Publicidade

Estado de Minas

Conheça a universidade de Pyongyang financiada por cristãos estrangeiros


postado em 10/05/2018 16:48

A universidade onde trabalhavam dois dos três americanos libertados pela Coreia do Norte é singular: uma instituição fundada e financiada por cristãos estrangeiros em um país que denigra a religião.

A Universidade de Ciências e Tecnologia de Pyongyang (USTP) foi criada por James Kim, um evangélico americano-coreano que foi detido pela Coreia do Norte suspeito de ser um espião de Washington.

Os cidadãos norte-coreanos são os únicos que podem se inscrever na instituição, conhecido por receber muitos filhos da elite do país.

A USTP abriu em 2010. Segundo sua página na internet, tem 560 estudantes e conta com 100 "voluntários internacionais", que podem chegar pela mediação de organizações religiosas.

Sua missão, explica, é "buscar a excelência em educação, com uma perspectiva internacional, para que suas estudantes sejam competentes em seus estudos, inovadores em matéria de investigação e moralmente rígidos, iluminando o povo coreano e o mundo".

A instituição se abstém de fazer proselitismo cristão para não irritar Pyongyang, afirmam várias fontes. A Constituição da Coreia do Norte contempla a liberdade religiosa, mas na prática ela não existe.

- "Orações se tornaram realidade" -

Kim Hak-song, especialista em temas agrícolas, e o ex-professor de contabilidade Tony Kim trabalhavam como professores no estabelecimento quando foram detidos.

Na época, a universidade informou que a detenção "não tinha qualquer vínculo com o trabalho da USTP".

Os dois homens chamaram a atenção das autoridades norte-coreanas por suas atividades religiosas anteriores, em outros países.

Os três americanos foram libertados após um encontro na quarta-feira em Pyongyang entre o secretário de Estado americano Mike Pompeo e o dirigente norte-coreano Kim Jong Un. Aterrizaram nos Estados Unidos, onde foram recebidos pelo presidente Donald Trump.

"Nossas orações se tornaram realidade", declarou a USTP em comunicado, em que desejou que os ex-detidos possam agora "ter momentos de paz e de descanso com sua família e amigos, começando a reconstruir uma vida normal".

Tony Kim foi detido em abril de 2017 e Kim Hak-song um mês depois. Algumas semanas mais tarde, o estudante Otto Warmbier, condenado a 15 anos de trabalhos forçados pelo roubo de um cartaz de propaganda, foi liberado em estado de coma e faleceu pouco depois de ser repatriado.

- Volta à normalidade? -

Isso levou Washington a proibir seus cidadãos a viajar para a Coreia do Norte.

Cerca da metade dos 80 membros do corpo docente da USTP era formada por americanos que por este motivo não puderam voltar ao estabelecimento para o ano escolar em curso, fazendo a universidade recorrer a professores chineses.

A USTP também teve problemas para transferir fundos e importar material devido às sanções impostas a Pyongyang pelo Conselho de Segurança da ONU em represália por seu programa balístico e nuclear.

"Esperamos que se trate de uma etapa em um processo positivo que leve o governo americano a pôr fim à proibição de viajar infligida a seus cidadãos", declarou à AFP um responsável da universidade.

Em sua página na internet, a USTP explica que contrata professores de inglês e de chinês, assim como especialistas para dar algumas disciplinas, como tecnologia de células-tronco ou engenharia genética.

A escritora americana-coreana Suki Kim entrou incógnito na USTP em 2011 para ensinar inglês e assim poder escrever um livro sobre sua experiência.

Em declaração no ano passado ao Washington Post, Suki Kim classificou a universidade como um "acerto recíproco" em virtude do qual "o regime obtém educação gratuita para sua juventude e instalações modernas (...) enquanto que os evangélicos têm um no país".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade