Publicidade

Estado de Minas

Indonésia retira turistas da ilha de Lombok após terremoto que deixou 91 mortos


postado em 06/08/2018 08:00

A Indonésia retirava nesta segunda-feira centenas de turistas das pequenas ilhas próximas a Lombok, depois do terremoto de domingo que matou pelo menos 91 mortos e reduziu milhares de edifícios a escombros.

O tremor de 6,9 graus de magnitude provocou cenas de pânico, exatamente uma semana depois de outro terremoto em Lombok que deixou 17 mortos.

Nesta segunda-feira, as equipes de resgate procuravam sobreviventes entre os escombros de casas, mesquitas e escolas que foram destruídas no terremoto de domingo à tarde.

Na ilha vizinha de Bali, principal destino turístico do país do sudeste asiático, o terremoto também foi sentido.

"Noventa e uma pessoas morreram, 209 sofreram ferimentos graves", anunciou o porta-voz da agência nacional de desastres, Sutopo Purwo Nugroho.

"Temos desafios: as estradas foram danificadas, três pontes também foram abaladas. O acesso é difícil a alguns locais e não temos funcionários suficientes", completou o porta-voz.

Ao mesmo tempo, as autoridades iniciaram uma operação para retirar 1.200 turistas das Ilhas Gili, três pequenas ilhas tropicais a poucos quilômetros da costa noroeste de Lombok que são populares entre mochileiros e mergulhadores.

De acordo com o balanço mais recente, 358 turistas, indonésios e estrangeiros, já deixaram a região mencionada. Os demais aguardam o resgate.

Um turista indonésio morreu nas Ilhas Gili e outro faleceu na vizinha Bali, o grande destino de férias do país.

O vídeo de um imã orando com estoicismo na mesquita Denpasar de Bali enquanto a terra tremia se tornou um fenômeno viral nas redes sociais, com elogios dos internautas à fé inabalável do religioso.

Denink Ayu, recepcionista de um hotel em Gili Trawangan, a maior das três ilhas Gilis, afirmou ao canal CNN Indonesia que "todos entraram em pânico" após o terremoto.

"Agora estamos lutando pelos barcos. Todos estão em filas no porto, mas não há barcos suficientes", completou, sem conter as lágrimas.

Um casal de turistas franceses que viajaram em lua de mel àss Ilhas Gili decidiu retornar a seu país após as cenas de pânico.

"Estávamos em um ônibus, era de noite e eu começava a cochilar quando sentimos que o ônibus tremia como se estivessem empurrando do lado fora. Então, uma garota que estava do meu lado gritou 'earthquake' (terremoto em inglês). Acordei e sentimos como o chão tremia por 15 segundos", disse Anna no aeroporto internacional de Lombok.

Seu marido Julien afirmou que o casal pretendia passar uma semana na ilha, mas decidiu retornar "porque já aconteceu outro terremoto na semana passada".

- Centenas de feridos -

Após o terremoto de domingo, vários pontos de Lombok ficaram sem energia elétrica e vários pacientes precisaram ser retirados dos hospitais.

O número de pessoas que abandonaram suas casas alcança 20.000 em Lombok, informou o porta-voz da agência nacional de desastres, que recordou a necessidade de alimentos e remédios.

Centenas de pessoas recebiam atendimento do lado de fora de um hospital de Mataram, a principal cidade de Lombok, muito afetada pela terremoto.

Os parentes dos feridos seguiram para a principal clínica da cidade.

Com exceção dos centro médicos, as ruas da cidade permaneciam desertas, com exceção de poucas pessoas que caminham entre os escombros.

Muitas vítimas fatais estavam em uma área montanhosa situada ao norte de Lombok, longe das praias mais turísticas das zonas sul e oeste da ilha.

Dezenas de habitantes ainda poderia estar sob os escombros. O prefeito do distrito de Lombok, Najmul Akhyar, calcula que 80% da área foi afetada pelo terremoto.

A Indonésia, um arquipélago de 17.000 ilhas e ilhotas, está localizada no que é conhecido como o "cinturão de fogo" do Pacífico, uma área de forte atividade sísmica. Embora o país registre inúmeros terremotos, a maioria não oferece riscos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade