Publicidade

Estado de Minas

ONU condena por ampla maioria violência de Israel em Gaza


postado em 13/06/2018 21:00

A Assembleia Geral das Nações Unidas aprovou nesta quarta-feira (13) por ampla maioria uma resolução que condena Israel pela escalada da violência mortal em Gaza, e rejeitou um texto apresentado pelos Estados Unidos que responsabilizava o movimento Hamas pelos atos violentos.

Impulsionado por Argélia e Turquia, o documento foi aprovado por 120 dos 193 países da organização, com oito votos contra e 45 abstenções. Uma proposta americana de apresentar uma emenda para condenar o Hamas não conseguiu a maioria de dois terços necessária para sua aprovação.

Ao menos 129 palestinos morreram por disparos de soldados israelenses em protestos perto da fronteira com Gaza que começaram no final de março. Nenhum israelense morreu nos confrontos.

Uma emenda apresentada pelos Estados Unidos para condenar o Hamas por "incitar a violência" em Gaza não obteve a maioria de dois terços necessária para sua aprovação.

A resolução denunciou Israel pelo uso "excessivo, desproporcional e indiscriminado da força" contra civis palestinos e pediu medidas de proteção para os palestinos em Gaza e na Cisjordânia.

Os países árabes pediram à Assembleia Geral depois que os Estados Unidos usaram seu poder de veto no Conselho de Segurança para bloquear a resolução em 1 de junho.

Mas diferentemente do Conselho de Segurança, as resoluções adotadas na Assembleia não são vinculantes.

A resolução encarrega o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, a redigir propostas para um "mecanismo de proteção internacional" para os palestinos, que pode incluir desde o estabelecimento de uma missão de observação até uma força de manutenção da paz.

Mas qualquer mecanismo requer a aprovação do Conselho de Segurança, onde os Estados têm poder de veto.

"Queremos que nossa população civil fique protegida", disse o embaixador palestino Riyad Mansur, pedindo que os diplomatas não se "deixem enganar" com a proposta americana culpando o Hamas.

O embaixador israelense, Danny Danon, criticou a medida e a classificou como uma "tentativa de tirar nosso direito básico à defesa própria" e advertiu seus colegas que ao apoiarem a resolução estão "empoderando o Hamas".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade