Publicidade

Estado de Minas

Líder norte-coreano se reúne com presidente cubano


postado em 05/11/2018 09:05

O líder norte-coreano Kim Jong Un reuniu-se em Pyongyang com o presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, com quem falou sobre "questões fundamentais de interesse comum" em relação à atual situação internacional, informou a imprensa estatal nesta segunda-feira.

Díaz-Canel visita a Coreia do Norte como parte de uma turnê internacional, que ocorre em um momento em que as negociações entre o regime norte-coreano e os Estados Unidos estão paralisadas e apenas alguns dias depois de Washington impor novas restrições comerciais a Cuba.

Os Estados Unidos e Havana restauraram relações em 2015, após mais de meio século, mas se deterioraram desde que Donald Trump assumiu a presidência.

"Houve uma profunda troca de opiniões sobre questões fundamentais de interesse comum [...] da situação internacional e o consenso foi alcançado sobre todas as questões", disse a agência oficial norte-coreana KCNA.

Díaz-Canel foi recebido por Kim e sua esposa, Ri Sol Ju, no domingo no Aeroporto Internacional de Pyongyang, também de acordo com a KCNA, e depois compareceu a um banquete e a um concerto de boas vindas.

Ao brindar no banquete, Kim disse que seu encontro com o líder cubano representou "um momento crucial que demonstra a vontade de continuar com a amizade entre os dois países".

Em resposta, Díaz-Canel afirmou que estava disposto a "enfrentar todos os desafios impostos pelas forças hostis", mantendo sua "amizade tradicional e relações cooperativas", segundo a KCNA.

Díaz-Canel assumiu a presidência de Cuba em abril, após uma transição histórica no poder na ilha para suceder Raúl Castro.

O regime comunista cubano é um aliado próximo da Coreia do Norte, que declarou três dias de luto oficial após a morte de Fidel Castro em novembro de 2016. Ele havia visitado a Coreia do Norte em 1986 para se reunir em Pyongyang com o fundador do regime norte-coreano, Kim Il Sung.

Cuba desobedeceu as sanções internacionais impostas no passado à Coreia do Norte por seus programas de armas nucleares.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade