Publicidade

Estado de Minas

Oito acusados de estupro coletivo na Índia se declaram inocentes


postado em 16/04/2018 09:00

Oito homens acusados de estuprar e matar uma menina muçulmana de 8 anos, pertencente a uma tribo nômade na Índia, declaram-se inocentes nesta segunda-feira (16), em um caso de abalou o país.

Além de se declararem inocentes, pediram para que fossem submetidos a um detector de mentira.

O crime ocorreu no estado indiano de Jammu. O corpo da criança foi encontrado em janeiro, depois de ela ter desaparecido quando foi à floresta procurar cavalos perdidos.

Segundo a ata de acusação da polícia, a vítima foi sequestrada por habitantes locais, que a mantiveram drogada em cativeiro por cinco dias em uma cabana e, depois, em um templo hindu.

Durante o sequestro, vários homens, entre eles um guarda de templo hindu e vários policiais, teriam estuprado a menina de forma sucessiva. Depois, ela foi estrangulada, e sua cabeça, esmagada com uma pedra.

Segundo os investigadores, os homens quiseram aterrorizar os Bakerwals, comunidade nômade de pastores muçulmanos a que pertencia a menina, para dissuadi-los de ir à sua região.

O crime provocou reações indignadas no mundo político e na sociedade civil e revelou as tensões intercomunitárias na Índia, dirigida pelos nacionalistas hindus de Narendra Modi desde 2014.

A próxima audiência foi marcada para 28 de abril.

Cerca de 40.000 casos de estupro são denunciados por ano na Índia, segundo estatísticas oficiais.

Os observadores consideram que isso representa apenas a ponta do iceberg, devido à intensa cultura do silêncio que prevalece sobre este tema na sociedade indiana.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade