Publicidade

Estado de Minas

Guia supremo iraniano promete nunca entregar país ao inimigo


postado em 04/10/2018 10:54

O guia supremo do Irã, Ali Khamenei, declarou nesta quinta-feira que nunca entregará o Irã ao inimigo agora que as relações entre a República Islâmica e os Estados Unidos estão no seu ponto mais baixo.

"Espalhar a ideia, como quer o inimigo, de que não há outra solução que não a rendição, é a pior das traições com a nação iraniana, e isso não vai acontecer", disse Khamenei em um discurso em Teerã transmitido pela televisão estatal.

"Com a ajuda de Deus, enquanto eu viver e for capaz, e com sua ajuda, nunca vou autorizar que isso aconteça", acrescentou o líder iraniano a milhares de militantes islâmicos (Basij) reunidos no estádio Azadi.

O termo "inimigo" para o Irã geralmente engloba os inimigos do país e do Islã, em primeiro lugar os Estados Unidos, chamado de "Grande Satã" pelas autoridades iranianas.

Referindo-se às sanções econômicas restabelecidas pelos Estados Unidos contra o Irã em agosto, após a saída unilateral de Washington do acordo internacional sobre a questão nuclear iraniana, Khamenei disse que estas medidas não vão acabar com o país, como esperado pelo governo americano.

"Nossa economia nacional pode superar as sanções e com a ajuda de Deus faremos com que fracassem, e esta derrota vai significar a derrota dos Estados Unidos", ressaltou.

Na quarta-feira, a Corte Internacional de Justiça (CIJ) ordenou os Estados Unidos suspender algumas das sanções contra o Irã, como as que afetam as importações "com fins humanitários".

A decisão do tribunal foi recebida como uma "vitória" para o Irã, mas os Estados Unidos disseram que não têm a menor intenção de cumprir com a decisão dos juízes de Haia ao anunciar o fim do "tratado de amizade" de 1955 com base no qual o Irã apresentou a queixa ao CIJ.

O chanceler iraniano, Mohammad Javad Zarif, reagiu a essa medida unilateral chamando o governo dos EUA de "um regime fora da lei". O Irã e os Estados Unidos romperam relações diplomáticas em 1980.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade