Publicidade

Estado de Minas

Brexit: Reino Unido enfrenta confusão sobre futuro de cidadãos europeus


postado em 30/10/2018 17:05

As empresas terão que verificar se os cidadãos da União Europeia (UE) que querem contratar têm direito a trabalhar no Reino Unido após o Brexit, afirmou nesta terça-feira (30) a secretaria britânica para a Imigração, sem detalhar como se daria o processo.

Caroline Nokes, indagada pela comissão parlamentar de Interior, reconheceu que a questão era um "quebra-cabeças", sem tranquilizar sobre o destino reservado para cerca de 3,5 milhões de cidadãos europeus após a saída da UE, prevista para março de 2019.

Segundo o projeto do governo britânico, os cidadãos europeus que residem há mais de cinco anos no Reino Unido terão dois anos para pedir o status de residentes permanentes, enquanto os demais deverão esperar completar cinco anos no país para isso.

"Durante a transição será praticamente impossível diferenciar alguém que morou aqui e ainda não pediu o status de residente permanente de alguém que acabou de chegar", reconhecer Nokes.

Questionada sobre como as empresas realizariam esses controles, a ministra disse que responderia mais tarde por escrito à comissão parlamentar.

"Ou você vai ter um sistema impraticável, porque as empresas não poderão aplicá-lo, ou você deverá aceitar que as pessoas que chegarem depois de março de 2019 sejam submetidas às mesmas regras válidas para os que já estão aqui", indignou-se a deputada trabalhista Yvette Cooper.

A ONG de defesa dos imigrantes JCWI descreveu "um novo exemplo de que o governo não tem nem a intenção, nem os recursos para aplicar um sistema de imigração justo e humano após o Brexit".

Embora UE e Reino Unido tenham chegado a um acordo na maioria dos pontos, as negociações sobre o Brexit estão estagnadas - o que sugere uma saída sem acordo final.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade