Publicidade

Estado de Minas

Milhares de chilenos pedem fim da impunidade 45 anos após golpe militar


postado em 09/09/2018 14:48

Milhares de pessoas marcharam neste domingo (9) no Chile, 45 anos após o golpe militar liderado por Augusto Pinochet, exigindo o fim da impunidade após a libertação de ex-agentes da ditadura presos por violações de direitos humanos.

Fotografias em preto e branco com os rostos de assassinados e desaparecidos pela ditadura foram exibidas nesta marcha tradicional, que todos os anos se dirige ao cemitério geral de Santiago. O ato termina aos pés de um memorial com os nomes das vítimas da ditadura, que teve início em 11 de setembro de 1973 e durou 17 anos.

"Seguimos lutando por verdade e justiça", indicava uma das faixas junto às fotografias dos desaparecidos, carregadas pelos familiares das vítimas do regime. Bandeiras vermelhas do Partido Comunista e gritos contra Pinochet também acompanharam a marcha.

A manifestação começou na Alameda, a principal avenida da capital chilena, e pouco mais de duas horas depois chegou ao cemitério, onde ocorreram distúrbios menores que foram controlados pela Polícia chilena.

"Não à impunidade!" foi o grito que se repetiu entre a multidão, inflamada pelo acolhimento, em julho passado, por parte do Supremo Tribunal chileno, do pedido de liberdade provisória de sete ex-agentes da ditadura presos por crimes contra a humanidade. Entre eles, está um ex-coronel condenado pela morte de três cidadãos uruguaios.

A isto se soma o fato de o presidente Sebastián Piñera ter outorgado, em abril, um indulto ao ex-coronel René Cardemil, condenado a dez anos de prisão pelo assassinato de seis pessoas.

"A campanha de impunidade montada por Sebastián Piñera com alguns juízes do Supremo Tribunal ofende a memória de milhares de chilenas e chilenos assassinados", declarou a presidente da Agrupação de Familiares de Executados Políticos, Alicia Lira, durante a marcha.

Durante a ditadura de Pinochet, cerca de 3.200 pessoas morreram, ou desapareceram, enquanto 38.000 foram torturadas, de acordo com registros oficiais.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade