Publicidade

Estado de Minas

EUA acusam sete agentes russos por ciberataques em nível global


postado em 04/10/2018 12:42

O departamento de Justiça americano anunciou nesta quinta-feira o indiciamento de sete agentes do serviço de inteligência militar russo (GRU) por uma campanha de ciberataques contra instâncias esportivas, uma agência internacional e uma empresa americana especializada em energia nuclear.

Os indiciamentos estão ligados à expulsão pela Holanda de quatro agentes russos acusados de tentar hackear a sede da Organização de Proibição das Armas Químicas (OPAQ) em Haia, informou uma autoridade da secretaria de Justiça.

John Demers, procurador-geral adjunto para a Segurança Nacional dos Estados Unidos, confirmou que entre os alvos conhecidos dos ataques estão a FIFA e a Agência Mundial Antidoping (WADA), bem como a empresa de energia nuclear Westinghouse.

"Países como a Rússia e outros que se envolvem em atividades cibernéticas maliciosas que rompem as regras devem compreender a determinação constante e firme dos Estados Unidos e seus aliados para impedir, interromper e deter tal comportamento irresponsável", afirmou Demers em uma coletiva de imprensa.

"Os acusados neste caso devem saber que a justiça é muito paciente, seu alcance é longo e sua memória é ainda maior", disse ele.

Além de hackear, as acusações incluem lavagem de dinheiro, uso de moedas virtuais como bitcoin, fraude eletrônica e roubo de identidade.

Demers afirmou que as operações "envolveram acesso sofisticado, persistente e não autorizado a redes de computadores com o objetivo de roubar informações privadas ou confidenciais".

Três dos sete russos indiciados neste caso fazem parte do grupo de 12 oficiais do GRU acusados em julho pelo procurador especial Robert Mueller de interferência nas eleições presidenciais de 2016 nos Estados Unidos.

As duas investigações são diferentes, mas se sobrepõem, disse Demers.

O Canadá confirmou nesta quinta-feira que acredita ter sido alvo de ataques cibernéticos russos, citando violações em seu centro de ética e esportes e na sede da WADA em Montreal.

"O governo do Canadá afirma com grande confiança que a inteligência do exército russo, o GRU, foi responsável" por esses ataques cibernéticos, declarou o ministro das Relações Exteriores em um comunicado.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade