Publicidade

Estado de Minas

Funcionários públicos e caminhoneiros farão paralisação na Argentina


postado em 12/06/2018 17:00

Sindicatos de funcionários públicos, professores e caminhoneiros farão, na quinta-feira, uma paralisação de 24 horas na Argentina em rechaço à política econômica do presidente Mauricio Macri, que recentemente assinou um acordo com o FMI, anunciaram nesta terça (12) em coletiva de imprensa.

A medida, que inclui uma mobilização na central Praça de Maio, onde fica a sede da Presidência, é estimulada pela Central de Trabalhadores Argentinos (CTA), enquanto espera a decisão da majoritária Confederação Geral de Trabalhadores (CGT).

Nesta terça, foi suspensa uma reunião entre dirigentes da CGT e o ministro de Trabalho, Jorge Triaca, na qual o governo devia responder sobre cinco pontos - entre eles, frear demissões nos setores público e privado por seis meses.

A CGT reclama também uma discussão salarial sem teto máximo e que os salários sejam isentos de impostos.

O protesto acontece em meio a uma profusão de paralisações e marchas de organizações sociais e políticas que reclamam mudanças na política econômica.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade