Publicidade

Estado de Minas

Encontrados novos restos mortais nos escombros de prédio que desabou em SP


postado em 09/05/2018 18:00

Os bombeiros encontraram nesta quarta-feira (9) novos restos mortais que poderiam corresponder aos de uma terceira vítima do desabamento de um edifício de 24 andares em São Paulo na semana passada, convertido em uma montanha de escombros sob a qual buscam sete desaparecidos.

As "partes de corpo" foram encontradas esta manhã pela cadela especializada Vasty, segundo informou o Corpo de Bombeiros em sua conta no Twitter, e estão sendo analisadas pelo Instituto Médico Legal (IML).

Somente após os exames poderão saber se correspondem a uma das vítimas ainda não identificadas, detalhou um porta-voz da corporação à AFP.

Desde a impressionante queda do edifício, habitado por sem-teto, na madrugada de 1º de maio, as equipes de resgate só conseguiram localizar os restos mortais de duas pessoas.

Os primeiros foram os Ricardo Pinheiro, morador que ficou preso ao edifício quando faltavam poucos segundos para que os bombeiros conseguissem retirá-lo do imóvel, que ardia pelo incêndio que causou o desastre.

Seu corpo, o único que podia ser identificado, foi resgatado na sexta-feira. Na terça-feira, as equipes de resgate localizaram outro corpo sob a enorme montanha de escombros.

As primeiras investigações indicam que um curto-circuito no quinto andar pode ter causado o fogo, desatando uma catástrofe que reabriu o debate sobre o déficit habitacional sofrido pela cidade.

Nos anos 1980, o edifício chegou a ser a sede da Polícia Federal, mas sua decadência começou a partir de 2001. Há 10 anos era ocupado pelo coletivo Luta por Moradia Digna (LMD), e, segundo os últimos registros, contava com mais de 100 famílias que pagavam diferentes aluguéis.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade