Publicidade

Estado de Minas

Referendo contra casamento gay na Romênia fracassa por alta abstenção


postado em 07/10/2018 19:06

Os romenos rejeitaram, neste domingo, inscrever na Constituição a proibição do casamento gay, com uma alta abstenção no referendo apoiado pelo governo de esquerda.

Apenas 20,41% dos eleitores votaram durante a consulta, que começou no sábado, segundo o escritório eleitoral central. Para que o referendo fosse válido era necessário atingir 30% de participação.

Os resultados serão anunciados na segunda-feira, mas os partidários deste polêmico plebiscito já reconheceram sua derrota.

"É um fracasso para os romenos e a Romênia", declarou o secretário-geral dos social-democratas (PSD), Codrin Stefanescu, que denunciou o "boicote de um processo cívico".

O referendo foi iniciativa de ONGs próximas à poderosa Igreja ortodoxa e reunidas em uma "Coalizão para a família", que afirmaram que reuniram três milhões de assinaturas contra o casamento gay. O voto atraiu 3,7 milhões de eleitores, entre 19 milhões de inscritos.

"Não conseguimos nosso objetivo, vamos conseguir na próxima vez", afirmou o presidente desta coalizão, Mihai Gheorghiu.

Além da comunidade LGTB, várias organizações da sociedade civil foram chamadas a boicotar este referendo.

A associação Accept, que defende os direitos das minorias sexuais, comemorou um resultado que "mostra o compromisso do eleitorado com o rumo europeu da Romênia e com os valores democráticos".

Os romenos foram convocados a inscrever na lei fundamental que apenas "um homem e uma mulher" podem se unir, e não "esposos", como estipula atualmente a Carta Magna.

Os eleitores romenos preferiram não comparecer às urnas, denunciando um "desperdício de dinheiro" e uma campanha repugnante contra os homossexuais.

"Deveríamos dar a todo mundo a opção de se casar ou não, sem levar em conta a orientação sexual", disse à AFP Ileana Popescu, aposentada, após assistir a uma missa dominical em Bucareste.

- "Oportunismo" -

Do ponto de vista legal, o referendo não vai mudar nada, já que a legislação romena não autoriza nem o casamento, nem a união civil de pessoas do mesmo gênero.

Mas uma proibição explícita tornaria mais difícil qualquer mudança futura em favor dos casais homossexuais.

Contra a corrente das esquerdas europeias, os líderes do Partido Social-Democrata romeno tomaram o partido dos defensores da "família tradicional", mais por convicção, segundo seus adversários, que por "oportunismo".

Mas segundo o sociólogo Gelu Duminica, o envolvimento do PSD nesta campanha teve o efeito inverso, e afastou os eleitores das urnas.

Além disso, "a agressividade que marcou a campanha pelo 'sim', a tentativa de instigar o ódio contra uma minoria, fez com que o romenos se mostrassem relutantes em votar", disse à AFP.

Os social-democratas contavam com esta consulta para mobilizar a Romênia rural e conservadora, base de seu eleitorado.

O partido, que retornou ao poder no fim de 2016, está passando por um momento delicado por causa das acusações de querer enfraquecer a luta contra a corrupção e controlar a Justiça.

Os membros eleitos do PSD apareciam regularmente com prelados ortodoxos para convocar os romenos a irem às urnas para esta consulta. A campanha teve uma exaltação de valores conservadores e de discursos homofóbicos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade