Publicidade

Estado de Minas

Bolsonaro tenta roubar a cena do último debate antes das eleições


postado em 05/10/2018 00:00

Jair Bolsonaro, que lidera as pesquisas para o primeiro turno das eleições presidenciais do próximo domingo, obteve nesta quinta-feira um protagonismo inédito com uma entrevista exclusiva à TV Record, no momento em que seus adversários participavam do debate na TV Globo.

Em um insólito final de campanha, Bolsonaro, que havia anunciado uma transmissão ao vivo no Facebook, acabou sendo entrevistado pela Record, onde atirou pesado contra o ex-presidente e atual detento Luiz Inácio Lula da Silva e seu afilhado político Fernando Haddad.

"Não podemos admitir essa ideologia no Brasil. Será o fim da nossa pátria se o PT conseguir chegar ao poder", advertiu Bolsonaro.

"Não podemos deixar que um partido que mergulhou o país na mais profunda crise ética, moral e econômica volte ao poder com as mesmas personalidades. E você pode ver, tudo é conduzido de dentro da cadeia pelo senhor Lula, que indica aí um fantoche seu chamado Haddad que por incompetência sequer conseguiu passar para o segundo turno na sua eleição (reeleição para prefeito) em São Paulo".

"A corrupção está colada no PT, o PT não deu certo, é um partido que traiu os tralhadores e que tem um projeto de poder".

Já Haddad aproveitou a ausência de Bolsonaro no debate na Globo - por alegadas questões de saúde - para criticar as medidas de austeridade iniciadas pelo governo de Michel Temer que, segundo o candidato do PT, o capitão pretende aprofundar.

"Cortar direitos dos trabalhadores para (ajustar) as contas públicas, isto não se faz. O PT jamais o fará. O que está ocorrendo no Brasil é um absurdo".

Bolsonaro, que apresentou atestado médico para não comparecer ao debate da TV Globo após ser ferido com uma facada em um comício em 6 de setembro, apostou nas redes sociais e na entrevista à Record para confrontar o debate organizado pela Globo e roubar a cena da mídia em um dia-chave.

A entrevista de Bolsonaro à Record lhe deu exposição exclusiva, enquanto os outros candidatos dividiram as atenções dos espectadores, apesar das frequentes críticas ao capitão.

Bolsonaro não participa de nenhum comício eleitoral desde que foi ferido e já antes havia manifestado sua reticência a participar dos debates.

- Boicote ao debate -

O capitão, de 63 anos, lidera as pesquisas de intenção de voto para o primeiro turno, com dez pontos de vantagem sobre Haddad, 55.

Se estas projeções se confirmarem, os dois dirigentes definirão o pleito em segundo turno, celebrado em 28 de outubro.

Seria um confronto entre dois modelos para um país mergulhado em crise econômica, política e de segurança.

O PT, envolvido em vários escândalos de corrupção em seus treze anos no poder (2003-2016), promete voltar atrás nas medidas de austeridade aprovadas durante o governo do presidente em fim de mandato Michel Temer e defende a proteção de ativos nacionais, como as empresas públicas.

Bolsonaro, assessorado pelo economista Paulo Guedes, apregoa ao contrário reformar o custoso regime previdenciário e impulsiona as privatizações para reduzir o enorme déficit fiscal e conter o aumento da dívida pública.

Haddad busca mobilizar os seguidores do PT no interior do país, especialmente àqueles que se beneficiaram das políticas sociais durante os governos de Lula e Dilma Rousseff desde 2003.

Bolsonaro, cuja mensagem antissistema e de enaltecimento da ditadura militar (1964-1985) conquistou mais de um terço do eleitorado, aposta por sua vez na capilaridade que as redes sociais lhe dá entre seus seguidores.

Ao não participar do debate, Bolsonaro evitou contrapor suas ideias com as de outros candidatos com menor percentual de votos, nem enfrentou seu principal adversário.

Seus seguidores entendem que esta é a forma correta de entrar na reta final desta dura campanha eleitoral, a ponto de usarem Whatsapp e Twitter para convocar o boicote ao debate organizado pela Globo.

Nas ruas do País percebem-se os últimos estertores de uma campanha dominada pela incerteza, em primeiro lugar sobre a participação do ex-presidente Lula, que acabou impedido de se candidatar e seguirá preso cumprindo pena de 12 anos e um mês por corrupção e lavagem de dinheiro.

E também no que diz respeito ao resultado de domingo e a um eventual segundo turno, com um Bolsonaro que deverá, então, se mostrar ao público se quiser reduzir sua rejeição, de 46%, o mais alto entre os treze candidatos que participam das eleições.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade