Publicidade

Estado de Minas

OEA condena violência na Nicarágua sem responsabilizar Estado


postado em 06/06/2018 00:18

A Assembleia da Organização dos Estados Americanos (OEA) condenou nesta terça-feira a violência que sacode a Nicarágua há mais de um mês e já deixou 121 mortos, mas não responsabilizou o governo do presidente Daniel Ortega pela repressão aos manifestantes.

A "Declaração de Apoio ao Povo da Nicarágua", apresentada pelos Estados Unidos e pelo próprio governo nicaraguense, exige "o fim imediato dos atos de violência, intimidação e ameaças dirigidas contra o público em geral".

Também convoca o governo e outros atores sociais a participar "construtivamente de negociações pacíficas para fortalecer as instituições democráticas e a celebração de eleições livres, justas e oportunas".

"A Nicarágua está em uma situação muito diferente da Venezuela, que já cruzou a linha vermelha. Observamos ao menos uma disposição para reformas democráticas e para atender aos pedidos da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH)", disse à AFP uma funcionária americana.

O documento exorta a CIDH a informar "assim que possível" ao Conselho Permanente da OEA sobre os resultados e conclusões da visita de trabalho realizada à Nicarágua em maio.

A CIDH, órgão autônomo da OEA, emitiu 15 recomendações, incluindo "o fim imediato da repressão" e o respeito à vida de todos os manifestantes, "em especial os estudantes".

Mas a declaração não condena explicitamente o governo de Daniel Ortega pela repressão praticada pela polícia e por grupos armados ligados ao governo, como denunciam organizações de defesa dos direitos humanos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade