Publicidade

Estado de Minas

Polícia britânica investiga suposto antissemitismo no Partido Trabalhista


postado em 02/11/2018 10:46

A polícia britânica anunciou nesta sexta-feira que investiga supostos "delitos de ódio antissemita" no Partido Trabalhista, o principal da oposição no Reino Unido, depois que recebeu documentação interna.

Em um comunicado, a Scotland Yard afirma que a chefe de polícia de Londres, Cressida Dick, recebeu em 4 de setembro um "dossiê que contém documentos" que vazou para a emissora LBC Radio.

"Agentes especializados examinaram o conteúdo e uma investigação penal foi aberta sobre alguns comentários que aparecem nestes documentos", explicou a Scotland Yard.

O dossiê sobre o Partido Trabalhista reúne 45 possíveis casos, incluindo mensagens de ódio publicadas nas redes sociais por membros do partido.

"Examinamos a informação que me foi transmitida em um estúdio da rádio há dois meses. Investigamos agora sobre alguns destes casos concretos, já que infrações podem ter sido cometidas", declarou Cressida Dick nesta sexta-feira à Radio 4 da BBC.

A chefe da polícia londrina destacou que o Partido Trabalhista será investigado. "Gostaríamos que as instituições e os partidos regulamentassem a si mesmos", disse.

O partido se declarou disposto a colaborar com os investigadores.

"O Partido Trabalhista tem um sistema sólido para investigar as denúncias de violações do regulamento do partido", afirmou um porta-voz da formação.

"O partido está disposto a colaborar com os agentes e qualquer pessoa que se considere vítima de uma infração deve informar a polícia", completou.

O Partido Trabalhista teve que lidar com acusações de antissemitismo, que mancharam a reputação de seu líder Jeremy Corbyn e levaram alguns de seus membros a abandonar a formação.

O vice-presidente do partido, Tom Watson, chamou a nova investigação de "muito deprimente". "Infelizmente, não me surpreende", declarou.

Após sua eleição como líder do Parido Trabalhista em setembro de 2015, Corbyn, defensor da causa palestina, foi tachado de antissemita.

A direção do partido suspendeu vários integrantes, que depois foram obrigados a deixar a formação, por declarações antissemitas.

Corbyn, no entanto representante da ala mais à esquerda do partido, continua sendo acusado de não atuar de maneira dura o suficiente ante os comentários antissemitas.

Uma decisão da direção nacional do trabalhismo ressuscitou a polêmica há alguns meses, com a aprovação de um código de conduta que adotava apenas de forma parcial a definição de "antissemitismo" elaborada pela Aliança Internacional para o Holocausto (IHRA).

Por exemplo, o código não considerava antissemitismo o fato de "acusar os judeus de serem mais fiéis a Israel que a seu próprio país" ou "comparar as atuais políticas de Israel com as dos nazistas".

Após as críticas, o partido finalmente adotou a definição completa.

Corbyn reconheceu em agosto que o partido tinha "um problema real" de antissemitismo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade