Publicidade

Estado de Minas

Norsk Hydro fecha temporariamente fábrica de alumina no Brasil


postado em 03/10/2018 10:18

Norsk Hydro vai suspender temporariamente sua produção em Alunorte, a maior fábrica de alumina do mundo localizada no norte do Brasil, por não ter obtido a autorização para colocar em funcionamento um novo depósito de resíduos, anunciou o grupo norueguês nesta quarta-feira.

Após o anúncio, as ações da Norsk Hydro caíram mais de 10% na bolsa de valores de Oslo.

O óxido de alumínio, também chamado de alumina, é extraído da bauxita e é o principal componente do alumínio.

Desde março, a Alunorte produzia apenas 50% de sua capacidade a pedido das autoridades brasileiras, que acusam o grupo de ter poluído a água na cidade de Barcarena (Pará), o que a empresa nega.

Embora no início de setembro a Norsk Hydro tenha chegado a um acordo com o Brasil, as autoridades não permitiram que a empresa retomasse a produção em 100% nem a abertura de um novo depósito de resíduos.

De acordo com a empresa, o depósito atual "está se aproximando do fim de sua vida útil, mais cedo do que o esperado, o que força a Alunorte a tomar a decisão de parar temporariamente 100% de suas operações", declarou o grupo em comunicado.

O fechamento deve ter como consequência o aumento do preço do alumínio e impactar negativamente os resultados da empresa, que já foram afetados por seus problemas no Brasil.

Com capacidade de mais de 6 milhões de toneladas por ano, a Alunorte - controlada em 92,1% pela Norsk Hydro - representa cerca de 10% da produção mundial, além da China.

O grupo também anunciou o fechamento temporário da mina de Paragominas, que fornece bauxita para a fábrica.

"Embora seja cedo demais para determinar o impacto total, a decisão de fechar a Alunorte e Paragominas terá consequências operacionais e financeiras significativas", alerta o grupo norueguês.

A Norsk Hydro diz que ainda está trabalhando com as autoridades para suspender as restrições às atividades desses locais.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade