Publicidade

Estado de Minas

Trump ameaça atacar Síria com mísseis e tem foco em "comércio justo" com China


postado em 11/04/2018 12:48

São Paulo, 11 - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ameaçou na manhã desta quarta-feira atacar a Síria com mísseis. Em mensagem no Twitter, ele também criticou a Rússia por ser aliada do regime de Bashar al-Assad, acusado nos últimos dias de responsabilidade em um ataque com armas químicas contra civis sírios.

"A Rússia se compromete a derrubar quaisquer mísseis disparados na Síria. Fique preparada, Rússia, porque eles estão vindo, belos e novos e "inteligentes"!", afirmou Trump em sua mensagem. "Vocês [russos] não deveriam ser parceiros do Animal Assassino do Gás [Assad], que mata seu povo e gosta disso!", atacou.

Em outra mensagem divulgada há pouco, Trump afirmou que seu governo está concentrado em garantir "comércio aberto e justo com a China", entre outros temas. Ele criticou a quantidade de "notícias falsas" sobre o que acontece na Casa Branca. "Muita calma e cálculo com um grande foco no comércio aberto e justo com a China, a vinda da reunião com a Coreia do Norte e, claro, o ataque com gás terrível na Síria", disse Trump sobre suas prioridades neste momento.

Ainda segundo ele, é "uma alegria" ter John Bolton como novo assessor de segurança nacional e Larry Kudlow como diretor do Conselho Econômico Nacional. Na avaliação do presidente, sua administração consegue coisas "que ninguém julgava possíveis, apesar da investigação sem fim e corrupta sobre a Rússia", comentou, mencionando a apuração nos EUA sobre a suposta interferência de Moscou na corrida eleitoral vencida por Trump contra a democrata Hillary Clinton. Ele voltou a negar qualquer conluio ou obstrução com os russos na campanha.

Trump ainda criticou a "impensável" busca no escritório de advogados em busca de informação. Na segunda-feira, o FBI fez uma busca no escritório e na casa do advogado de Trump, Michael Cohen, por causa de um pagamento de US$ 130 mil feito por Cohen à atriz pornô Stormy Daniels menos de duas semanas antes das eleições de 2016. O pagamento foi feito em troca do silêncio dela sobre um encontro sexual entre a atriz e Trump em 2006.

(Equipe AE)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade