Publicidade

Estado de Minas

Arqueólogos revelam brinco de 2.200 anos encontrado em Jerusalém


postado em 08/08/2018 18:06

Arqueólogos israelenses revelaram nesta quarta-feira um brinco de ouro de mais de 2.200 anos de antiguidade, que representa a cabeça de um animal com chifres, a primeira descoberta deste tipo em Jerusalém, disseram.

O aro, de estilo helenístico, foi descoberto em outubro de 2017 durante escavações em um sítio arqueológico chamado Cidade de Davi e foi objeto de um artigo científico, mas ainda não havia sido apresentado à imprensa.

"Não sabemos muito sobre Jerusalém na época helenística", nos séculos III e II antes de nossa era, explicou à AFP Yuval Gadot, professor na Universidade de Tel Aviv e codiretor das escavações.

A cidade "sempre foi considerada muito conservadora, não deixava entrar objetos procedentes do mundo exterior", acrescentou, de modo que encontrar um brinco de estilo grego "é muito surpreendente".

"Isto abre um debate sobre a natureza da população de Jerusalém" naquela época, apontou.

Não se sabe se o brinco era usado por um homem ou uma mulher, assim como sua religião, afirmou a autoridade arqueológica israelense em um comunicado.

Mas a qualidade da joia e o fato de ter sido descoberta perto do Monte do Templo, onde se elevava o templo judaico de Jerusalém destruído pelos romanos no ano 70 de nossa era, levam a supor que seu proprietário pertencia a uma classe privilegiada, acrescentou.

A Cidade de Davi se encontra aos pés da muralha da Cidade Velha em Silwan, um bairro palestino de Jerusalém Oriental, ocupado e anexado por Israel.

É um sítio onde se realizam escavações israelenses intensivas e controversas, devido à disputa com os palestinos pela soberania de Jerusalém Oriental e à importância da questão histórica em tal contexto.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade