Publicidade

Estado de Minas

EUA anunciam sanções contra o setor do ouro na Venezuela


postado em 01/11/2018 15:37

A Casa Branca anunciou nesta quinta-feira novas sanções contra a Venezuela, país acusado de formar, com Cuba e Nicarágua, uma "troika da tirania".

"Estou muito orgulhoso de compartilhar que o presidente Trump assinou um decreto executivo para impor novas sanções contra a Venezuela", declarou o conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton.

A Casa Branca publicou o decreto que aponta para o setor do ouro.

Em seu discurso, Bolton denunciou Cuba, Venezuela e Nicarágua como "a troika da tirania" e disse que o presidente dos Estados Unidos adotará "ações diretas contra estes três regimes".

De acordo com as sanções já existentes, nem a Venezuela nem a petroleira estatal PDVSA podem liquidar a dívida nos Estados Unidos, o que na prática fecha o mercado para o país.

"Sob a liderança do presidente Trump, os Estados Unidos tomarão ações diretas contra esses três regimes para defender o estado de direito, a liberdade e a mínima decência humana em nossa região", disse declarou, segundo os trechos de um discurso Miami.

Entre as medidas tomadas, o departamento de Estado acrescentou uma série de empresas ligadas a militares ou a serviços de inteligência cubanos na ilha à lista de empresas com restrições nos Estados Unidos.

"O Departamento de Estado acrescentou várias entidades, pertencentes ou controladas pelos militares cubanos ou pelos serviços de inteligência, à lista de entidades cujas transações financeiras são proibidas para pessoas nos Estados Unidos", segundo Bolton.

Ele informou que a medida inclui ações concretas para impedir que os dólares americanos cheguem ao militares cubanos e ao setor de segurança e inteligência.

Bolton disse ainda que os Estados Unidos esperam "para ver como cada vértice do triângulo vai cair: Em Havana, Caracas e Manágua".

O conselheiro ressaltou que, quando esse dia chegar, as pessoas da região "podem ter certeza de que a América estará com elas contra as forças da opressão, totalitarismo e dominação".

Também nesta quinta-feira, a Assembleia Geral da ONU rejeitou uma tentativa dos Estados Unidos de criticar o histórico dos direitos humanos em Cuba.

"Neste governo, não haverá mais canais secretos entre Cuba e os Estados Unidos. Nossa política é transparente para que o povo americano e o mundo vejam", acrescentou Bolton.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade