Publicidade

Estado de Minas

Cinco mil centro-americanos deixam capital mexicana em direção aos EUA


postado em 10/11/2018 14:37

Cerca de 5 mil centro-americanos saíram da Cidade do México em sua caravana migrante na manhã deste sábado (10), retomando seu longo trajeto em direção aos Estados Unidos, apesar do cansaço e de doenças que muito carregam.

A caravana partiu em 13 de outubro da hondurenha San Pedro Sula e já percorreu mais de 1.500 km. Dias mais tarde, uniram-se a ela pelo menos outras duas caravanas, desafiando as ameaças do presidente americano, Donald Trump, que as classifica como "invasão" e ordenou a mobilização de milhares de soldados para reforçar sua fronteira com o México e impedir sua passagem.

Entre espirros e tosse, os migrantes levantaram o acampamento, no qual pernoitaram por seis noites em um parque esportivo na zona leste da capital.

"Pegamos frio por dormir a céu aberto e, por isso, agora estamos doentes. As crianças pegaram piolho. Nem sempre temos água para tomar banho", disse à AFP Adamari Correa, guatemalteca que viaja com sua irmã e seus sobrinhos.

Com crianças tomando mamadeira nos braços, ou no carrinho, e outros pequenos andando de pijamas, os centro-americanos exaustos se organizaram em uma fila interminável para entrar em grupos no metrô da capital - que abriu as portas uma hora antes para poder transportar os migrantes para o estado vizinho no México, onde seguirão a pé o caminho até Querétaro (norte).

"Não quero andar, mamãe!", queixava-se uma menina, enrolada em um cobertor. Sua mãe esperava na fila com um colchão nas costas e dois sacos grandes em cada mão.

Alguns carregavam um lanche que consistia de um pão, uma futa e um suco.

Para chegar aos vagões certos, os migrantes precisaram atravessar diversos degraus, catracas e corredores.

Ao todo, cinco trens com cerca de mil migrantes a bordo de cada foram usados, sob vigilância de em torno de mil policiais, segundo cálculo das autoridades responsáveis pelo metrô.

Na sexta-feira, um grupo avançado de cerca de 1.300 migrantes tomou o mesmo rumo, usando também o metrô.

"A pessoa já fica com essa cara por causa do cansaço de tanto caminhar, comer mal e dormir mal. Estamos doentes por causa das mudanças de temperatura, mas determinados a atingir a fronteira (com os Estados Unidos) e além", disse Wilson Alexander Mejía, um trabalhador hondurenho de 27 anos que viaja sozinho.

Rapidamente, o grupo de migrantes tomou as laterais do periférico - uma estrada larga de alta velocidade que atravessa cidade e leva à estrada de saída para Querétaro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade