Publicidade

Estado de Minas

Americano é suspeito de vários assassinatos vinculados ao seu divórcio


postado em 05/06/2018 17:00

Um americano que se suicidou na segunda-feira à noite no estado do Arizona enquanto estava cercado pela Polícia é suspeito de ter cometido uma série de assassinatos no mundo médico-legal relacionados com seu divórcio.

Os investigadores determinaram que Dwight Jones, de 56 anos, tinha uma ligação com todas as vítimas e que se remonta ao momento da separação de sua esposa, um processo que viveu de forma traumática.

O primeiro assassinato, na quinta-feira passada durante a tarde, causou agitação no Arizona devido à reputação da vítima, um conhecido psiquiatra e especialista forense chamado Steven Pitt.

Pitt, abatido em frente ao seu escritório em Phoenix, havia sido encarregado de fazer uma avaliação psicológica de Jones, assinalou na segunda-feira Richard Slavin, chefe da Polícia de Scottsdale, durante entrevista coletiva.

Pitt era um psiquiatra de renome mundial que trabalhou em casos icônicos, como o massacre de Columbine em 1999.

No dia seguinte, a Polícia encontrou os corpos de Veleria Sharp e Laura Anderson, duas funcionárias do escritório de advocacia que pertencia ao profissional que representou a ex-esposa de Jones.

A polícia estabeleceu que a mesma arma foi usada nos três crimes.

Na noite de sábado foi encontrado o corpo de Marshall Levine, um conselheiro de casais que dividia o escritório com outro especialista, que o filho do suspeito havia consultado durante o processo de divórcio.

Jones estava em um hotel barato de Scottsdale quando foi encurralado pela Polícia e disparou em si mesmo. Também é suspeito de outros dois assassinatos, o que elevaria o número de vítimas a seis.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade