Publicidade

Estado de Minas

Protestos se intensificam na Nicarágua e Exército se afasta de Ortega


postado em 13/05/2018 12:18

O governo de Daniel Ortega enfrentou fortes protestos neste sábado (12), enquanto o Exército e o episcopado pressionam por um diálogo que ponha fim à crise que deixou 51 mortos e mais de 400 feridos em menos de um mês na Nicarágua.

À espera de que se concretize o diálogo, o Exército se distanciou do presidente, ao anunciar que seus efetivos não vão reprimir os manifestantes.

"Não temos porque reprimir [...] acreditamos que o diálogo é a solução" para resolver a atual crise, disse à AFP o porta-voz do Exército, o coronel Manuel Guevara.

Os choques, que se espalharam em oito cidades do país, foram mais violentos em Masaya (sul), onde a Associação Nicaraguense de Proteção dos Direitos Humanos (ANPD) reportou mais de 100 feridos.

"Me foi comunicado que há uma morte [em Masaya], que há vários feridos. Convido a todos a buscarem conter essa situação que está causando mais dor" ao povo, lamentou o presidente da Conferência Episcopal, cardeal Leopoldo Brenes.

Enquanto se registravam os conflitos, o presidente Ortega convocou o fim da violência e afirmou que "a paz é o caminho e a única porta para a convivência".

"Queremos reiterar o chamado e o compromisso de pôr fim à morte e à destruição. Que não se siga derramando sangue de irmãos", disse em comunicado lido na televisão.

Já em Chantales (leste), mais de mil agricultores bloquearam o trânsito, afetando a passagem de caminhões que levam alimentos para os mercados da capital.

Em Manágua, no maior centro de compras da Nicarágua, os comerciantes construíram barricadas para se defender de ladrões, que tentaram, na sexta-feira (11), roubar o local.

Estudantes universitários também saíram às ruas no sábado para protestar na capital.

Em paralelo, o governo denunciou a queima de duas prefeituras, uma casa do Partido Sandinista e um caminhão por parte de "grupos de vândalos", acusados de "desestabilizar" o país. Informou também que a casa da deputada Jacaranda Fernandés foi saqueada por criminosos.

A jornada de protestos acontece em meio aos esforços da Conferência Episcopal para acalmar os ânimos e convocar um diálogo, no qual seriam mediadores.

"Estamos de acordo em trabalhar cada um dos pontos levantados [pelos bispos], levando em conta que todos refletem sua boa vontade como mediadores e testemunhas", respondeu Ortega, ainda que não tenha especificado como, nem quando, começará a cumprir as demandas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade