Publicidade

Estado de Minas

Rússia convocará embaixador holandês após acusações de ciberataque

Autoridades holandesas acusaram agentes russos de tentar hackear sistema de informática da OPAQ com veículo cheio de equipamentos de vigilância eletrônica


postado em 08/10/2018 06:48 / atualizado em 08/10/2018 12:21

Chefe do Serviço de Inteligência Militar da Holanda, Onno Eichelsheim, em entrevista coletiva para explicar a expulsão de quatro espiões russos em abril(foto: Bart Maat / ANP / AFP)
Chefe do Serviço de Inteligência Militar da Holanda, Onno Eichelsheim, em entrevista coletiva para explicar a expulsão de quatro espiões russos em abril (foto: Bart Maat / ANP / AFP)

A Rússia convocará nesta segunda-feira o embaixador holandês em Moscou, após o anúncio na semana passada sobre a expulsão em abril de quatro supostos espiões russos da Holanda, acusados de planejar um ciberataque contra a sede da OPAQ, informaram as agências russas.


"A respeito da campanha de desinformação organizada em Haia, o embaixador holandês será convocado no ministério das Relações Exteriores na segunda-feira", afirmou o ministério às agências russas.


Várias potências ocidentais acusaram na quinta-feira a Rússia de orquestrar ciberataques mundiais, incluindo um contra a sede da Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ) em Haia, Holanda, país que expulsou quatro espiões russos.


As autoridades holandesas explicaram que os supostos agentes russos posicionaram um veículo repleto de equipamentos de vigilância eletrônica no estacionamento de um hotel próxima à sede da OPAQ para hackear o sistema de informática.


A tentativa de ataque aconteceu em abril, quando a organização analisava um suposto uso de armas químicas na Síria, que os países ocidentais atribuíram a Moscou, e o envenenamento com uma substância neurotóxica do ex-espião russo Serguei Skripal na Inglaterra, do qual Londres também acusou a Rússia.


O governo russo denunciou um "ato de propaganda" e ironizou o que chamou de "espionite aguda dos ocidentais".


Holanda, Reino Unido, Canadá, Austrália, Estados Unidos e França acusam o Kremlin de ter orquestrado uma série de ciberataques mundiais.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade