Publicidade

Estado de Minas

Políticos alemães pedem expulsão de polêmico embaixador americano


postado em 05/06/2018 07:24

Líderes da esquerda na Alemanha pediram nesta terça-feira a expulsão do embaixador dos Estados Unidos em Berlim, um ferrenho defensor do presidente Donald Trump, que foi acusado de tentar interferir em assuntos internos do país.

Richard Grenell assumiu o cargo em 8 de maio e, imediatamente, provocou polêmica ao escrever no Twitter que as empresas alemãs deveriam deixar de fazer negócios com o Irã, depois que o governo dos Estados Unidos abandonou o acordo nuclear assinado com a República Islâmica em 2015.

Também teria afirmado no fim de semana, de acordo com a imprensa, que sua ambição é "fortalecer" as políticas e os líderes conservadores na Europa.

Grenell também gerou polêmica ao convidar para um almoço em 13 de junho o chanceler conservador austríaco Sebastian Kurz, a quem chamou de "estrela do rock"

"O que faz este homem é inaudito na diplomacia internacional", afirmou Martin Schulz, ex-líder do Partido Social-Democrata (SPD), à agência DPA.

"Se o embaixador alemão afirmasse em Washington que estava lá para fortalecer os democratas, receberia um chute no traseiro", disse.

O ministro alemão das Relações Exteriores pediu explicações sobre os comentários de Grenell. O tema deve ser abordado em um encontro, que já estava marcado, na quarta-feira entre o embaixador e o secretário de Estado Andreas Michaelis.

A líder do partido de extrema-direita Die Linke, Sahra Wagenknecht, afirmou que o governo deveria expulsar Grenell de modo imediato.

"Alguém como o embaixador americano Richard Grenell, que considera que pode ser o senhor da Europa e determinar quem governa nela, não pode seguir mais como diplomata na Alemanha", disse Wagenknecht ao jornal Die Welt.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade