Publicidade

Estado de Minas

Juiz federal suspende entrada por terra de venezuelanos


postado em 06/08/2018 16:30

Um juiz federal determinou a suspensão da entrada por terra de venezuelanos no Brasil, em uma decisão tomada no domingo, mas que até esta segunda-feira (6) não tinha sido aplicada na fronteira, informaram autoridades.

"Decido liminarmente suspender a admissão e o ingresso no Brasil de imigrantes venezuelanos a partir da ciência desta decisão" até haver condições para uma "um acolhimento humanitário" no estado de Roraima, a principal via de acesso ao Brasil, informou o juiz Helder Girão Barreto.

Boa Vista, capital de Roraima, recebeu o maior número de venezuelanos. Sua chegada se intensificou nos últimos anos devido à grave crise política e econômica que seu país enfrenta. Cálculos oficiais estimam em 25.000 o número de venezuelanos que estão na cidade, de cerca de 330.000 habitantes.

A ordem não tinha sido posta em prática nesta segunda e as operações na fronteira são realizadas com normalidade, informou à AFP a Força Tarefa Logística e Humanitária, que atua na região para atender os venezuelanos.

O governo está trabalhando para suspender esta ordem judicial.

Estima-se que 500 venezuelanos entrem diariamente na fronteira terrestre. Embora Roraima condense o maior percentual de migrantes, alguns continuam viagem para outros estados ou países, como Argentina e Chile.

A governadora de Roraima, Suely Campos, aplaudiu a decisão judicial. "Estamos desde maio pedindo o fechamento da fronteira no STF e o auxílio financeiro para minimizar o impacto em nossos serviços públicos", diz um comunicado assinado por Campos.

O presidente Michel Temer ratificou em várias ocasiões que a fronteira não será fechada. Até hoje, onze abrigos operam em Boa Vista e Pacaraima, pequena cidade fronteiriça, abrigando mais de 4.000 venezuelanos, incluisive mais de mil indígenas warao, do norte da Venezuela.

No primeiro semestre deste ano, 56.740 venezuelanos buscaram formas de legalizar sua situação no Brasil, 35.540 deles através da solicitação de refúgio.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade