Publicidade

Estado de Minas

Famosa estilista americana Kate Spade se suicida em Nova York


postado em 05/06/2018 17:00

A estilista americana Kate Spade, fundadora de uma famosa marca multimilionária conhecida principalmente por suas elegantes carteiras e bolsas, coloridas e urbanas, se suicidou nessa terça-feira (5) em sua casa, em Nova York, aos 55 anos.

A estilista deixou uma carta e se enforcou com um cachecol em seu apartamento na Park Avenue, em Manhattan, indicou o porta-voz da polícia em entrevista à AFP.

Embora fosse originária do Kansas (Missouri), Kate Spade encarnava o espírito nova-iorquino. Estudou Jornalismo e começou na indústria da moda trabalhando como editora de acessórios da revista Mademoiselle. Em 1993, fundou com seu marido, o publicitário Andy Spade, uma marca alegre, com um toque retrô e nerd, que alcançou a fama.

Primeiro produziu bolsas e carteiras que se tornaram um clássico símbolo de status para muitas jovens americanas e que ganhou o mundo. Depois acrescentou às coleções uma linha de roupas, seguida de joias, perfumes, sapatos, roupas de cama e mesa e uma linha para bebês, além de itens de papelaria e presentes.

- 'Mais que uma estilista' -

O Conselho de Estilistas dos Estados Unidos (CFDA, em inglês) se declarou "devastado" pela notícia.

Kate Spade "era um grande talento que teve um impacto incomensurável na moda americana e na maneira como o mundo vê os acessórios americanos", escrever no Twitter Diane von Furstenberg, diretora do CFDA, e seu presidente, Steven Kolb.

"Queremos honrar sua vida e suas grandes contribuições ao negócio da moda e expressar condolências a sua família", acrescentaram.

"Para muitas mulheres, comprar a primeira carteira Kate Spade foi a primeira compra que fizeram como adultas, a primeira compra de um designer", postou no Twitter a jornalista da AdWeek, Diana Pearl.

Chelsea Clinton, filha do ex-presidente Bill Clinton e da ex-candidata à presidência Hillary Clinton, disse que sua avó a presenteou com sua primeira carteira Kate Spade quando estava na universidade.

"Ainda a tenho", tuitou. "Guardo a família de Kate, seus amigos e entes queridos em meu coração".

A atriz Lena Dunham, criadora e protagonista da série "Girls", também expressou seu forte pesar no Twitter. "Kate Spade era mais do que uma estilista. Tinha uma linguagem visual extravagante que cativou tanto meninas de Bat Mitzvah quanto artistas", tuitou. "Também era uma parte essencial de NYC que compartilhava bondade (...) Obrigada, Kate, de uma das milhões a quem você fez mais bonita".

- Adeus à marca e ao seu nome -

A estilista e seu marido venderam, em 1999, 56% de sua marca para a rede Neiman Marcus por 34 milhões de dólares, segundo a revista Forbes.

Em 2006 venderam o resto, por 59 milhões, desvinculando a estilista para sempre da marca que levava seu nome.

Kate Spade se dedicou então a criar sua pequena filha e às obras de caridade.

Uma semana depois de comprar a totalidade da empresa, a rede Neiman Marcus vendeu a marca para Liz Claiborne por 124 milhões de dólares, incluindo as dívidas.

Em 2017 a marca Kate Spade foi comprada pela famosa grife de bolsas Coach por 2,4 bilhões de dólares, mas a estilista não recebeu nenhum centavo dessa transação, porque tinha se desfeito da totalidade de suas ações.

"Apesar de há mais de uma década Kate já não estar mais ligada à marca, ela e seu marido e sócio criativo, Andy, foram os fundadores de nossa amada marca. Sentiremos muito a falta de Kate. Nossos pensamentos estão com Andy e toda a família Spade", disse a marca Kate Spade em um comunicado.

A estilista tentou regressar ao mundo da moda em 2016 com uma nova marca de carteiras e sapatos chamada Frances Valentine. Segundo o jornal New York Times, estava tão comprometida com a nova marca que teria mudado seu sobrenome de Spade para Valentine.

Frances é o nome de sua filha, de 13 anos, e também de seu irmão, pai e avô.

O psiquiatra nova-iorquino Robert Dicker, diretor de um centro que atende pessoas com tendências suicidas, não conhecia a designer, mas disse à AFP que a maioria das pessoas que concretiza um suicídio sofre de forte depressão. As mortes por enforcamento em mulheres são incomuns, já que, em geral, preferem tomar uma overdose de medicamentos, indicou.

"Quando alguém é tão famoso (...) e se suicida há um aumento das tentativas de suicídio. Temos que ser cuidadosos. Existe ajuda, existem linhas de prevenção do suicídio, queremos nos assegurar de que haja ajuda disponível", assinalou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade