Publicidade

Estado de Minas

Entrada por terra de venezuelanos ao Brasil é suspensa


postado em 06/08/2018 22:12

Foi suspensa nesta segunda-feira (6) a entrada de venezuelanos ao Brasil por terra na fronteira norte, no estado de Roraima, informaram à AFP porta-vozes da Polícia Rodoviária Federal, que opera na região.

A medida, que começou a vigorar às 17h, obedece à decisão de um juiz federal, que no domingo determinou a suspensão da entrada de venezuelanos até que um número maior de imigrantes dessa nacionalidade seja transferido ao interior do país e até que haja condições para um "acolhimento humanitário" no estado.

A fronteira opera normalmente para brasileiros e cidadãos de outra nacionalidade, e permite-se a saída de venezuelanos que queiram retornar ao seu país, informaram os funcionários.

A entrada terrestre na fronteira norte é o principal ponto de chegada ao Brasil para milhares de venezuelanos que deixaram seu país, mergulhado em uma grave crise política e econômica.

Boa Vista, capital de Roraima, foi a cidade que recebeu o maior número de venezuelanos. A chegada de cidadãos do país vizinho se intensificou nos últimos anos devido à grave crise política e econômica que seu país enfrenta. Cálculos oficiais estimam em 25.000 o número de venezuelanos que estão na cidade, de cerca de 330.000 habitantes.

O ministro de Direitos Humanos, Gustavo Rocha, disse que o presidente Michel Temer se opõe de forma "inegociável" ao fechamento da fronteira aos venezuelanos, segundo a Agência Brasil. Temer já tinha assegurado em outras ocasiões que um bloqueio do tipo não seria executado.

Mais cedo, a Advocacia-Geral da União informou que trabalha em um pedido para suspender a ordem judicial.

Estima-se que 500 venezuelanos entrem diariamente na fronteira terrestre. Embora Roraima condense o maior percentual de migrantes, alguns continuam viagem para outros estados ou países, como Argentina e Chile.

A governadora de Roraima, Suely Campos, já havia aplaudido a decisão judicial. "Estamos desde maio pedindo o fechamento da fronteira no STF e o auxílio financeiro para minimizar o impacto em nossos serviços públicos", diz um comunicado assinado por Campos.

Até hoje, onze abrigos operam em Boa Vista e Pacaraima, pequena cidade fronteiriça, abrigando mais de 4.000 venezuelanos, inclusive mais de mil indígenas warao, do norte da Venezuela.

No primeiro semestre deste ano, 56.740 venezuelanos buscaram formas de legalizar sua situação no Brasil, 35.540 deles através da solicitação de refúgio.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade