Publicidade

Estado de Minas

Número de deslocados em 2017 bate o recorde da década


postado em 16/05/2018 10:30

Os conflitos no mundo obrigaram no ano passado quase 12 milhões de pessoas a deslocamentos dentro de seus próprios países, um recorde na última década, indica um relatório do IDMC, organismo que monitora o tema.

No total, 11,8 milhões de pessoas foram obrigadas a abandonar suas casas e a uma transferência dentro das fronteiras de seus países em 2017 em consequência de conflitos e da violência (quase o dobro das 6,9 milhões de pessoas registradas no ano anterior), segundo o documento do Internal Displacement Monitoring Centre (IDMC) e do Conselho Norueguês para os Refugiados (NRC).

"É o maior número registrado durante a década", afirmou Alexandra Bilak, diretora do IDMC, em Genebra.

Quarenta milhões de pessoas em todo o mundo estão deslocadas em seus países por conflito, destaca o relatório do IDMC.

"O impressionante número de pessoas obrigadas a fugir de suas casas pelos conflitos e a violência deve abrir os olhos de todos", disse Jan Egeland, secretário-geral do NRC.

Os deslocados do ano de 2017 procedem em 76% de 10 países, que incluem Síria, República Democrática do Congo e Iraque, três países que representam metade das pessoas afetadas.

A Síria registrou o deslocamento de 2,9 milhões de pessoas no ano passado, muitas delas pela segunda ou terceira vez, o que eleva o número total de deslocados a 6,8 milhões neste país devastado pela guerra.

O relatório explica ainda que 18,8 milhões de pessoas em 135 países foram afetadas por catástrofes naturais (inundações, tempestades e ciclones).

Adicionados aos milhões de deslocados pelas guerras, no total 31 milhões de pessoas eram afetadas pelo problema em seus países no ano passado, mais de 80.000 por dia.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade