Publicidade

Estado de Minas

Acusado de torturar filhos na Califórnia diz que 'não é um monstro'


postado em 17/05/2018 13:48

Um homem da Califórnia acusado em vários casos de tortura e abusos contra menores, alguns dos quais contra seus próprios filhos, negou as acusações e afirmou que "não é um monstro" em uma entrevista na prisão.

Jonathan Allen, de 29 anos, e sua companheira, Ina Rogers, de 30, foram presos depois que as autoridades encontraram dez crianças em condições desumanas em uma casa na Califórnia.

A dupla submetia as crianças a torturas que incluíam afogamento, dardos e água fervendo, informaram as autoridades americanas na quarta-feira.

Em uma entrevista ao canal KGO-TV a partir da prisão, Allen negou ter cometido os abusos: "eu não fiz nada do que disseram que eu fiz".

"Não sou perfeito, ninguém é perfeito", argumentou, "mas não sou um animal, nem um torturador, nem um monstro", defendeu-se o pai biológico de algumas das vítimas.

Allen foi acusado por sete casos de tortura e nove por abuso de crianças.

A Promotoria descreveu as agressões em documentos apresentados à Justiça.

"Continuamente as crianças eram agredidas, estranguladas, mordidas, atacadas com armas como bestas, ou pistolas de ar comprimido, agredidas com pedaços de pau e submetidas ao submarino", uma técnica de tortura que consiste em manter a vítima sob a água para não respirar.

"Devido aos diversos tipos de abuso, as crianças têm distintos tipos de cicatrizes, incluindo braços fraturados", revelou a Promotoria, acrescentando que o casal também fervia água para jogar nos menores.

Os dois foram detidos em 31 de março em sua casa na cidade de Fairfield, ao norte de San Francisco, após a Polícia atender ao chamado de um menino.

Ao chegar ao local, os policiais encontraram nove crianças encolhidas no centro da sala de uma casa, onde havia lixo e fezes por toda parte.

"As crianças descreveram detalhadamente todos os abusos", que eram cometidos há vários anos.

Rogers e Allen foram detidos: a mulher, sob a acusação de abuso infantil, e o marido, por abuso e tortura.

O caso tem semelhanças com a barbárie envolvendo o casal Louise e David Turpin, divulgado em janeiro passado, também na Califórnia. Os dois mantinham seus 13 filhos em condições desumanas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade