Publicidade

Estado de Minas

Nicarágua autoriza visita da CIDH para observar direitos humanos no país


postado em 14/05/2018 13:00

A Nicarágua autorizou uma visita da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) para observar a situação no país, abalado por protestos contra o governo que já deixaram cerca de 50 mortos - informou o secretário-geral da Organização dos Estados Americano (OEA), Luis Almagro, nesta segunda-feira (14).

O governo de Daniel Ortega "expressa sua anuência para que, no menor tempo possível, a comissão faça essa visita de trabalho, com o objetivo de observar 'in loco' a situação dos direitos humanos na Nicarágua, no contexto dos eventos de 18 de abril de 2018 até o presidente", indicou o chanceler nicaraguense, Denis Moncada, em uma carta publicada por Almagro em sua conta no Twitter.

No fim de semana, Almagro havia insistido em que o governo de Ortega permitiu o ingresso da CIDH, ente autônomo da OEA, somando-se à reivindicação da Igreja católica, de empresários e de membros da sociedade civil nicaraguense.

Em nota divulgada na sexta, a CIDH informou ter solicitado pela terceira vez acesso à Nicarágua, "em consequência dos episódios de violência ocorridos na repressão dos protestos".

"É indispensável que possamos ter reuniões com autoridades, mas também com diversos setores da sociedade civil, para poder fazer uma avaliação e um diagnóstico sério e poder, dessa maneira, considerar a pertinência de prestar assessoria técnica", declarou na nota a relatora da CIDH para a Nicarágua, Adriana Urrejola.

As manifestações contra o governo prosseguiram no fim de semana, enquanto o episcopado promove a abertura de um diálogo que ponha fim à crise. O saldo não oficial dos protestos é de 52 mortos desde 18 de abril.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade