Publicidade

Estado de Minas

Cinzas de cremação dão pistas sobre quem construiu Stonehenge


postado em 02/08/2018 21:12

Apesar de um século de análises científicas, o monumento neolítico de 5000 anos no sul da Inglaterra conhecido como Stonehenge revelou poucos segredos sobre as pessoas enterradas no meio de seu círculo de rochas imponentes.

A maior parte de seus restos mortais foi cremada, deixando apenas cinzas, alguns fragmentos de ossos e um beco sem saída arqueológico.

Mas uma descoberta de Christophe Snoeck, estudante de pós-graduação da Universidade de Oxford, revelou que muitos provavelmente vieram do distante País de Gales, fonte das pedras azuis usadas para esculpir os monumentos misteriosos e fascinantes de Stonehenge.

Alguns desses viajantes pré-históricos - que podem ter ajudado a transportar as pedras maciças - foram cremados antes de suas cinzas serem deixadas em repouso, disseram Snoeck e colegas em um estudo publicado nesta quinta-feira na revista Scientific Reports.

Outros podem ter morrido no trabalho ou se estabelecido perto de Stonehenge para terminar seus dias.

O que Snoeck descobriu no laboratório é que o estrôncio, um elemento pesado encontrado nos ossos, resiste às altas temperaturas de uma pira funerária, que pode atingir 1000 graus Celsius.

De fato, o calor extremo sela a assinatura exclusiva do elemento, isolando-o - mesmo durante milhares de anos - da contaminação pelo solo circundante.

Para os cientistas que tentam extrair dados de restos humanos queimados, isso abriu uma mina de ouro.

A cremação destrói toda a matéria orgânica, incluindo o DNA.

"Mas toda a matéria inorgânica sobrevive, e há uma enorme quantidade de informações contidas na fração inorgânica dos restos humanos", explicou Snoeck.

Medindo traços de estrôncio "é possível avaliar a origem dos alimentos que ingerimos, especialmente as plantas", disse à AFP.

As plantas absorvem o estrôncio do solo, e esse estrôncio é depois incorporado aos nossos ossos, refletindo o local onde as plantas cresceram.

Os pesquisadores examinaram fragmentos de ossos dos crânios de 25 pessoas enterradas durante uma fase inicial da história de Stonehenge, por volta de 3000 a.C.

Dez deles, determinaram, passaram pelo menos os últimos 10 anos de suas vidas em uma região diferente.

Os arqueólogos já sabiam que as pedras azuis de Stonehenge vinham do País de Gales, então, quando o perfil de estrôncio desses dez forasteiros correspondeu ao que é conhecido da flora da região, parecia razoável supor que eles também vinham de lá.

Os cientistas também puderam dizer se a madeira usada em piras funerárias era da área de Wessex em torno de Stonehenge, ou de árvores típicas das florestas do País de Gales.

Isso permitiu-lhes concluir que algumas das pessoas enterradas no local provavelmente haviam sido cremadas no oeste da Grã-Bretanha antes de suas cinzas serem transportadas.

Arqueólogos que escavaram o local no início da década de 1920 relataram que matéria cremada havia sido depositada em recipientes orgânicos, como sacos de couro, aparentemente trazidos de um lugar distante.

Muito permanece desconhecido sobre os humanos pré-históricos que ergueram Stonehenge, incluindo as crenças e rituais de sua cultura.

Mas as novas descobertas "sugerem que as pessoas das Montanhas Preseli, no oeste de Gales, não apenas forneceram as pedras azuis usadas para construir o círculo de pedras, mas se moveram com as pedras e foram enterradas lá também", concluiu John Pouncett, coautor do estudo.

Existem entre 150 e 240 enterros de cremação em Stonehenge, de acordo com um estudo recente publicado na revista Antiquity.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade