Publicidade

Estado de Minas

Funcionário 'suicida' de companhia aérea rouba avião vazio e cai na baía de Seattle


postado em 11/08/2018 19:54

Um funcionário "suicida" de 29 anos de uma companhia aérea roubou um bimotor não tripulado na noite desta sexta-feira, em Seattle, e realizou acrobacias com o aparelho, antes de cair na baía daquela cidade, localizada no noroeste dos Estados Unidos.

A polícia local descartou a hipótese de terrorismo e afirmou que o indivíduo, funcionário de pista da companhia Alaska Airlines, agiu sozinho e tinha tendência suicida.

Mike Ehl, diretor de operações de aviação do aeroporto de Seattle-Tacoma, localizado ao sul da metrópole, no estado de Washington, disse que o homem "teve acesso legítimo" a um bimotor Bombardier Q400 com capacidade para cerca de 80 pessoas, da companhia Horizon, filial da Alaska.

"Não houve violação da segurança", afirmou.

O homem, que, na gravação de conversa com a torre de controle, identifica-se como Rich, ou Richard, era do tipo calado, contou um colega de trabalho ao jornal "The Seattle Times".

"Até onde sabemos, ele não tinha licença de piloto. Um avião comercial é uma máquina complexa, não tenho ideia de onde ele ganhou essa experiência", declarou o presidente da Horizon Airline, Gary Beck, assinalando que o aparelho estava em "posição para manutenção", e não estava previsto que decolasse com passageiros.

Dois caças-bombardeiros F-15 perseguiram o avião após a sua decolagem, mas não se envolveram no incidente, informou a polícia local.

O governador Jay Inslee disse que os pilotos estavam "prontos para fazer o que fosse necessário para nos proteger".

Um vídeo amador divulgado nas redes sociais mostra o avião fazendo acrobacias no ar e, em seguida, voando a baixa altitude sobre a água.

O aparelho caiu no estreito de Puget Sound, informaram porta-vozes do aeroporto de Seattle-Tacoma, assinalando que as operações foram retomadas naquele terminal.

Jay Tab, membro do FBI, disse que a agência federal está investigando o fato, com "dezenas de oficiais no local do ocorrido".

"Acreditamos que era o único no avião, mas não confirmamos isso no local", indicou.

- 'Clarão' -

"Comecei a filmar porque me pareceu estranho", contou à rede de TV CNN John Waldron, responsável pelo vídeo, publicado no Twitter.

O avião se dirigiu, em seguida, à ilha de Ketron. Foi quando Waldron deixou de gravar e correu para se proteger. "Quando olhei para trás, vi um clarão e, em seguida, fumaça", contou.

Rick Christenson, um supervisor de operações da companhia, aposentado em maio, também deu sua versão do ocorrido.

Foi ele que o descreveu como um homem calado, mas indicou que era "muito querido" por seus colegas.

Da casa de seu primo, Christenson viu o avião passar a pouco mais de 150 metros de distância.

"Voava de forma muito estranha, muito radical", disse. De repente, lançou o avião em direção à água.

"Todos gritávamos, 'Oh Deus, oh Deus' e gritava 'suba, suba'", lembrou.

Um registro do áudio entre o homem e a torre de controle divulgado pelo jornal "Seattle Times" traça um retrato complexo do jovem, que alternou momentos de euforia, confusão e calma.

Primeiramente, o homem disse que tinha combustível suficiente "para ir ver as Olympic Mountains", localizadas na fronteira com o Canadá, antes de se preocupar com o fato de o combustível ter sido consumido "mais rapidamente do que pensava", segundo a gravação.

Depois que a torre de controle tentou convencê-lo a pousar em uma base militar próxima, o homem disse temer que os militares o fizessem "passar por maus momentos". Em seguida, desabafou: "Tem muita gente que se preocupa comigo. Vão ficar decepcionados ao saberem que fiz isto. Gostaria de me desculpar com cada um deles. Sou apenas um cara despedaçado, tenho alguns parafusos soltos, acredito. Nunca soube disso, até agora."

A Casa Branca elogiou a coordenação entre os órgãos encarregados do cumprimento da lei e "sua ação rápida para garantir a segurança pública".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade