Publicidade

Estado de Minas

Trump exige que jornal revele identidade de funcionário 'traidor'

Presidente dos EUA ainda atacou o jornal The New York Times por publicar uma coluna "covarde" e exigiu esclarecimento sobre se o alto funcionário realmente existe


postado em 06/09/2018 01:00 / atualizado em 06/09/2018 08:16

(foto: AFP / NICHOLAS KAMM )
(foto: AFP / NICHOLAS KAMM )

Um furioso Donald Trump exigiu nesta quarta-feira que o jornal The New York Times revele o nome do alto funcionário que escreveu um artigo no qual afirma que vários membros da Casa Branca atuam para frear as "piores inclinações" do presidente.


Trump apontou o artigo como uma "traição", atacou o jornal por publicar uma coluna "covarde" e exigiu esclarecimento sobre se o alto funcionário realmente existe.


"TRAIÇÃO?!" - tuitou Trump ao responder ao artigo que revela que o próprio staff do presidente o vê como um risco para o país.


"Existe realmente este chamado 'alto funcionário do governo' ou é apenas o falido The New York Times com outra de suas fontes falsas?!" - questionou Trump.


"Se este covarde anônimo realmente existe, o Times deve, por razões de Segurança Nacional, entregar ele ou ela ao governo de imediato!".


"O presidente Trump enfrenta um teste em sua presidência como nunca antes foi enfrentado por um líder americano moderno", escreveu o funcionário no artigo intitulado "Sou parte da resistência dentro da administração Trump".


"O dilema - que ele não compreende do todo - é que muitos dos funcionários de alto escalão de sua própria administração estão trabalhando diligentemente de dentro para frustrar parte de sua agenda e suas piores inclinações", escreveu o hierarca. "Eu sei. Sou um deles".


O autor do artigo descreveu uma presidência de "duas vias": em uma, Trump diz uma coisa e, na outra, sua equipe faz uma diferente, no que, por exemplo, chamou de a "preferência por autocratas e ditadores" que Trump tem.


E os funcionários trabalham ativamente para se isolar do estilo de liderança "impetuoso, de confronto, insignificante e ineficaz" de Trump, afirmou o funcionário.


"A raiz do problema é a imoralidade do presidente", indicou. "É por isso que muitos indicados por Trump prometeram fazer o que puderem para preservar nossas instituições democráticas enquanto frustram os impulsos mais equivocados do senhor Trump até que seu mandato termine".


'Imoralidade', 'ficção' e Woodward


O artigo publicado nesta quarta-feira parece reforçar as afirmações feitas pelo jornalista Bob Woodward em seu novo livro, cujo conteúdo parcial foi divulgado na terça e no qual descreve uma equipe virtual de altos funcionários da Casa Branca e do gabinete para evitar que Trump tome decisões prejudiciais à economia e à segurança nacional dos Estados Unidos.


A Casa Branca disse que o livro de Woodward não tem "nada além de histórias inventadas", e Trump o chamou de "obra de ficção".


Mas o artigo do Times sugere que a dissidência e a resistência dentro da Casa Branca a Trump são ainda mais profundas do que as descritas por Woodward.


O autor do artigo enfatizou que, ele ou ela, continua comprometido com a agenda republicana e não se alinha com a oposição democrata.


"Acreditamos que nosso primeiro dever é com este país, e o presidente continua agindo de maneira prejudicial para a saúde da nossa república", escreveu o funcionário, acrescentando que "a raiz do problema é a imoralidade do presidente".


Também assegurou que, no início da administração, alguns companheiros calmamente discutiram em voz baixa a invocação da 25ª Emenda à Constituição dos Estados Unidos, que permite a destituição de um presidente considerado incapaz de exercer as suas funções.


"Mas ninguém queria precipitar uma crise constitucional. Assim, iremos fazer o que pudermos para guiar a administração na direção certa até que, de uma forma ou de outra, acabe".


A seção de opinião do jornal nova-iorquino reconheceu o passo extraordinário que deram ao publicar um artigo de opinião anônimo, e disse que o fez a pedido do autor, cuja identidade o jornal conhece.


"Acreditamos que publicar este ensaio anonimamente é a única maneira de oferecer uma perspectiva importante aos nossos leitores", indicou o jornal.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade