compreendendo um anticorpo monoclonal anti-CD30 ligado por um vinculador clivável por protease a um agente de ruptura de microtúbulos, monometil auristatina E (MMAE), utilizando a tecnologia proprietária da Seattle Genetics. O ADC emprega um sistema ligante que é projetado para ser estável na corrente sanguínea, mas para liberar MMAE após a internalização em células tumorais que expressam CD30.

A injeção de ADCETRIS para infusão intravenosa recebeu aprovação do FDA para seis indicações em pacientes adultos com: (1) linfoma anaplásico sistêmico de grandes células (sALCL) não tratados anteriormente ou outros linfomas periféricos de células T expressando CD30 (LPCT), incluindo linfoma de células T angioimunoblástico e LPCT não especificado, em combinação com ciclofosfamida, doxorrubicina e prednisona, (2) linfoma de Hodgkin clássico (LHc) (III), não tratado anteriormente, em estágio III ou IV, em combinação com doxorrubicina, vinblastina e dacarbazina; (3) LHc com alto risco de recidiva ou progressão como consolidação do transplante de células-tronco pós-autólogas (ASCT), (4) LHc após falha do ASCT ou falha de pelo menos dois regimes de quimioterapia com vários agentes em pacientes que não são candidatos a ASCT, (5) sALCL após falha de pelo menos um esquema prévio de quimioterapia com vários agentes e (6) linfoma anaplásico cutâneo primário de grandes células (pcALCL) ou micose fungoide (MF) expressando CD30 que receberam terapia sistêmica prévia.

A Health Canada concedeu aprovação do ADCETRIS com condições para linfoma de Hodgkin reincidente ou refratário e sALCL em 2013, e aprovação não condicional para o tratamento de consolidação de transplante de células-tronco pós-autólogas (ASCT) de pacientes com linfoma de Hodgkin em risco aumentado de reincidência ou progressão.

O ADCETRIS recebeu uma autorização condicional de comercialização da Comissão Europeia em outubro de 2012. As indicações aprovadas na Europa são: (1) para o tratamento de pacientes adultos com linfoma de Hodgkin com reincidência ou refratário após o ASCT, ou após pelo menos duas terapias anteriores quando ASCT ou quimioterapia multiagente não é uma opção de tratamento, (2) o tratamento de pacientes adultos com sALCL reincidente ou refratário, (3) para o tratamento de pacientes adultos com linfoma de Hodgkin CD30 positivo em risco aumentado de recaída ou progressão após ASCT, e (4) para o tratamento de pacientes adultos com linfoma cutâneo de células T CD30-positivas (LCCT) após pelo menos uma terapia sistêmica prévia.

O ADCETRIS recebeu autorização de comercialização por autoridades reguladoras em 72 países para o linfoma de Hodgkin recidivado ou refratário e sALCL. Consulte as informações importantes sobre a segurança, incluindo a Advertência na caixa, abaixo.

A Seattle Genetics e a Takeda estão desenvolvendo em conjunto o ADCETRIS. Sob os termos do acordo de colaboração, a Seattle Genetics tem direitos de comercialização nos EUA e no Canadá, e a Takeda tem o direito de comercializar o ADCETRIS no resto do mundo. A Seattle Genetics e a Takeda estão financiando os custos de desenvolvimento conjunto para o ADCETRIS em uma base meio a meio, exceto no Japão, onde a Takeda é a única responsável pelos custos de desenvolvimento.

Sobre a Seattle Genetics

A Seattle Genetics, Inc. é uma empresa emergente de biotecnologia global, com vários produtos, que desenvolve e comercializa terapias transformadoras direcionadas ao câncer para marcar uma diferença significativa na vida das pessoas. O ADCETRIS® (brentuximab vedotin) utiliza a tecnologia de conjugado de anticorpo-fármaco (ADC) líder da indústria e atualmente está aprovada para o tratamento de vários linfomas que expressam CD30. Além do ADCETRIS, a empresa estabeleceu uma série de novas terapias direcionadas em vários estágios de testes clínicos, incluindo três em estudos principais para tumores sólidos. O enfortumab vedotin para câncer urotelial metastático e o tisotumab vedotin para câncer cervical metastático utilizam nossa tecnologia proprietária de ADC. O tucatinibe, um inibidor de tirosina quinase de pequenas moléculas, está em um ensaio essencial para o câncer de mama metastático HER2 positivo. Além disso, estamos aproveitando nossa experiência em anticorpos capacitados para construir um portfólio de agentes imuno-oncológicos exclusivos em estudos clínicos direcionados a neoplasias malignas hematológicas e tumores sólidos. A empresa está sediada em Bothell (EUA) e possui um escritório na Suíça. Para mais informações sobre nosso robusto pipeline, acesse www.seattlegenetics.com e siga @SeattleGenetics no Twitter.

Sobre a Takeda Pharmaceutical Company

A Takeda Pharmaceutical Company Limited (TSE: 4502) é uma empresa farmacêutica global, orientada para pesquisa e desenvolvimento, comprometida em trazer melhor saúde e um futuro melhor para os pacientes, traduzindo a ciência em medicamentos que mudam a vida. A Takeda concentra seus esforços de P & D nas áreas terapêuticas de oncologia, gastrenterologia e neurociência, além de vacinas. A Takeda realiza P&D; tanto internamente quanto com parceiros para permanecer na vanguarda da inovação. Produtos inovadores, especialmente em oncologia e gastrenterologia, bem como a presença da Takeda em mercados emergentes, estão alimentando o crescimento da Takeda. Aproximadamente 30.000 funcionários da Takeda estão empenhados em melhorar a qualidade de vida dos pacientes, trabalhando com os parceiros da Takeda em serviços de saúde em mais de 70 países.

Para mais informações, acesse https://www.takeda.com/newsroom/.

Informações adicionais sobre a Takeda estão disponíveis no site corporativo (www.takeda.com) e informações adicionais sobre a Takeda Oncology, a marca para a unidade global de oncologia da Takeda Pharmaceutical Company Limited, estão disponíveis no site (www.takedaoncology.com).

ADCETRIS (brentuximab vedotin) - Informações importantes sobre a segurança

ADVERTÊNCIA NA CAIXA: FALOPATIA MULOCOCAL PROGRESSIVA DE LEUCOPATIA (LMP):

A infecção pelo vírus JC resultando em PML e morte pode ocorrer em pacientes tratados com ADCETRIS.

Contraindicação

ADCETRIS concomitante com bleomicina devido a toxicidade pulmonar (por exemplo, infiltração intersticial e/ou inflamação).

Avisos e precauções

-- Neuropatia periférica (NP): O ADCETRIS causa neuropatia periférica predominantemente sensorial. Casos de NP motora também foram relatados. A NP induzida por ADCETRIS é cumulativa. Monitorar quanto ao aparecimento de sintomas como hipoestesia, hiperestesia, parestesia, desconforto, sensação de queimação, dor neuropática ou fraqueza. Instituir as modificações de dose de acordo.

-- Anafilaxia e reações à perfusão: Reações associadas à perfusão (RAP), inclusive anafilaxia, devido ao uso do ADCETRIS. Monitorar os pacientes durante a perfusão. Caso ocorra uma RAP, interrompê-la e instituir o procedimento clínico adequado. Se ocorrer anafilaxia, suspender a perfusão de forma imediata e permanente e administrar o tratamento clínico apropriado. Medicar os pacientes com RAP antes das perfusões subsequentes. A pré-medicação pode incluir acetaminofeno, um anti-histamínico e um corticosteroide.

-- Toxicidades hematológicas: Casos fatais e graves de neutropenia febril foram relatados com o ADCETRIS. Anemia de grau 3 ou 4, trombocitopenia e neutropenia grave prolongada (?1 semana) podem ocorrer devido ao uso do ADCETRIS. Iniciar a profilaxia primária com G-CSF começando com o Ciclo 1 para pacientes que recebem ADCETRIS em combinação com quimioterapia para o LH clássico em estágio III ou IV não tratado anteriormente ou LPCT não tratado anteriormente. Monitorar as contagens sanguíneas completas antes de cada dose de ADCETRIS. Monitorar com mais frequência os pacientes com neutropenia de Grau 3 ou 4. Monitorar os pacientes quanto à febre. Se houver desenvolvimento de neutropenia de Grau 3 ou 4, administrar o apoio de G-CSF, retardar ou reduzir as doses de ADCETRIS ou, inclusive, interromper o tratamento.

-- Infecções graves e infecções oportunistas: Infecções como pneumonia, bacteremia e sepse ou choque séptico (inclusive com desfechos fatais) foram relatadas em pacientes tratados com ADCETRIS. Monitorar atentamente os pacientes durante o tratamento quanto ao aparecimento de infecções bacterianas, fúngicas ou virais.

-- Síndrome de lise tumoral: Monitorar atentamente os pacientes com tumor de proliferação rápida e elevada carga tumoral.

-- Aumento da toxicidade na presença de insuficiência renal grave: A frequência de reações adversas de grau 3 ou superior e de mortes foi maior em pacientes com insuficiência renal grave em comparação com pacientes com função renal normal. Evitar o uso em pacientes com insuficiência renal grave.

-- Aumento da toxicidade na presença de insuficiência hepática moderada ou grave: A frequência de reações adversas de grau 3 ou superior e de mortes foi maior em pacientes com insuficiência hepática moderada ou grave em comparação com pacientes com função hepática normal. Evitar o uso em pacientes com insuficiência hepática moderada ou grave.

-- Hepatotoxicidade: Casos fatais e graves ocorreram em pacientes tratados com ADCETRIS. Os casos eram consistentes com lesão hepatocelular, incluindo aumentos das transaminases e/ou bilirrubina, e ocorreu após a primeira dose do ADCETRIS ou a sua retoma. Doença hepática preexistente, valores basais das enzimas hepáticas aumentados e medicações concomitantes podem agravar o risco. Monitorar as enzimas hepáticas e a bilirrubina. Os pacientes com aparecimento, agravamento ou recorrência da hepatotoxicidade devem ter a dose de ADCETRIS retardada, reduzida ou interrompida.

-- Leucoencefalopatia multifocal progressiva (LMP): Casos fatais de infecção pelo vírus JC, causando LMP e morte, foram relatados em pacientes tratados com o ADCETRIS. O primeiro aparecimento dos sintomas ocorreu em diversos momentos desde o início do tratamento, em alguns casos dentro de 3 meses após a exposição inicial. Além do tratamento com o ADCETRIS, outros possíveis fatores que contribuíram são as terapêuticas anteriores e doenças subjacentes que podem causar imunossupressão. Considerar o diagnóstico de LMP em qualquer paciente que apresentar sinais e sintomas de anormalidades do sistema nervoso central. Conter o uso do ADCETRIS se houver suspeita de LMP e interromper o ADCETRIS se a LMP for confirmada.

-- Toxicidade pulmonar: Casos fatais e graves de toxicidade pulmonar, incluindo pneumonite, doença intersticial pulmonar e síndrome do desconforto respiratório agudo, foram relatados. Monitorar os pacientes quanto a sinais e sintomas, incluindo tosse e dispneia. Em caso de novos sintomas pulmonares ou de agravamento dos mesmos, conter o uso do ADCETRIS durante os exames e até a melhora sintomática.

-- Reações dermatológicas graves: Casos fatais e graves de síndrome de Stevens-Johnson (SSJ) e necrólise epidérmica tóxica (NET) foram relatados com o ADCETRIS. Se ocorrer SSJ ou NET, interromper o ADCETRIS e administrar o tratamento clínico apropriado.

-- Complicações gastrintestinais (GI): Casos fatais e graves de pancreatite aguda foram relatados. Outras complicações gastrintestinais fatais e graves incluem perfuração, hemorragia, erosão, úlcera, obstrução intestinal, enterocolite, colite neutropênica e íleo. Um linfoma com envolvimento gastrointestinal preexistente pode aumentar o risco de perfuração. No caso de sintomas gastrintestinais novos ou agravados, realizar uma avaliação diagnóstica imediata e tratar adequadamente.

-- Toxicidade embrionária e fetal: Com base no mecanismo de ação e nos estudos em animais, o ADCETRIS pode causar danos fetais. Aconselhar as mulheres no período fértil do risco potencial para o feto e evitar a gravidez durante o tratamento com ADCETRIS e por pelo menos 6 meses após a última dose do ADCETRIS.

Reações adversas mais comuns (?20% em qualquer ensaio):Neuropatia periférica, fadiga, náusea, diarreia, neutropenia, infecção do trato respiratório superior, pirexia, constipação, vômitos, alopecia, diminuição de peso, dor abdominal, anemia, estomatite, linfopenia e mucosite.

Interações medicamentosas

O uso concomitante de inibidores ou indutores potentes de CYP3A4 tem o potencial de afetar a exposição ao monometil auristatina E (MMAE).

Uso em populações específicas

Insuficiência hepática moderada ou grave ou insuficiência renal grave: a exposição ao MMAE e as reações adversas são aumentadas. Evitar o uso.

Aconselhar os homens vivendo com parceiras sexuais no período fértil a utilizar métodos contraceptivos eficazes durante o tratamento com ADCETRIS e por, pelo menos, 6 meses após a última dose do ADCETRIS.

Aconselhar os pacientes a comunicar a gravidez imediatamente e evitar a amamentação enquanto estiver recebendo o ADCETRIS.

Para mais informações importantes sobre a segurança, incluindo o ADVERTÊNCIA NA CAIXA, consulte as informações completas sobre prescrição do ADCETRIS emwww.seattlegenetics.comouhttp://www.ADCETRIS.com.

ADCETRIS (brentuximab vedotin) - Informações importantes sobre a segurança (União Europeia)

Consulte o Resumo das Características do Medicamento (RCM) antes de prescrever.

CONTRAINDICAÇÕES

ADCETRIS está contraindicado em pacientes com hipersensibilidade ao brentuximab vedotin e aos seus excipientes. Além disso, o uso combinado do ADCETRIS com bleomicina causa toxicidade pulmonar.

AVISOS ESPECIAIS E PRECAUÇÕES

Leucoencefalopatia multifocal progressiva (LMP): A reativação do vírus John Cunningham (VJC) resultando em leucoencefalopatia multifocal progressiva (LMP) e morte pode ocorrer em pacientes tratados com o ADCETRIS. A LMP foi notificada em pacientes que receberam o ADCETRIS após receberem vários regimes anteriores de quimioterapia. A LMP é uma doença desmielinizante rara do sistema nervoso central que resulta da reativação do VJC latente e, frequentemente, é fatal.

Monitorar atentamente os pacientes quanto ao aparecimento ou agravamento de sinais ou sintomas neurológicos, cognitivos ou comportamentais indicativos da LMP. A avaliação sugerida da LMP inclui consulta neurológica, ressonância magnética do cérebro com gadolínio e análise do líquido cefalorraquidiano para o DNA do VJC pela reação em cadeia da polimerase ou uma biópsia do cérebro com evidência de VJC. Uma reação em cadeia da polimerase negativa do VJC não exclui a LMP. O acompanhamento e a avaliação adicionais podem ser necessários se não for possível estabelecer um diagnóstico alternativo. Manter a dosagem em qualquer caso suspeito de LMP e interromper de forma permanente o ADCETRIS se for confirmado o diagnóstico de LMP. Atenção aos sintomas de LMP que o paciente pode não notar (ex.: sintomas cognitivos, neurológicos ou psiquiátricos).

Pancreatite: A pancreatite aguda foi observada em pacientes tratados com o ADCETRIS. Desfechos fatais foram relatados. Monitorar atentamente os pacientes quanto a dores abdominais novas ou agravadas, que podem ser sugestivas de pancreatite aguda. A avaliação do paciente pode incluir exame físico, avaliação laboratorial da amilase sérica e lipase sérica e radiografia abdominal, como ultrassonografia e outras medidas diagnósticas adequadas. Manter o ADCETRIS em qualquer caso suspeito de pancreatite aguda. O ADCETRIS deve ser interrompido se for confirmado um diagnóstico de pancreatite aguda.

Toxicidade pulmonar: Casos de toxicidade pulmonar, alguns com desfechos fatais, incluindo pneumonite, doença pulmonar intersticial e síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA), foram relatados em pacientes que receberam o ADCETRIS. Embora não tenha sido estabelecida uma associação causal com o ADCETRIS, o risco de toxicidade pulmonar não pode ser descartado. Avaliar e tratar prontamente e de forma adequada os sintomas pulmonares novos ou agravados. Considere manter a dose durante a avaliação e até melhora sintomática.

Infecções graves e infecções oportunistas: Infecções graves, como pneumonia, bacteremia estafilocócica, sepse/choque séptico (inclusive com desfechos fatais) e herpes zoster, além de infecções oportunistas, como pneumonia por Pneumocystis jiroveci e candidíase oral, foram relatadas em pacientes tratados com o ADCETRIS. Monitorar cuidadosamente os pacientes durante o tratamento quanto ao surgimento de possíveis infecções sérias e oportunistas.

Reações associadas à perfusão (RAP): Reações imediatas e tardias associadas à perfusão, assim como anafilaxia, ocorreram devido ao uso do ADCETRIS. Monitorar cuidadosamente os pacientes durante e após uma perfusão. Se ocorrer anafilaxia, interromper imediata e permanentemente a administração do ADCETRIS. Deve ser administrada terapêutica médica adequada. Caso ocorra uma RAP, interrompê-la e instituir o procedimento clínico adequado. A perfusão pode ser reiniciada a uma taxa mais lenta após a resolução dos sintomas. Pacientes que tiveram uma RAP anterior devem ser pré-medicados para evitar perfusões subsequentes. As RAPs são mais frequentes e mais graves em pacientes com anticorpos contra o ADCETRIS.

Síndrome de lise tumoral (SLT): Existem relatos de SLT devido ao uso do ADCETRIS. Pacientes com tumor de proliferação rápida e alta carga tumoral possuem risco de SLT. Monitorar estes pacientes de perto e tratar de acordo com as boas práticas médicas.

Neuropatia periférica (NP): O tratamento com o ADCETRIS pode causar NP, tanto sensorial quanto motora. A NP induzida por ADCETRIS é tipicamente cumulativa e reversível na maioria dos casos. Monitorar os pacientes quanto ao aparecimento de sintomas da NP, como hipoestesia, hiperestesia, parestesia, desconforto, sensação de queimação, dor neuropática ou fraqueza. Os pacientes que experimentarem aparecimento ou agravamento da NP devem ter a dose de ADCETRIS retardada, reduzida ou interrompida.

Toxicidades hematológicas: Anemia de grau 3 ou 4, trombocitopenia e neutropenia de grau 3 ou 4 prolongada (?1 semana) podem ocorrer com o uso do ADCETRIS. Monitorar as contagens sanguíneas completas antes da administração de cada dose.

Neutropenia febril: Existem relatos de neutropenia febril. Monitorar atentamente os pacientes quanto à febre e tratar de acordo com as boas práticas médicas no caso de desenvolvimento de neutropenia febril.

Síndrome de Stevens-Johnson (SJS): SJS e necrólise epidérmica tóxica (NET) foram relatadas com o ADCETRIS. Desfechos fatais foram relatados. Interromper o tratamento com ADCETRIS no caso de SJS ou NET e administrar a terapêutica médica apropriada.

Complicações gastrintestinais (GI): Complicações gastrointestinais, algumas com desfechos fatais, incluindo obstrução intestinal, íleo, enterocolite, colite neutropênica, erosão, úlcera, perfuração e hemorragia, foram relatadas. Avaliar e tratar prontamente os pacientes se ocorrerem sintomas gastrointestinais novos ou agravados.

Hepatotoxicidade: Elevações de alanina aminotransferase (ALT) e aspartato aminotransferase (AST) foram relatadas. Casos graves de hepatotoxicidade, incluindo desfechos fatais, também ocorreram. Testar a função hepática antes do início do tratamento e monitorar rotineiramente os pacientes que recebem o ADCETRIS para determinar as elevações hepáticas. Os pacientes com hepatotoxicidade podem necessitar de um atraso, modificação da dose ou interrupção do ADCETRIS.

Hiperglicemia: A hiperglicemia foi relatada durante os ensaios clínicos em pacientes com alto índice de massa corporal (IMC), com ou sem história de diabetes mellitus. Monitorar atentamente a glicose sérica em pacientes que experimentam um evento de hiperglicemia. Administrar o tratamento antidiabético, conforme apropriado.

Insuficiência renal e hepática: Há uma experiência limitada em pacientes com insuficiência renal e hepática. Os dados disponíveis indicam que a depuração do MMAE pode ser afetada por insuficiência renal grave, insuficiência hepática e por baixas concentrações de albumina sérica.

LCCT CD30+: O tamanho do efeito do tratamento nos subtipos de linfomas cutâneos de células T (LCCT) CD30+ que não a micose fungoide (MF) e o linfoma anaplásico cutâneo primário de grandes células (pcALCL) não é claro devido à falta de evidência de alto nível. Em dois estudos de Fase II com controle único do ADCETRIS, a atividade da doença foi demonstrada nos subtipos Síndrome de Sézary (SS), papulose linfomatoide (PL) e histologia mista do LCCT. Estes dados sugerem que a eficácia e a segurança podem ser extrapoladas para outros subtipos de LCCT CD30+. Considerar cuidadosamente o risco-benefício por paciente e estar atento a outros tipos de pacientes com LCCT CD30+.

Conteúdo de sódio nos excipientes: O ADCETRIS contém um máximo de 2,1 mmol (ou 47 mg) de sódio por dose. Levar isso em consideração quanto a pacientes em dieta com controle de sódio.

INTERAÇÕES

Os pacientes que estiverem recebendo um inibidor potente de CYP3A4 e P-gp, concomitantemente com o ADCETRIS, podem ter um risco aumentado de neutropenia e devem ser monitorados de perto. A administração conjunta de ADCETRIS com um indutor de CYP3A4 não alterou a exposição plasmática do ADCETRIS, mas pareceu reduzir as concentrações plasmáticas dos metabolitos do MMAE que podiam ser analisados. Não se espera que o ADCETRIS altere a exposição a medicamentos metabolizados pelas enzimas CYP3A4.

GRAVIDEZ: Aconselhar mulheres em idade fértil a utilizar dois métodos de contracepção eficaz durante o tratamento com ADCETRIS e até 6 meses após o tratamento. Não existem dados sobre o uso do ADCETRIS em mulheres grávidas, embora estudos em animais tenham mostrado toxicidade reprodutiva. Não utilize o ADCETRIS durante a gravidez, a menos que o benefício para a mãe supere os riscos potenciais para o feto.

LACTAÇÃO (amamentação): Não existem dados sobre se o ADCETRIS ou seus metabolitos são excretados no leite materno, pelo que não é possível excluir um risco para o recém-nascido/lactente. Com o risco potencial, deve-se decidir se interromper a amamentação ou suspender/abster-se da terapêutica com o ADCETRIS.

FERTILIDADE: Em estudos não clínicos, o tratamento com o ADCETRIS resultou em toxicidade testicular e pode alterar a fertilidade masculina. Aconselhar os homens tratados com ADCETRIS a não serem pais durante o tratamento e até 6 meses após a última dose.

Efeitos sobre a capacidade para conduzir e utilizar máquinas: O ADCETRIS pode ter uma influência menor na capacidade de manipular e utilizar máquinas.

EFEITOS INDESEJÁVEIS

As reações adversas mais frequentes (?10%) foram infecções, neuropatia sensorial periférica, náuseas, fadiga, diarreia, pirexia, infeção do trato respiratório superior, neutropenia, erupção cutânea, tosse, vômitos, artralgia, neuropatia motora periférica, reações associadas à perfusão, prurido, obstipação, dispneia, diminuição do peso, mialgia e dor abdominal.

As reações adversas graves ao medicamento foram: pneumonia, síndrome do desconforto respiratório agudo, cefaleia, neutropenia, trombocitopenia, constipação, diarreia, vômitos, náusea, febre, neuropatia periférica motora, neuropatia periférica sensorial, hiperglicemia, polineuropatia desmielinizante, síndrome de lise tumoral e síndrome de Stevens-Johnson. As reações adversas graves ao medicamento ocorreram em 12% dos pacientes. A frequência de reações adversas graves ao medicamento foi de ?1%.

Declarações prospectivas

Algumas das declarações feitas neste comunicado à imprensa são prospectivas, como aquelas, entre outras, relacionadas com o potencial do ADCETRIS mais CHP para mudar o paradigma de tratamento para pacientes com LPCT e o potencial da Takeda para buscar a aprovação regulatória do ADCETRIS mais CHP para o LPCT em territórios fora dos EUA. Os resultados ou desenvolvimentos reais podem diferir materialmente daqueles projetados ou implícitos nestas declarações prospectivas ou devido a fatores como a utilização e adoção do regime de tratamento aprovado pela prescrição de médicos, a disponibilidade e extensão do reembolso, o risco de eventos adversos e medidas regulatórias adversas. . Para mais informações sobre os riscos e incertezas enfrentados pela Seattle Genetics, consulte o título "Fatores de Risco" presente no Relatório Trimestral da empresa no Formulário 10-Q para o trimestre encerrado em 30 de setembro de 2018 registrado na Securities and Exchange Commission dos EUA. A Seattle Genetics nega qualquer intenção ou obrigação de atualizar ou revisar qualquer declaração prospetiva em consequência de novas informações, acontecimentos futuros ou outros motivos, exceto conforme exigido por lei.

O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada. As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que tem efeito legal.

Ver a versão original em businesswire.com: https://www.businesswire.com/news/home/20181207005095/pt/

Seattle Genetics Imprensa: Monique Greer (425) 527-4641 mgreer@seagen.com

Investidores: Peggy Pinkston (425) 527-4160 ppinkston@seagen.com

Takeda Pharmaceutical Company Limited Imprensa: Japão Kazumi Kobayashi +81 (0) 3-3278-2095 kazumi.kobayashi@takeda.com

Outros países Sara Noonan +1 (617) 551-3683 sara.noonan@takeda.com

© 2018 Business Wire, Inc. Aviso: Este documento não é de autoria da AFP e a AFP não pode se responsabilizar por seu conteúdo. Para esclarecer qualquer dúvida sobre o conteúdo, por favor, contate as pessoas/empresas indicadas neste comunicado de imprensa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade