Publicidade

Estado de Minas

EUA sanciona cidadãos e empresas da Rússia por crise da Ucrânia


postado em 08/11/2018 19:17

Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, sanções contra três indivíduos e nove entidades russas, em uma nova série de medidas contra Moscou pela anexação da Crimeia e pelo conflito no leste da Ucrânia.

O Departamento do Tesouro "continua comprometido em sancionar as entidades apoiadas pela Rússia que buscam se beneficiar da anexação ilegal e da ocupação russa da Ucrânia", disse a subsecretária do Tesouro sobre terrorismo e inteligência financeira, Sigal Mandelker.

"As nossas sanções são uma clara lembrança de que os esforços para normalizar investimentos e relações econômicas com quem opera na Crimeia não serão tolerados", acrescentou.

As medidas congelarão os ativos nos Estados Unidos e proibirão fazer negócios com os sancionados, incluindo um ex-comandante da artilharia russa, Vladimir Zaritski, que empreende um projeto de hotel na Crimeia.

Os Estados Unidos também sancionaram a empresa de Zaritsky por comprar três hotéis na Crimeia que haviam pertencido ao Estado ucraniano e foram confiscados após a anexação.

As sanções também afetarão um agente dos serviços de Inteligência russos (FSB), Andrei Souchko, e Alexandre Bassov, um vice-ministro de Segurança da República autoproclamada de Lugansk, assinalados por violações dos direitos humanos no contexto da intervenção russa na Ucrânia.

Moscou anexou a Crimeia em 2014, a península no Mar Negro cuja população é, em sua maioria, etnicamente russa, mas que pertencia à Ucrânia, em meio a uma luta para impedir que Kiev caísse na esfera de influência do Ocidente.

As potências ocidentais foram impedidas de evitar a anexação, mas afirmam que nunca a reconhecerão.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade