Publicidade

Estado de Minas

China censura tatuagens e casal gay em transmissão do Eurovisión


postado em 10/05/2018 12:00

A competição musical Eurovisión foi vítima na China da atual campanha das autoridades contra conteúdos que consideram repreensíveis e, na transmissão da semifinal pela Internet chinesa, um casal gay e um artista tatuado foram cortados.

A 63ª edição da competição anual europeia termina no sábado em Lisboa e premiará o sucessor do português Salvador Sobral, o último vencedor deste evento audiovisual onde a excentricidade está frequentemente presente.

A semifinal foi transmitida na quarta-feira na plataforma chinesa MangoTV, mas sem a apresentação do cantor albanês Eugene Bushpepa, tatuado nos braços, nem de uma dupla irlandesa, que incluía uma dança romântica entre os dois homens.

O site borrou as bandeiras do arco-íris presentes entre o público, símbolos tradicionais do movimento LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais).

Em 2014, a consagração da drag queen barbuda Conchita Wurst, representante da Áustria, foi um momento importante na história do Eurovisión.

A homossexualidade é cada vez mais aceita na sociedade chinesa, especialmente entre os jovens urbanos, mas ainda é quase um tabu em filmes e séries de televisão. E todo o "conteúdo homossexual" é proibido em sites de streaming.

A MangoTV possui o direito exclusivo de transmitir o concurso para a China. O site não pôde ser contatado para comentar o assunto.

Um porta-voz da Hunan TV, responsável pela plataforma de vídeo, disse à AFP que "não está ciente" do ocorrido.

Essa ação faz parte da operação lançada pelo Partido Comunista no poder de expurgar da Internet qualquer conteúdo desviado dos "valores centrais do socialismo". As autoridades proíbem tatuagens na televisão desde janeiro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade