Publicidade

Estado de Minas

Justiça americana solicita comunicações de jornalista e provoca temores


postado em 08/06/2018 16:18

Veículos de comunicação nos Estados Unidos expressaram preocupação nesta sexta-feira (8) quanto aos riscos à liberdade de imprensa depois que a justiça requisitou a correspondência de uma jornalista, como parte de uma investigação sobre o vazamento de informações classificadas.

O Departamento de Justiça anunciou na quinta-feira à noite o processamento de James Wolfe, ex-membro do Comitê de Inteligência do Senado, de 58 anos, acusado de mentir aos investigadores sobre seus contatos com três jornalistas.

Para dar prosseguimento à investigação, a justiça requisitou a correspondência proveniente de duas contas de e-mail e do telefone celular da jornalista Ali Watkins, do New York Times, segundo o jornal.

Watkins relacionou-se amorosamente com Wolfe por três anos, um fato que ele tinha negado aos investigadores do FBI em 2017.

Este caso levantou preocupações quanto a possíveis ameaças à liberdade de imprensa e proteção das fontes, e ao mesmo tempo apresenta um problema ético sobre a relação entre um jornalista e uma fonte.

O Freedom Forum Institute, uma organização que defende os direitos da imprensa, estimou no Twitter que a apreensão de documentos é "uma violação das liberdades estabelecidas na Primeira Emenda" da Constituição.

"A liberdade de imprensa é o fundamento da democracia e pensamos que as comunicações entre jornalistas e suas fontes devem ser protegidas", ressaltou a porta-voz do New York Times Eileen Murphy.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade