Publicidade

Estado de Minas

Vizcarra e Morales vão analisar corredor ferroviário Brasil-Bolívia-Peru


postado em 05/06/2018 19:12

O presidente do Peru, Martín Vizcarra, receberá na semana que vem o líder boliviano, Evo Morales, para avaliar a proposta de construção da ferrovia bioceânica unindo ambos países ao Brasil.

"No próximo 15 de junho receberei o presidente Evo Morales em Lima", disse Vizcarra durante entrevista coletiva com correspondentes estrangeiros.

Os dois mandatários decidiram fazer uma reunião para tratar de projetos de integração comum, entre os quais destaca o corredor ferroviário bioceânico.

Eles se encontrarão na cidade fronteiriça de Desaguadero, na margem do lago Titicaca.

Vizcarra defende a construção do corredor ferroviário de cerca de 3.500 quilômetros, que una portos do Atlântico do Brasil com portos do Pacífico do Peru através da Bolívia. A Alemanha participaria desse projeto.

O principal impulsionador da ideia é Morales. O presidente boliviano lançou-a como uma alternativa à proposta chinesa de um corredor entre o Brasil e o Peru através da Amazônia, sem passar pela Bolívia.

"Esse projeto, de 60 bilhões de dólares, cruza a Amazônia peruana através de uma área de reserva natural, não está descartado, mas tem restrições", lembrou Vizcarra sobre o plano chinês.

"O projeto do corredor bioceânico no sul do Peru não atravessa a Amazônia, é por isso que está sendo avaliado", afirmou o presidente.

Vizcarra estimou o custo do projeto, em 2017, em cerca de 15 bilhões de dólares, quantia bem abaixo dos 60 bilhões do projeto chinês para unir portos no norte do Brasil e norte do Peru.

O projeto boliviano pretende conectar por via ferroviária os portos de Santos e Ilo, cruzando o território boliviano.

Parte deste projeto já é realidade, pois já existe um trem entre a província de Santa Cruz (leste da Bolívia) e o Mato Grosso.

A Bolívia espera se lançar nos mercados asiáticos através deste projeto.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade