Publicidade

Estado de Minas

Democratas são favoritos para liderar a Câmara e republicanos, o Senado


postado em 01/11/2018 20:00

Na reta final da campanha das eleições de meio mandato nos Estados Unidos, o resultado ainda é incerto, mas a maioria das pesquisas projetam que os democratas assumirão o controle da Câmara de Representantes e os republicanos, do Senado.

O presidente Donald Trump subiu o tom do discurso e entrou com força na campanha para manter a maioria republicana nas duas câmaras do Congresso.

Os 435 assentos da Câmara de Representantes serão disputados na terça-feira. Como somente um terço das cadeiras do Senado é renovado a cada dois anos, 35 assentos dos 100 do Senado estão em jogo. Os americanos votarão também para governador em 36 estados.

Atualmente, os republicanos controlam com uma escassa margem de 51-49 o Senado, mas os democratas enfrentam uma equação extremamente difícil: devem ganhar 26 dos 35 assentos, incluindo vários nos estados que votaram no republicano Trump em 2016.

Os democratas precisam ganhar 23 cadeiras para assumir o controle da Câmara, perdido em 2010, e a líder da minoria, Nancy Pelosi, previu nesta semana que isso será feito.

"Os democratas liderarão a Câmara", disse Pelosi no programa The Late Show with Stephen Colbert, onde também prognosticou uma vitória no Senado.

A plataforma de prognóstico político FiveThirtyEight.com dá aos democratas uma possibilidade de 6 em 7, ou de 85%, de obter o controle da Câmara, mas somente de 1 em 7, ou 15%, de ganhar o Senado.

À medida em que o dia da eleição se aproxima, Trump tem tentado animar os republicanos a comparecer às urnas, reavivando o entusiasmo de sua candidatura presidencial de 2016.

"Não estou na cédula, mas estou na cédula porque isso também é um referendo sobre mim", disse em um encontro no mês passado no Mississippi. "Ajam como seu eu estivesse na cédula", pediu.

- Retórica anti-imigração -

Trump agendou 10 encontros de campanha para os próximos cinco dias em oito estados: Flórida, Geórgia, Indiana, Missouri, Montana, Ohio, Tennessee e Virgínia Ocidental.

O presidente endureceu seu discurso sobre imigração, emitindo advertências sobre as caravanas de migrantes centro-americanos que se dirigem à fronteira sul dos Estados Unidos.

Trump assegurou que as caravanas incluíam "malfeitores e membros de gangues" e ordenou o deslocamento de 5.000 soldados de serviço ativo à fronteira, dizendo que considera enviar até 15.000 homens.

O presidente americano também publicou um anúncio político em sua conta do Twitter nesta quarta-feira que mostra um homem mexicano que declara orgulhoso ter matado oficiais de polícia. "Os democratas o deixaram entrar no país", escreveu.

Os democratas acusaram o presidente de buscar avivar seus partidários com declarações racistas contra a imigração.

"Isso é criar pânico", disse Tom Perez, presidente do Comitê Nacional Democrata, à CNN. "Isso é parte da estratégia de Donald Trump durante muito tempo".

Segundo analistas políticos, o controle do Senado se definirá com os resultados em Arizona, Flórida, Indiana, Missouri, Montana, Nevada, Nova Jersey, Dakota do Norte, Tennessee, Texas e Virgínia Ocidental.

- Uma corrida apertada no Senado -

No Arizona, duas mulheres - a representante democrata Kyrsten Sinema e a representante republicana Martha McSally, uma ex-piloto de combate da Força Aérea - lutam para substituir o senador Jeff Flake, crítico de Trump que não se candidata à reeleição. O site FiveThirtyEight atualmente dá a Sinema uma pequena vantagem.

Na Flórida, o atual senador democrata Bill Nelson está envolvido em uma dura batalha pela reeleição com o governador republicano Rick Scott. O FiveThirtyEight dá a Nelson uma pequena vantagem.

No Missouri, o FiveThirtyEight dá à atual senadora democrata Claire McCaskill uma possibilidade de 3 em 5 de resistir a um duro desafio do procurador do estado, Josh Hawley.

A senadora democrata Heidi Heitkamp, de Dakota do Norte, se encontra à frente nas pesquisas, e o atual senador republicano Dean Heller de Nevada está empatado com o candidato democrata Jacky Rosen.

No republicano Texas, o senador Ted Cruz enfrenta a dura disputa com a estrela democrata em ascensão Beto O'Rourke, mas a maioria das pesquisas dá vantagem ao republicano.

Duas corridas para governador chamaram a atenção de forma generalizada.

Na Georgia, a democrata Stacey Abrams, ex-líder da minoria na Câmara de Representantes do estado, está tentando se tornar a primeira mulher negra governadora de um estado dos EUA.

Na Flórida, o prefeito afro-americano de Tallahassee, Andrew Gillum, está praticamente empatado com o republicano Ron DeSantis, ligado a Trump.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade