Publicidade

Estado de Minas

Bispos chilenos se desculpam por terem falhado com vítimas de abusos


postado em 03/08/2018 16:36

Os bispos chilenos pediram nesta sexta-feira (3) desculpas por terem falhado com as vítimas de abusos sexuais e se comprometeram a lançar luz às investigações e colaborar com a Justiça para evitar que este tipo de ato volte a se repetir.

"Fracassamos em nosso dever de pastores, ao não escutar, acreditar, atender ou acompanhar as vítimas de graves pecados e injustiças cometidas por sacerdotes e religiosos" e "por isso, pedimos perdão em primeiro lugar às vítimas e sobreviventes", manifestaram os eclesiásticos em declaração ao final de cinco dias de reunião em uma assembleia extraordinária da Conferência Episcopal chilena, em Punta Tralca, às margens do oceano Pacífico.

Na tentativa de conter a grave crise que atravessa a Igreja católica no país, totalmente desprestigiada pela sequência de denúncias de abusos sexuais cometidos pelo clero, os bispos decidiram que a partir de agora vão divulgar publicamente as investigações prévias sobre supostos abusos sexuais de menores de idade.

Destacaram, ainda, que estão trabalhando com o ministério público, com o qual colaboram.

"Hoje é um antes e depois, um ponto de inflexão" pela decisão de colaborar com a promotoria, disse o secretário-geral da Conferência Episcopal, monsenhor Fernando Ramos.

Decidiram, ainda, reforçar o Conselho Nacional de Prevenção de Abusos e Acompanhamento de Vítimas e para tanto nomearam presidente a advogada Ana María Celis. Também será criado um departamento de prevenção de abusos para executar as orientações do Conselho.

Os bispos se comprometem em encontrar "pessoalmente" as vítimas de abusos e lançar um olhar "autocrítico" aos aspectos estruturais "que permitiram a ocorrência e perpetuação do abuso na Igreja para que estes fatos não voltem a se repetir".

"Sabemos que as decisões e compromissos a curto e médio prazos que hoje anunciamos não solucionam por si sós o flagelo dramático do abuso contra nossa Igreja e as complexas causas e raízes do mesmo", concluíram.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade